iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Pode-se dizer que o Judaismo inventou o Homossexualismo

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: Dennis Prager.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Quando o judaísmo exigiu que toda atividade sexual fosse canalizada para o casamento, isso mudou o mundo. A proibição​,​ pela Torá​,​ de sexo não conjugal simplesmente tornou possível a criação da civilização ocidental. As sociedades que não colocavam limites em torno da sexualidade tiveram seu desenvolvimento frustrado. O domínio subsequente do mundo ocidental pode ser amplamente atribuído à revolução sexual, ​iniciada pelo judaísmo e​,​ posteriormente​,​ levada adiante pelo cristianismo.

Essa revolução consistiu em forçar o gênio sexual ​para dentro da ​garrafa conjugal. Assegurou que o sexo não dominasse mais a sociedade, ​elevou o amor e a sexualidade entre homens e mulheres (e, assim, quase sozinho criava a possibilidade de amor e erotismo dentro do casamento) e iniciou a árdua tarefa de elevar o status das mulheres.

Provavelmente é impossível para nós, que vivemos milhares de anos após o judaísmo, iniciar esse processo, perceber até que ponto o sexo indisciplinado pode dominar a vida do homem e a vida da sociedade. Em todo o mundo antigo​,​ e até no passado recente em muitas partes do mundo, a sexualidade in​undou praticamente toda a sociedade.​​

A sexualidade humana, especialmente a sexual masculina, é polimorfa ou totalmente selvagem (muito mais que a sexualidade animal). Homens fizeram sexo com mulheres e com homens; com meninas e meninos; com um único parceiro e em grandes grupos; com totalmente estranhos e familiares imediatos; e com uma variedade de animais domesticados. Eles alcançaram o orgasmo com objetos inanimados, como couro, sapatos e outras peças de roupa, urinando e defecando u​ns nos outro​s​ (os leitores interessados ​​podem ver uma fotografia do primeiro em museus de arte selecionados, exibindo as obras do fotógrafo Robert Mapplethorpe); vestindo roupas de mulher; assistindo outros seres humanos serem torturados; acariciando crianças de ambos os sexos; ouvindo a voz sem corpo de uma mulher (por exemplo, “sexo por telefone”); e claro, olhando fotos de corpos ou partes de corpos. Há pouc​a coisa, animad​a ou inanimad​a, que não​ tenha levado alguns homens ao orgasmo. É claro que nem todas essas práticas foram toleradas pelas sociedades – o incesto entre pais e filhos e a sedução da esposa de outro raramente foram ​aceitos -, mas muitas ilustram ​a​ que ​a libido não-canalizad​a, ou em termos freudianos, “não sublimad​a” pode levar.

Brian Ridley e Lyle Heeter, por Robert Maplethorpe.
Leia mais em As fotos de Mapplethorpe

Des-sexualizando Deus e Religião
Entre as conseqüências do desejo sexual não canalizado está a sexualização de tudo – incluindo a religião. A menos que o desejo sexual seja adequadamente aproveitado (não sufocado – o que leva a suas próprias conseqüências destrutivas), uma religião superior não poderia ter se desenvolvido. Assim, a primeira coisa que o judaísmo fez foi dessexualizar a Deus: “No princípio, Deus criou os céus e a terra” por sua vontade, não por qualquer comportamento sexual. Foi uma ruptura totalmente radical com todas as outras religiões, e só isso mudou a história da humanidade. Os deuses de praticamente todas as civilizações ​se envolviam em relações sexuais. No Oriente Próximo, o deus babilônico Ishtar seduziu um homem, Gilgamesh, o herói babilônico. Na religião egípcia, o deus Osíris tinha relações sexuais com sua irmã, a deusa Ísis, e ela concebeu o deus Hórus. Em Canaã, El, o deus principal, fez sexo com Aserá. Na crença hindu, o deus Krishna era sexualmente ativo, tendo tido muitas esposas e perseguido Radha; o deus Samba, filho de Krishna, seduziu homens e mulheres mortais. Nas crenças gregas, Zeus casou-se com Hera, perseguiu mulheres, raptou o belo jovem Ganimedes e se masturbou em outros momentos; Poseidon casou-se com Amphitrite, perseguiu Demeter e estuprou Tantalus. Em Roma, os deuses perseguiram sexualmente homens e mulheres.

Santuário de Tofete.
Situado na Tunísia. Há milhares de túmulos de crianças, o que levou os historiadores a especularem que elas podem ter sido vítimas de sacrifício humano, quando o lugar era conhecido como Cartago A prática teria se estendido a suas colônias: Sicília, Sardenha e Malta.
Está ficando cada vez mais claro que as histórias de sacrifício de crianças cartaginesas são verdadeiras”, confirma Josephine Quinn, da 
Universidade de Oxford .

Dada a atividade sexual dos deuses, não surpreende que as próprias religiões estivessem repletas de todas as formas de atividade sexual. No antigo ​Oriente Próximo ​em outros lugares, as virgens eram defloradas por sacerdotes antes de se envolverem com seus maridos, e a prostituição sagrada ou ritual era quase universal. O psiquiatra e historiador sexual Norman Sussman descreve a situação assim: “Prostitutas masculinas e femininas, servindo temporária ou permanentemente e realizando atividades sexuais heterossexuais, genital-orais, bestiais e outras formas de atividades sexuais, dispensam seus favores em ​prol ​do templo”. ​Em todo o antigo Oriente Próximo, desde muito cedo, a relação anal fazia parte da adoração às deusas. No Egito antigo, Mesopotâmia e Canaã, as relações cerimoniais anuais aconteciam entre o rei e uma sacerdotisa.

No próprio Israel antigo, houve repetidas tentativas de reintroduzir a prostituição no templo, resultando em repetidas guerras judaicas contra o sexo cult​ual. A Bíblia registra que o rei da Judéia​,​ Asa​,​ “afastou ​as qdeshim [prostitutas do templo] da terra”; que seu sucessor, Josafá, afastou da terra … o remanescente dos qdeshim que permaneceram nos dias de seu pai​,​ Asa ”; e que mais tarde, o rei Josias, em suas reformas religiosas, “destruiu as casas d​as qdeshim”. Na Índia até este século, certos cultos hindus exigiam relações sexuais entre monges e freiras, e esposas teriam relações sexuais com​ sacerdotes que representam o deus. Até ​ter se torn​ado ilegal​,​ em 1948, quando a Índia conquistou a independência, os templos hindus​,​ em muitas partes da Índia​,​ tinham mulheres e meninos prostitutos. No século XIV, os chineses encontraram rituais religiosos tibetanos homossexuais praticados na corte de um imperador mongol. No Sri Lanka, durante este século, o culto budista da deusa Pattini envolv​ia sacerdotes vestidos como mulheres, e o grupo da deusa é​ castrado simbolicamente.

Templo indiano de Odisha, Índia.

O judaísmo colocou controles sobre a atividade sexual. ​Ela não pod​er​ia mais dominar a religião e a vida social. Era para ser santificad​a – que em hebraico significa “separad​a” – do mundo e colocad​a no lar, na cama d​o marido e ​da​mulher. A restrição do comportamento sexual​, pelo judaísmo​,​ foi um dos elementos essenciais que permitiram à sociedade progredir. Juntamente com o monoteísmo ético, a revolução iniciada pela Torá, quando declarou guerra às práticas sexuais do mundo, provocou as mudanças de maior alcance na história.

Inventando a homossexualidade
A natureza revolucionária do judaísmo, que proíbe todas as formas de sexo não conjugal, não era​,​ de modo algum​,​ mais radical, mais desafiadora para as suposições predominantes da humanidade do que em relação à homossexualidade. De fato, pode-se dizer que o judaísmo inventou a noção de homossexualidade, pois no mundo antigo a sexualidade não estava dividida entre heterossexualidade e homossexualidade. Essa divisão foi obra da Bíblia. Antes da Bíblia, o mundo dividia a sexualidade entre penetrador (parceiro ativo) e penetrado (parceiro passivo).

Homem e adolescente fazendo sexo, 550-525 a.C., Louvre.

Como escreveu Martha Nussbaum, professora de filosofia da Brown University, os antigos não estavam mais preocupados com a preferência de gênero das pessoas do que as pessoas hoje em dia com as preferências alimentares de outras pessoas:

As categorias antigas de experiência sexual diferiam consideravelmente das nossas … A distinção central na moralidade sexual era a distinção entre papéis ativos e passivos. O gênero do objeto … não é em si moralmente problemático. Meninos e mulheres são frequentemente tratados de maneira intercambiável como objetos de desejo [masculino]. O que é socialmente importante é penetrar ao invés de ser penetrado. O sexo é entendido fundamentalmente não como interação, mas como algo que se faz a alguém …

O judaísmo mudou tudo isso. Tornou o “gênero do objeto” muito “problemático moralmente”; declarou que ninguém é “intercambiável” sexualmente. E, como resultado, garantiu que o sexo seria de fato “fundamentalmente interação” e não simplesmente “fazer algo com alguém”.

Twitter de Stefonknee Wolscht

Para apreciar a extensão da revolução provocada pelo judaísmo​,​ que proíbe a homossexualidade e exige que toda interação sexual seja homem-mulher, é necessário primeiro avaliar o quão universalmente aceita, valorizada e praticada a homossexualidade tem sido em todo o mundo.

A única exceção contínua foi a civilização judaica – e mil anos depois, a civilização cristã. Além dos judeus, “nenhuma civilização arcaica proibia a homossexualidade em si”, observa o Dr. David E. Greenberg. Foi apenas o judaísmo que, cerca de 3.000 anos atrás, declarou a homossexualidade errada.

E dizia isso na linguagem mais poderosa e inequívoca possível: “ Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação. ”“ E se um homem se deita com ​um homem, como com a mulher, ambos cometeram uma abominação. ”É a moral sexual do judaísmo, não a homossexualidade, que historicamente tem sido ​anti-convencional.

Greenberg, cujo livro  The Construction of Homosexuality  é o estudo histórico mais completo sobre homossexualidade já escrito, resume a natureza onipresente da homossexualidade com estas palavras: “Com apenas algumas exceções, a homossexualidade masculina não foi estigmatizada ou reprimida, desde que estivesse em conformidade com as normas relativas à homossexualidade. gênero e idades e status relativos dos parceiros … As principais exceções a essa aceitação parecem ter surgido em duas circunstâncias.”​ ​Ambas as circunstâncias ​foram jud​aicas.

Verdade da Bíblia
A Bíblia Hebraica, em particular a Torá (Os Cinco Livros de Moisés), fez mais para civilizar o mundo do que qualquer outro livro ou id​e​ia na história. É a Bíblia hebraica que deu à humanidade idéias como um Deus universal, moral e amoroso; obrigações éticas ​para ​com esse Deus; a necessidade d​e ​a história avançar para a redenção moral e espiritual; a crença de que a história tem significado; e a noção de que a liberdade humana e a justiça social são os estados divinamente desejados para todas as pessoas. Deu ao mundo os dez mandamentos, o monoteísmo ético e o conceito de santidade (o objetivo de elevar os seres humanos d​a semelhança de animal para ​a ​semelhança de​deus). Portanto, quando esta Bíblia faz f​irmes proclamações morais, ouço com grande respeito. E em relação à homossexualidade masculina – a homossexualidade feminina não é mencionada – esta Bíblia fala em uma linguagem tão clara e direta que não é necessário ser um fundamentalista religioso para ser influenciado por seus pontos de vista. Tudo o que é necessário é considerar-se um judeu ou cristão sério.

Judeus ou cristãos que levam a sério as opiniões da Bíblia sobre homossexualidade não são obrigados a provar que não são fundamentalistas ou literalistas, muito menos fanáticos (embora, é claro, as pessoas tenham usado a Bíblia para defender o fanatismo). Em vez disso, ​os que afirmam que a homossexualidade é compatível com o judaísmo ou o cristianismo carregam o ônus da prova para reconciliar essa visão com a Bíblia. Dada a natureza inequívoca da atitude bíblica em relação à homossexualidade, no entanto, essa reconciliação não é possível. Tudo o que é possível é declarar: “Estou ciente de que a Bíblia condena a homossexualidade e considero a Bíblia errada.” Essa seria uma abordagem intelectualmente honesta. Mas essa abordagem leva a outro problema.

Os defensores da aceitação religiosa da homossexualidade respondem que, embora a Bíblia seja moralmente avançada em algumas áreas, ela é moralmente regressiva em outras. Sua condenação da homossexualidade é um exemplo, e a Torá permit​ir a escravidão​,​ é outro. Longe de ser imoral, no entanto, a proibição da Torá de homossexualidade era uma parte ​essencial de sua libertação (1) do ser humano dos laços da sexualidade desenfreada e (2) das mulheres de serem periféricas à vida dos homens. Quanto à escravidão, embora a Bíblia declare a homossexualidade errada, ela nunca declara a escravidão como boa.

Aqueles que defendem a aceitação religiosa da homossexualidade também argumentam que a Bíblia prescreve a pena de morte para uma infinidade de pecados, incluindo atos aparentemente irrelevantes como colher lenha no sábado. Assim, o fato de a Torá declarar a homossexualidade uma ofensa capital pode significar que a homossexualidade não é uma ofensa mais grave do que alguma violação do sábado. E como não condenamos mais as pessoas que violam o sábado, por que continuar condenando as pessoas que praticam atos homossexuais?

A resposta é que não ​extraímos nossa abordagem da homossexualidade do fato de a Torá tê-lo tornado um crime capital. Aprendemos com o fato de que a Bíblia faz uma declaração moral sobre a homossexualidade. Não faz nenhuma declaração sobre a coleta de madeira no sábado. A Torá usa seu termo mais forte de censura – “abominação” – para descrever a homossexualidade. É a avaliação moral da homossexualidade da Bíblia que distingue a homossexualidade de outras ofensas, capitais ou quaisquer outras​​. Como o professor Greenberg, que não demonstra nenhuma inclinação à crença religiosa, escreve: “Quando a palavra toevah (“abominação”) aparece na Bíblia Hebraica, às vezes é aplicada à idolatria, prostituição cult​ual, magia ou adivinhação e às vezes é usada mais geralmente. Sempre transmite grande repugnância ”(ênfase a​crescentada).

Além disso, a Bíblia lista a homossexualidade junto com o sacrifício de crianças entre as “abominações” praticadas pelos povos que vivem na terra prestes a ser conquistada pelos judeus. Os dois certamente não são moralmente equivalentes, mas ambos caracterizaram um mundo moralmente primitivo​,​ que o judaísmo se propôs a destruir. Ambos caracterizaram um modo de vida oposto ao que Deus exigia dos judeus (e até dos não judeus – a homossexualidade está entre as ofensas sexuais que constituem uma das “sete leis dos filhos de Noé” que o judaísmo considera que todas as pessoas devem​ observar). Finalmente, a Bíblia a​crescenta uma​ única​ ameaça aos judeus se eles se envolverem na homossexualidade e nas outras ofensas dos cananeus: “Você será vomitado ​para ​fora da terra”, assim como os não-judeus que praticam essas coisas foram vomitados ​para​fora da terra . Mais uma vez, como observa Greenberg,​ essa ameaça “sugere que as ofensas​ eram consideradas muito sérias.

Escolha a vida
​O ​judaísmo não pode fazer as pazes com a homossexualidade porque a homossexualidade nega muitos dos princípios mais fundamentais do judaísmo. Nega a vida, nega o desejo expresso de Deus de que homens e mulheres coabitem, e nega a estrutura raiz que o judaísmo deseja para toda a humanidade, a família.

Sam Briton, indicado pelo governo Biden para cuidar de resíduos de energia nuclear.

Se ​se pode falar da essência do judaísmo, está contid​a na declaração da Torá: “Eu lhe propus a vida e a morte, as bênçãos e a maldição, e você escolherá a vida.” O judaísmo afirma o que quer que melhore a vida, e se opõe ou separa ​d​o que quer que represente a morte. Assim, um ​sacerdote judeu (cohen) deve se preocupar apenas com a vida. Talvez ​a única entre as religiões do mundo, o judaísmo proibiu seus ​sacerdotes de entrar em contato com os mortos. Para citar alguns outros exemplos, a carne (morte) é separada do leite (vida); a menstruação (morte) é separada da relação sexual (vida); animais carnívoros (morte) são separados de vegetarianos, kosher, animais (vida). É provavelmente por isso que a Torá justapõe o sacrifício de crianças à homossexualidade masculina. Embora não sejam moralmente análogos, ambos representam a morte: priva os filhos da vida, o outro impede que eles tenham vida. Esse paralelismo está presente no Talmud: “Quem não se envolve em propagação da raça é como se tivesse derramado sangue”.

A primeira declaração de Deus sobre o homem (o ser humano em geral, e o homem especificamente) é: “Não é bom que o homem esteja sozinho.” Agora, presumivelmente, para resolver o problema da solidão do homem, Deus poderia ter feito outro homem. ou mesmo uma comunidade de homens. Mas, em vez disso, Deus resolveu a solidão do homem criando uma outra pessoa, uma mulher – não um homem,​ algumas mulheres, uma comunidade de homens e mulheres. A solidão do homem não era​ em​ função de ele não estar com outras pessoas; era ​em função de estar sem ​uma ​mulher. Obviamente, o judaísmo também sustenta que as mulheres precisam de homens. Mas tanto a declaração da Torá quanto a lei judaica têm sido mais inflexíveis quanto ao casamento ​de homens do que ao casamento de mulheres. O judaísmo está preocupado com o que acontece aos homens e à sociedade quando os homens não canalizam suas paixões no casamento. Nesse sentido, a Torá e o judaísmo ​foram altamente prescientes: a esmagadora maioria dos crimes violentos é cometida por homens solteiros. Assim, o celibato masculino, um estado sagrado em muitas religiões, é um pecado no judaísmo. Para se tornar totalmente humano, homem e mulher devem se unir. Nas palavras de Gênesis, “Deus criou o humano … homem e mulher, ele os criou.” A união de homem e mulher não é apenas um ideal adorável; é a essência da perspectiva judaica de se tornar humano. Negar é o ​equivalente a negar um objetivo primário da vida.

Poucos judeus precisam ser informados da centralidade da família na vida judaica. Ao longo de sua história, uma das características mais distintivas dos judeus foi o compromisso com a vida familiar. Para o judaísmo, a família – não a nação e nem o indivíduo – deve ser a unidade fundamental, a base da sociedade. Assim, quando Deus abençoa Abraão, ele diz: “Por meio de você todas as famílias da Terra serão abençoadas”.

O inimigo das mulheres
Outra razão para a oposição do judaísmo à homossexualidade é o efeito negativo da homossexualidade nas mulheres.

Um dos aspectos mais notáveis ​​da aceitação da homossexualidade pelas sociedades contemporâneas é a falta de protestos por parte das mulheres e por elas. Digo “​protestos” porque certamente há muito choro silencioso por parte das mulheres sobre esse assunto, como se ouviu no lamento frequente de mulheres solteiras de que tantos homens solteiros são gays. Mas a principal razão para qualquer pessoa preocupada com a igualdade das mulheres se preocupar com a homossexualidade é a correlação direta entre a prevalência da homossexualidade masculina e o rebaixamento das mulheres para um baixo papel social. A melhoria da condição das mulheres só ocorreu na civilização ocidental, a civilização menos tolerante à homossexualidade.

Nas sociedades em que os homens procuravam homens por amor e sexo, as mulheres eram relegadas à periferia da sociedade. Assim, por exemplo, a Grécia antiga, que elevava a homossexualidade a um ideal, era caracterizada por “uma atitude misógina”, nas palavras de Norman Sussman. A homossexualidade na Grécia antiga, ele escreve, “estava intimamente ligada a um conceito idealizado do homem como foco das atividades intelectuais e físicas… A mulher era vista como tendo apenas dois papéis. Como esposa, ela administrava a casa. Como cortesã, ela satisfez os desejos sexuais masculinos. ”A classicista Eva Keuls descreve Atenas no auge da grandeza filosófica e artística como​ ​“uma sociedade dominada por homens que sequestram suas esposas e filhas, den​igrem o papel feminino na reprodução, erigem monumentos para ​a genitália​ masculina​, fazem sexo com os filhos de seus pares … “

Na França medieval, quando os homens enfatizavam o amor homem-homem, ​isso ​”implicava uma correspondente falta de interesse pelas mulheres”. No Cântico de Roland, um mini-épico francês, dada sua forma final no final do século XI ou XII, as mulheres aparecem apenas como figuras marginais sombrias: “Os sinais mais profundos de afeição no poema, assim como em sinais semelhantes, aparecem no amor do homem pelo homem … ”As mulheres da sociedade árabe, onde a homossexualidade masculina tem sido generalizada, permanecem em um estado notavelmente baixo no mundo moderno. Isso pode ser uma coincidência, mas o senso comum sugere uma ligação. Assim, também, na cultura tradicional chinesa, o baixo estado das mulheres tem sido associado à homossexualidade generalizada. Como relatou um médico francês da China no século XIX, “as mulheres chinesas eram tão dóceis e idiotas que os homens, como os da Grécia antiga, procuravam cortesãs e meninos”.

Embora o judaísmo tradicional não seja tão igualitário quanto muitos judeus do final do século XX gostariam, foi o judaísmo – muito por sua insistência no casamento e na família e por sua rejeição à infidelidade e à homossexualidade – que iniciou o processo de elevação do status das mulheres. Enquanto outras culturas escreviam poesia homoerótica, os judeus escreveram o  Cântico dos Cânticos, um dos mais belos poemas que retratam o amor sensual masculino-feminino já escrito.

Uma razão final para a oposição à homossexualidade é o “estilo de vida” homossexual. Embora seja possível aos homossexuais do sexo masculino viver​em​ vidas de fidelidade comparáveis ​​às dos homens heterossexuais, geralmente não é o caso. Enquanto a lésbica típica teve menos de dez “amantes”, o homossexual masculino típico na América teve mais de 500. Em geral, nem homossexuais nem heterossexuais enfrentam o fato de que é esse estilo de vida homossexual masculino, mais do que o ato homossexual específico, que perturba a maioria das pessoas. É provavelmente por isso que menos atenção é dada à homossexualidade feminina. Quando ​não se controla ​a sexualidade masculina, as consequências são consideravelmente mais destrutivas do que quando ​não se controla ​a sexualidade feminina. Homens estupram. As mulheres não. Homens, não mulheres, se envolvem em fetiches. Os homens são mais frequentemente consumidos pelo desejo sexual, e passe​iam de parceiro sexual para parceiro sexual. Homens, não mulheres, são sexualmente sádicos. O sexo indiscriminado​,​ que caracteriza grande parte da vida homossexual masculina​,​ representa a antítese do objetivo do judaísmo de elevar a vida humana do animal para o divino.

O Ideal Sexual Judaico
O judaísmo tem um ideal sexual – sexo conjugal. Todas as outras formas de comportamento sexual, embora não sejam igualmente erradas, desviam-se desse ideal. Quanto mais eles se desviam, maior a antipatia do judaísmo por esse comportamento. Assim, existem vários graus de erros sexuais. Pode-se dizer, um continuum de erros que vai do sexo antes do casamento, ao celibato, ao adultério e à homossexualidade, incesto e bestialidade. Podemos entender melhor por que o judaísmo rejeita a homossexualidade se primeiro entendermos suas atitudes em relação a essas outras práticas inaceitáveis. Por exemplo, o judaísmo normativo rejeita com força a afirmação de que nunca se casar é um estilo de vida igualmente válido para o casamento. O judaísmo afirma que uma vida sem casar é uma vida menos santa, menos completa e menos judaica. Assim, apenas um homem casado podia ser sumo sacerdote, e apenas um homem que teve filhos poderia se​ assentar como juiz na suprema corte judaica, o Sinédrio. ​Coloc​ando em termos modernos, enquanto um rabino solteiro pode ser o líder espiritual de uma congregação, ele seria demitido por quase todas as congregações se argumentasse publicamente que permanecer solteiro era um modo de vida tão judeu quanto o casamento. Apesar de tudo isso, nenhum judeu poderia argumentar que judeus solteiros devam ser excluídos da vida comunitária judaica. Os judeus solteiros devem ser amados e incluídos na vida familiar, social e religiosa dos judeus.

Essas atitudes em relação a não casar devem ajudar a esclarecer a atitude do judaísmo em relação à homossexualidade. Primeiro, a homossexualidade contradiz o ideal judaico. Segundo, não pode ser considerada igualmente válid​a. Terceiro, ​os publicamente comprometidos com el​a podem não servir como modelos públicos judeus. Mas quarto, os homossexuais devem ser incluídos na vida comunitária judaica e amados como seres humanos e como judeus. Ainda assim, não podemos abrir a porta judaica para o sexo não conjugal. Pois uma vez que alguém argumente que qualquer forma não-conjugal de comportamento sexual é igual à moral do sexo conjugal, a porta se abre para todas as outras formas de expressão sexual. Se a atividade homossexual consensual é válida, por que não o incesto consensual entre adultos? Por que o sexo entre um irmão e uma irmã adultos é mais censurável do que o sexo entre dois homens adultos? Se um casal concorda, por que não permitir adultério consensual? Uma vez validado o sexo não conjugal, como podemos traçar alguma linha? Por que a libertação gay não deve ser seguida pela libertação do incesto?

Aceitar a homossexualidade como o equivalente social, moral ou religioso da heterossexualidade constituiria o primeiro ataque moderno à batalha de milênios ​tão arduamente conquistada ​por uma sociedade baseada em família e sexualmente monogâmica. Embora seja rotulado como “progresso”, a aceitação da homossexualidade não seria nova.

Novamente, os ideais sexuais do judaísmo, especialmente sua oposição à homossexualidade, tornaram os judeus diferentes desde os primeiros tempos até o presente. Já no segundo século aC, os escritores judeus notavam as vastas diferenças entre a vida sexual e familiar judaica e a de seus vizinhos não judeus. Nos Oráculos Syballine, escrito por um judeu egípcio provavelmente entre 163 e 45 aC, o autor comparou judeus a outras nações: Os judeus “têm consciência do casamento sagrado e não se envolvem em relações ímpias com crianças do sexo masculino, como fazem os fenícios, egípcios e ​romanos, ​a enganosa ​Grécia e muitas outras nações, persas e gálatas e toda a Ásia.” E em nossos dias. Amo Karlen, historiador do sexo, escreveu que, de acordo com o pesquisador do sexo Alfred Kinsey, “a homossexualidade era fenomenalmente rara entre os judeus ortodoxos”.

Questões morais e psicológicas
Para todos os argumentos oferecidos contra a homossexualidade, a resposta mais frequente é: Mas os homossexuais não têm escolha. Para muitas pessoas essa afirmação é tão emocionalmente poderosa que nenhuma reflexão adicional parece necessária. Como podemos nos opor às ações que as pessoas não escolheram? A questão é muito mais instrutiva quando colocada de uma maneira mais específica: a homossexualidade é programada biologicamente desde o nascimento ou é induzida social e psicologicamente? Claramente, não há uma resposta que ​dê conta de todos os homossexuais. O que se pode dizer com certeza é que alguns homossexuais foram iniciados nesse caminho na primeira infância​,​ e que a maioria dos homossexuais, tendo feito sexo com ambos os sexos, escolheu a homossexualidade junto ​com ​ou em preferência à heterossexualidade.

Podemos dizer “escolhido” porque a grande maioria dos homens gays já teve relações sexuais com mulheres. Como um estudo de quatro anos de 128 homens gays por um professor de psicologia da UCLA revelou: “Mais de 92% dos homens gays namoraram uma mulher em algum momento, dois terços tiveram relações sexuais com uma mulher”. A partir de agora, a única teoria que podemos excluir é que os homossexuais são biologicamente programados para serem homossexuais. Apesar de um desejo compreensivelmente grande por parte de muitos de provar isso (e minha própria inclinação para acreditar​ nisso​), simplesmente não há evidências de que a homossexualidade seja biologicamente determinada. Certamente, alguém poderia argumentar que a homossexualidade é biologicamente determinada, mas que a sociedade, se a suprimir o suficiente, faz com que a maioria dos homossexuais suprima sua homossexualidade. No entanto, se esse argumento for verdadeiro, se a sociedade p​ode reprimir com sucesso as inclinações homossexuais,​ isso leva​ a uma das duas conclusões: que a sociedade deveria assim o  fazer em seu próprio benefício, ou que a sociedade não deveria assim o fazer em benefício dos indivíduos.

Mais uma vez voltamos à questão dos valores. Ou alguém poderia argumentar que as pessoas são naturalmente (biologicamente) bissexuais (e dados os dados que eu vi sobre a sexualidade humana, isso pode muito bem ser verdade). Ironicamente, no entanto, se isso for verdade, o argumento de que a homossexualidade é escolhida ​se​ fortalec​e, não enfraquec​e. Pois, se todos temos tendências bissexuais e a maioria de nós reprime com sucesso nossos impulsos homossexuais, obviamente a homossexualidade é freqüentemente tanto superável quanto escolhida. E mais uma vez somos trazidos de volta à nossa pergunta original sobre o que a sociedade sexual ideal deveria promover: sexo conjugal heterossexual ou sexo homossexual​?​

Eu concluo:

(1) A homossexualidade pode ser induzida biologicamente (embora não exista evidência disso), mas certamente é psicologicamente arraigada (talvez indelevelmente) em uma idade muito precoce em alguns casos. Presumivelmente, esses indivíduos sempre tiveram desejos sexuais apenas por seu próprio sexo. Historicamente falando, eles parecem constituir uma minoria entre os homossexuais.

(2) Em muitos casos, a homossexualidade parece não estar arraigada de maneira indelével. Esses indivíduos gravitaram em direção à homossexualidade a partir de experiências heterossexuais, ou sempre foram bissexuais, ou vivem em uma sociedade que incentiva a homossexualidade. Como Greenberg, que é muito simpático à libertação gay, escreve: “Os biólogos​,​ que v​êem a maioria das características como herdadas​,e os psicólogos​,​ que pensam que as preferências sexuais são amplamente determinadas na primeira infância, podem prestar pouca atenção à descoberta de que muitos gays tiveram extens​iva experiência heterossexua​l.”

(3) Portanto, a evidência leva​,​ predominantemente​,​ a esta conclusão: em geral, é a sociedade, não o indivíduo, que escolhe se a homossexualidade será amplamente praticada. Os valores de uma sociedade, muito mais que tendências individuais, determinam a extensão da homossexualidade nessa sociedade. Assim, podemos ter grande solidariedade pelo indivíduo exclusivamente homossexual, enquanto nos opomos fortemente a aceitação social da homossexualidade. Dessa maneira, retemos nossos corações e nossos valores.

Willy Torresin de Oliveira, autor do livro Quem sou Eu?,
Torresin é fundador e diretor do ministério cristão Paz com Deus, que há 20 anos atua na redenção da sexualidade. 

A homossexualidade é uma doença? 
Em suma, a sociedade pode considerar a homossexualidade certa ou errada, independentemente de ser ou não escolhida. A sociedade também pode considerar a homossexualidade normal ou doença, independentemente de ser ou não escolhida.

Embora o pai da psicanálise, Sigmund Freud, não pensasse que a homossexualidade por si só significasse que uma pessoa estava doente, de acordo com seus padrões de desenvolvimento psicossexual, ele considerava a homossexualidade um desenvolvimento atrasado. Mas até 1973, a psiquiatria considerava a homossexualidade uma doença. Para citar um dos inúmeros exemplos, o Dr. Leo Rangell, psicanalista, escreveu que “nunca havia visto um homossexual masculino que também não tivesse fobia da vagina”.

Em 1973, a American Psychiatric Association (APA) removeu a homossexualidade de sua lista oficial de doenças mentais no  Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Psiquiátricos. Ativistas gays têm usado isso como uma arma importante em sua batalha pela aceitação social da homossexualidade. Mas, por muitas razões, a decisão da APA não resolveu a questão de saber se a homossexualidade é uma doença e a questão pode ser insolúvel. Dado o misto moral e julgamento da psiquiatria, especialmente desde a década de 1960, tudo o que se pode concluir da decisão da APA de remover a homossexualidade de sua lista de doenças é que, embora possa estar certa, a psiquiatria organizada nos deu poucas razões para confiar em seu julgamento sobre questões cobradas politicamente. Por essas razões, o fato de a Associação Psiquiátrica Americana não rotular mais a homossexualidade de doença não deve convencer ninguém de que não é. Dada a natureza subjetiva do termo “doença mental”, dado o poder dos ativistas gays,​ e dadas as visões políticas da liderança da APA (oposta à maioria dos seus membros), o voto da associação não significa nada para muitos observadores.​

Se as pressões sociais forçaram os psiquiatras no passado a rotular a homossexualidade de uma doença, como podemos ter certeza de que as pressões sociais de nosso tempo não os obrigaram a classificá-la como normal? Os psiquiatras atuais são menos influenciados pelas pressões sociais do que seus antecessores? Eu duvido. Então, deixando de lado a ambivalência da psiquiatria sobre a homossexualidade, vamos colocar a questão da seguinte maneira: “Supondo que exista algo normal, é normal que um homem seja incapaz de fazer amor com uma mulher (ou vice-versa)?”

Presumivelmente, existem apenas três respostas possíveis:

  • A maioria dos homossexuais pode fazer amor com uma mulher, mas eles acham esse ato repulsivo ou simplesmente preferem fazer amor com os homens.
  • Sim, é normal.
  • Não, isso não é normal.

Se a primeira resposta for oferecida, devemos reconhecer que o homossexual escolheu sua homossexualidade. E podemos então perguntar se alguém que escolhe amar o mesmo sexo e não o sexo oposto tomou essa decisão a partir de uma base psicologicamente saudável. Se a segunda resposta for oferecida, cada um de nós terá a liberdade de avaliar essa resposta por si mesmo. Eu, por exemplo, não acredito que a incapacidade de um homem de fazer amor com uma mulher possa ser rotulada como normal. Embora esse homem possa ser um ser humano saudável e refinado em todas as outras áreas da vida, e possivelmente muito mais gentil, diligente e ético do que muitos heterossexuais, nessa área ele não pode ser chamado de normal. E a razão para considerar a homossexualidade anormal não é seu status minoritário. Mesmo que a maioria dos homens se tornasse incapaz de fazer amor com mulheres, isso ainda não seria normal. Os homens são projetados para fazer amor com mulheres e vice-versa. O olho fornece uma analogia apropriada: se a maioria da população ficasse cega, a cegueira ainda seria anormal. O olho foi projetado para ver. É por isso que escolho a terceira resposta – que a homossexualidade não é saudável. Isso é dito, no entanto, com o entendimento de que, na arena psicológica, “doença” pode ser uma descrição dos valores de alguém, e não da ciência objetiva (que pode simplesmente não existir nessa área).

Homens e mulheres ele os criou
Para um mundo que dividia a sexualidade humana entre penetrador e penetrado, o judaísmo dizia: “Você​s​ ​estão errado​s​ – a sexualidade deve ser dividida entre homem e mulher”. Para um mundo que via as mulheres como produtoras de bebês indignas de ​atenção rom​ântica e sexual, o judaísmo disse: “Você​s​ ​estão errado​s​ – as mulheres devem ser o único foco do amor erótico dos homens”. Para um mundo que dizia que sentimentos sensuais e beleza física eram bens supremos da vida, o judaísmo dizia: “você​s estão errado​s​ – ética e santidade são os bens supremos. ”Mil anos antes que os imperadores romanos mantivessem meninos nus, foi ordenado aos reis judeus que escrevessem e guardassem uma sefer torá, um livro da Torá.

Em todas as minhas pesquisas sobre esse assunto, nada me comoveu mais do que a lei talmúdica de que os judeus eram proibidos de vender escravos ou ovelhas a não judeus, para que os não judeus se envolvessem na homossexualidade e na bestialidade. Esse era o mundo em que rabinos escreveram o Talmude e em que, anteriormente, a Bíblia foi escrita. Questionado sobre qual é a maior revelação que obtive de todas as minhas pesquisas, sempre respondo: “Que deve​ ​ter havido revelação divina para ​se ​produzir a Torá.” A Torá era simplesmente muito diferente do resto do mundo, ​muito contra ​a natureza d​o homem​, para ter sido ​feita​exclusivamente  pelo homem.

A criação da civilização ocidental tem sido uma coisa terrivelmente difícil e única. Foi preciso um constante atraso na gratificação e uma re-canalização dos instintos naturais; e essas disciplinas nem sempre foram bem recebidas. Houve inúmeras tentativas de desfazer a civilização judaico-cristã, não raramente por judeus (por meio de políticas radicais) e por cristãos (por meio do anti-semitismo).

A base desta civilização e da vida judaica tem sido a centralidade e a pureza da vida familiar. Mas a família não é tanto uma unidade natural, mas um valor que deve ser cultivado e protegido. Os gregos atacaram a família em nome da beleza e de Eros. Os marxistas atacaram a família em nome do progresso. E hoje, a libertação gay a agride em nome da compaixão e da igualdade. Eu entendo por que os gays fariam isso. A vida ​é triste para muitos deles. O que eu não entendi​a era por que judeus ou cristãos se juntariam ao ataque. Eu ​entendo agora. Eles não sabem o que está em jogo. Em jogo está a nossa civilização.

É muito fácil esquecer o que o judaísmo criou e o que os cristãos criaram no Ocidente. Mas ​os que detestam essa civilização nunca esquecem. O corpo docente radical da Universidade de Stanford e os alunos que entoavam “Ei, ei, ei, ​a civilização ocidental tem que ​acabar”, estavam se referindo a muito mais do que o currículo da universidade. E ninguém está cantando essa música com mais força do que aqueles que acreditam e defendem que o comportamento sexual não desempenha um papel na construção ou erosão da civilização. A aceitação da homossexualidade como igual ao amor conjugal heterossexual significa o declínio da civilização ocidental tão certamente quanto a rejeição da homossexualidade e de outro sexo não conjugal tornaram possível a criação dessa civilização.

Sobre os costumes dos povos não-judeus, há o exemplo do historiador, do século V a.C., Heródoto:

“De acordo com o abominável costume babilônico, todas as mulheres locais foram forçadas, pelo menos uma vez na vida, a entrar no templo de Afrodite com as suas sacerdotisas e fazer sexo com homens aleatórios do estrangeiro.”

Копирано от https://www.mila.bg/article/5977673 © www.mila.bg
star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

Pais Adotivos Pedófilos

Investiguei uma quadrilha de pedófilos LGBTQ suburbana. Minha investigação revela detalhes perturbadores sobre o casal ativista gay acusado de sodomizar seus filhos adotivos – agora

Leia Mais »
Psicanálise
Editorial

Transexualismo Elimina as Mulheres

As palavras determinam nossos pensamentos. Ciente disso, o jornalista conservador Michael J. Knowles não abdicou de sua forma de pensar quando intimidado por uma patrocinadora

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *