iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Refutação da ideias de colonialismo ser intrinsecamente mau enquanto a autodeterminação é boa.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: Caribbean Progress Studies Institute.
Autoria do texto: Rasheed Griffith.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. Caribbean Progress Studies Institute
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

“Toda a história é uma história revisionista”.
James Banner, autor de The Ever-Changing Past [O Passado em Constante Mudança].

O passado desapareceu para sempre e não temos acesso direto a ele. O estudo da história é como tentamos juntar as peças do que aconteceu. No entanto, os historiadores não estão imunes ao mundo em que habitam. Eles filtram o mundo através de todas as suas dimensões: idade, sexualidade, nacionalidade, interesses, política, cultura e outras características infinitas. Com o passar do tempo, deveríamos revisitar freqüentemente coisas que pensávamos estarem resolvidas – para dar uma nova olhada.

Bruce Gilley faz isso com seu livro O Argumento em favor do Colonialismo. Ele afirma que o anticolonialismo, e não o colonialismo, representava a maior ameaça aos direitos humanos e à paz mundial. Ele argumenta que o rápido abandono da governação colonial prejudicou o progresso no mundo em desenvolvimento, destacando as deficiências do movimento anticolonial. Apesar de ele não focar no Caribe, seus argumentos levam à consideração de suas implicações na região.

Um estudo mostra que a transformação significativa de Barbados ocorreu na era pré-independência das décadas de 1950 e 1960. O estudo descobriu que cada cem anos adicionais que um país insular passava sob o domínio colonial resultavam em um PIB per capita 42% maior.

Territórios que passaram mais tempo sob o domínio colonial tendiam a ter maior desempenho econômico hoje.

Se o “tempo sob o colonialismo” (pelo menos para as ilhas) se correlaciona positivamente com um desempenho econômico mais elevado, então talvez isso indique que os atuais países que ainda são colónias (efetivamente) deveriam superar os países independentes de origens semelhantes e de tamanho comparável. Isto parece ser verdade.

Outro estudo descobrindo que os territórios dependentes geralmente têm valores de Produto Nacional Bruto (PIB) per capita mais elevados do que seus homólogos.

As estatísticas do Banco Mundial revelam que os pequenos estados independentes têm um desempenho económico pior do que os territórios dependentes. Nenhum dos territórios dependentes cai na menor faixa de PIB per capita, enquanto 18% dos pequenos estados independentes o fazem. Por outro lado, mais de 47% dos territórios dependentes estão na faixa de maior PIB per capita, em comparação com apenas 18,6% dos pequenos estados independentes. Em geral, o colonialismo europeu levou a um maior progresso econômico. Um exame mais aprofundado da história econômica do Caribe ressalta o impacto positivo da administração colonial.


JAMAICA 1985

A Jamaica deixou de ser governada por proprietários de plantações locais para ser governada diretamente pelo Parlamento do Reino Unido em 1865. Essa mudança levou a um aumento significativo no investimento público, particularmente depois que a Jamaica se tornou uma Colônia da Coroa até a independência em 1962. A mudança dos interesses locais para o investimento liderado pelos britânicos em saúde, educação e infraestrutura destacou as consequências da administração colonial versus autogoverno, ressaltando o impacto positivo do colonialismo europeu no desenvolvimento.

Investimento público na Jamaica, antes de ser governada pelo Reino Unido, e durante.


OS GUARDAS DA GOVERNANÇA

O governo direto imposto pelo Parlamento do Reino Unido em territórios como as Ilhas Turks e Caicos e as Ilhas Virgens Britânicas devido à corrupção sistêmica demonstra a diferença gritante na governança em comparação com os países independentes do Caribe. Sob regra direta, ajustes rápidos e a remoção de políticos corruptos são facilitados, garantindo responsabilidade e transparência. Em contraste, os países independentes do Caribe lutam para resolver problemas sistêmicos sem intervenção externa, levando a problemas persistentes com a prestação de contas do governo e a gestão financeira.

O Show de Magatte Wade

Magatte Wade é uma empresária senegaleza. Faz palestras explicando o que mantém muitas nações africanas em um estado de pobreza contínua: a África tem os piores ambientes de negócios do mundo. Magatte acredita que o livre mercado e a liberdade econômica são o caminho para a África avançar. Suas ideias são fundamentadas na realidade e na sua experiência vivida como empreendedora em série. Ela adora por falar sobre o papel dos mercados livres na superação da pobreza e o papel das empresas para enfrentar questões sociais e educação empreendedora.

Magatte Wade explica a causa da pobreza africana:

Magatte Wade conta sua história de sucesso:

Refutação da ideias de colonialismo ser intrinsecamente mau enquanto a autodeterminação é boa.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

Fé Racional

Bizarro, da parte de Dawkins, que escreveu um livro chamado “Deus, um Delírio”, em que alegava que a religião era uma força profundamente malévola e

Leia Mais »
Psicanálise
Editorial

Jordan Peterson Desagravado

As pessoas riram quando Jordan Peterson disse que as feministas estão do lado do Islã radical porque as elas têm um desejo inconsciente de dominação

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *