iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

A maternidade e a família são a solução para a sociedade ou a causa de seus problemas?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Aqui, dois artigos reunidos porque abordam o mesmo assunto, chocando-se, entretanto quanto à conclusão.
Ambos falam sobre abnegação e egoismo, morte e felicidade.É a correlação que fazem que é diametralmente oposta.
Um vídeo do cardstore.com separa os dois artigos.

Transformei minha angústia em um movimento para amparar mulheres como eu: que não gostam da maternidade. Sou criadora do “Mãe Arrependida” que visa à libertação da voz das mães que não são felizes como mães, que sofrem e sentem culpa por conta da maternidade.

Esse movimento visa combater a construção social, baseada na ética cristã, de que a mulher tem um amor incondicional pelo filho

Eu detesto ser mãe desde o momento em que a cabeça da minha filha saiu

Tive psicose pós-parto, que é algo mais grave do que a depressão pós-parto, porque eu era compulsiva por ser uma mãe perfeita

Os sintomas do arrependimento materno são frustração, sensação de que a vida acabou, abandono, desânimo para desenvolver novos projetos de vida.

Eu levei dez anos para sair do armário, para me assumir como mãe arrependida, porque parecia que eu era a única, que só eu sentia isso. O meu arrependimento também passa por um relacionamento abusivo com o pai da minha filha e um processo complicado de separação

entrei para um coletiva de mulheres e ali discutimos leituras sobre arrependimento materno. Naquele grupo, todas eram feministas, mas só eu era mãe.

Esses dias me perguntaram se eu abortaria se soubesse que ia me arrepender no futuro. A verdade é que, infelizmente, não. Venho de uma família muito religiosa e sei que jamais teria abortado naquela época.

A maternidade envolve todo um cuidado […]

É uma bola extremamente sufocante estruturada pela sociedade.

A maternidade é uma startup de alto risco, sem reconhecimento e sem retorno.

É preciso acabar com o lado romantizado da maternidade, que é muito nocivo para todas nós, que causa tristeza, depressão e morte.

Condensação de artigo de Marcelle Souza.
Site original: www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2021/05/07/sou-uma-mae-arrependida-desde-o-parto-da-minha-filha-diz-atriz.amp.htm?__twitter_impression=true&fbclid=IwAR1c0rroree0D8PxH5FTz8ImIOiJoEOZqKjRjp_F-GBJFhGv4h9SY9gvgZA

Eu adoraria ler mais [artigos] sobre mulheres (e homens também) que se arrependem de ter tido filhos cedo, de ter tido a quantia de filhos que tiverem ou que simplesmente se arrependem de terem tido filhos. Não tem muita coisa a respeito da maternidde que não tenha sido explorado, mas isto não foi.

Este é um convite de uma editora colaboradora do The New York Times para divulgar as pessoas que prejudicam psicologicamente seus próprios filhos. Portanto, é errado e repulsivo. Previsivelmente, Filipovic não conseguiu entender por quê. Então deixe-me explicar.

Ao se deparar com a realidade de que trouxe uma criança à existência, a resposta adequada é a tradicional de que as sociedades sãs e saudáveis ​​incentivam: Compromisso com a garantia do bem-estar dessa criança, custe o que custar.

Validar a existência de um ser humano é intrínseco a amar essa pessoa. O amor é uma afirmação do valor da existência de outra pessoa. É um “sim” eterno à glória eá beleza da existência de outra pessoa. Amor significa dizer a alguém: “É bom que você esteja aqui”.

Os pais devem a seus filhos essa afirmação de existência, assim como os filhos devem a seus pais respeito e gratidão por isso. Portanto, o que Filipovic está realmente pedindo é que os meios de comunicação ampliem o ódio: a rejeição dos pais à existência de seus próprios filhos. Ela quer ver uma espécie de aborto vivo. O aborto é de fato o motivo abrangente dessa visão de mundo, tanto literal quanto figurativamente.

[…]

Portanto, não é coincidência que um “estilo de vida livre de crianças” não consiga desenvolver muitos adeptos sem amplo acesso e aceitação do aborto […]. A infertilidade proposital é tão contrária à natureza que requer violência para mantê-la. Às vezes, essa violência pode estar oculta, como nos embriões de duas semanas que a pílula pode matar sem que suas mães nunca saibam, mas como a violência é inerente a esse modo de ser, ela constantemente se inflama na retórica feminista.

[…] a brutalidade cultivada pelo feminismo desfaz os laços entre mãe, pai e filho, que são cruciais para a felicidade social.

 O New York Times está comprometido em ajudar a classe dominante a dividir as pessoas para mantê-las dependentes.

[…] pesquisa descobre que cuidados não parentais extensivos tornam as crianças mais violentas , estúpidas e deprimidas.

[…] o ataque da revolução sexual contra a família nuclear causou ansiedade, depressão, crises de identidade, desordens sociais, TDAH, narcisismo, psicopatia e outras neuroses [em nossa nação].

[…] os americanos […] hoje têm mais dinheiro do governo e programas [sociais] do que qualquer outra geração na história americana, contudo, têm as taxas de natalidade mais baixas e as taxas mais altas de psicose relacionada à família. […]

As verdadeiras barreiras para haver famílias americanas mais saudáveis ​​são a falta de vontade de sacrificar dinheiro e carreiras em favor do que é melhor para as crianças, por parte dos americanos de renda mais alta, e a falta de vontade de reservar a criação de filhos para a estabilidade do casament,o entre os americanos de baixa renda. Em ambos os lados do espectro de renda, são as escolhas egoístas que estão prejudicando o futuro da nação. E o dinheiro não resolve o egoísmo.

O que nossa nação precisa não é gastar mais dinheiro […] subsidiando as tendências disfuncionais dos pais[…]. O que a nação precisa é que reconheçamos que ser um bom pai ou mãe é extremamente difícil, extremamente gratificante e uma grande conquista de vida que merece grande honra. Criar uma família forte precisa voltar a ser promovido como a razão de uma carreira e de uma economia, a condição sine qua non de qualquer sociedade.

Para fazer um bom trabalho nisso, é necessário abrir mão de coisas de que você gosta, como dinheiro, dormir à noite, assistir TV sem interrupções e trabalhar todos os dias por 45 anos consecutivos. Isso ensina a verdade inestimável de que muitas, muitas coisas são mais importantes do que status e dinheiro. Essa verdade transformará sua vida para melhor e lhe dará a melhor chance possível de encontrar a felicidade neste mundo – se você permitir.

Se você não quer criar seu próprio filho, não tenha um. Vá em frente e seja essa pessoa baixa. É a sua vida; você está livre para destrui-la. Mas você não é livre para destruir a de outra pessoa, especialmente a que você trouxe a este mundo. Uma vez que seu filho exista, seu dever é fazer o melhor que puder por ele, independentemente de quanto isso lhe custe.

As crianças não são um acessório de estilo de vida que existe para o prazer dos pais como um cachorrinho de estimação. Eles não são unidades de produção econômica futura para as projeções do PIB de alguém. São seres humanos com almas, cuja existência acarreta obrigações recíprocas entre gerações. Tentar monetizar em massa essas obrigações transcendentais mútuas por meio do governo federal é uma missão tola que provavelmente criará mais do que resolverá problemas.

Joy Pullmann é editora executiva do The Federalist, uma esposa feliz e mãe de seis filhos. Inscreva-se aqui para obter acesso antecipado ao seu próximo livro, “Como controlar a Internet para que ela não controle você”. Seu e-book mais vendido é “Livros clássicos para crianças pequenas “. @JoyPullmann , formada com honras do Hillsdale College, também é autor de ” The Education Invasion: How Common Core Fights Parents for Control of American Kids “, da Encounter Books.

Karla Tenório em depoimento a Marcelle Souza
Colaboração para Universa
www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2021/05/07/sou-uma-mae-arrependida-desde-o-parto-da-minha-filha-diz-atriz.amp.htm?__twitter_impression=true&fbclid=IwAR1c0rroree0D8PxH5FTz8ImIOiJoEOZqKjRjp_F-GBJFhGv4h9SY9gvgZA

Imagem:
www.lightfarm.com/br/home/work/puzzle-head
Lightfarm Creative CG Director: Rafael Vallaperde

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *