iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

É psicológica e moralmente errado amar incondicionalmente

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O amor incondicional não é bíblico, nem racional, nem moral.

Você pode citar algo bom que seja ou deva ser oferecido sem condições morais ou éticas?

Pegue o salário, por exemplo: você vê algum problema em continuar a pagar aos funcionários, independentemente de seu desempenho? Em outras palavras, você vê algum problema com salários incondicionais?

A pergunta é retórica.

Se as pessoas acreditarem que receberão o mesmo salário, independentemente de trabalharem bem ou mal, poucas trabalharão arduamente. O fato de um trabalhador poder ser demitido é precisamente o que impede a maioria das pessoas de abrandar.

Além disso, pagar o mesmo salário ao trabalhador preguiçoso e descuidado e ao trabalhador trabalhador e responsável é tão injusto que minaria completamente o moral no local de trabalho.

Agora substitua o salário pelo amor.

Se todos recebessem a mesma quantidade de amor, não importa quão terríveis ou belas sejam suas ações, isso não criaria os mesmos problemas que os salários incondicionais?

Se dermos a todos a mesma quantidade de amor, não importa como se comportem, o que motivaria alguém a se comportar melhor? E isso seria justo? Se pessoas gentis, abnegadas e responsáveis ​​não recebessem mais amor do que narcisistas, assassinos e ladrões, o mundo seria um lugar muito mais injusto do que já é.

O amor incondicional não é mais desejável, nem mais justo e nem mais indutor de bondade do que o salário incondicional. Ainda assim, o que é notável, o amor incondicional se tornou o grande ideal humano e até divino.

Esta é uma evolução recente.

O Google mapeia o uso de palavras e termos em livros em inglês desde o início do século 19 até o presente. Se você olhar seu gráfico para o termo “amor incondicional”, descobrirá que até os anos 1970, o termo quase nunca aparecia nos livros em inglês. E então, de repente, estava em toda parte.

Em outras palavras, quando os Estados Unidos era religioso, ninguém usava o termo “amor incondicional”. Somente quando os Estados Unidos se tornou menos religioso, sua cultura mais secular, o uso do termo disparou. Só isso já deve ajudar a dissipar a noção generalizada de que o amor incondicional é um ideal religioso.

Não é. Em uma vida inteira ensinando judaísmo e agora escrevendo o volume quatro de um comentário bíblico de cinco volumes, nunca me deparei com o conceito de amor incondicional. Na verdade, Deus deixa claro que Seu amor depende de obedecê-lO. Por exemplo, ele diz aos israelitas: “Se vocês Me obedecerem fielmente e guardarem o Meu pacto, vocês serão como Meu tesouro mais precioso”.

Se.

O livro dos Salmos deixa isso ainda mais claro: “(Deus) odeia todos os malfeitores. Você condena os que falam mentiras; homens assassinos e enganadores o Senhor aborrece” (Salmo 5: 6-7). Obviamente, Deus não dá amor incondicional.

Quanto ao cristianismo, muitos cristãos afirmam que o amor incondicional é o ideal ao qual os humanos aspiram. No entanto, não consegui encontrar uma única declaração direta sobre o amor incondicional – divino ou humano – na Bíblia cristã.

Como um pastor e teólogo cristão canadense, George Sinclair, escreveu: “A Bíblia não ensina que Deus ama incondicionalmente ou que você deve amar incondicionalmente.”

Por que os cristãos modernos falam com tanta frequência do amor incondicional de Deus e do amor incondicional como aquilo a que os humanos deveriam aspirar, é um mistério para mim. O próprio fato de que, de acordo com a teologia cristã, apenas aqueles que crêem em Cristo são salvos do inferno, deveria deixar claro que a salvação é condicional.

Alguns cristãos respondem que Deus continua a amar o incrédulo mesmo quando ele desce ao inferno – porque foi o incrédulo, não Deus, que se mandou para o inferno ao rejeitar o amor de Deus por meio de Sua oferta de salvação. No entanto, isso dificilmente argumenta contra o amor condicional de Deus – que o amor (e a salvação por ele motivada) está condicionado à aceitação do ser humano dos termos de Deus.

É verdade que inúmeras pessoas que se desviaram de uma vida justa foram imensamente ajudadas pela crença de que Deus as ama – mas elas devem se arrepender para se beneficiarem desse amor.

O amor incondicional é, em última análise, uma má ideia secular.

Além de minar as razões das pessoas para buscar a excelência e minar o moral do grupo – como vimos no exemplo dos salários incondicionais – há três outras razões pelas quais é uma má ideia.

Primeiro, se as pessoas são amadas, não importa o quão imoralmente elas ajam, o amor se torna a única coisa na vida que está completamente divorciada da moralidade. O amor incondicional torna o amor amoral.

Em segundo lugar, o que é mais importante para você: alguém que o ama porque ama a todos incondicionalmente ou alguém que o ama porque o considera especial?

Terceiro, o amor incondicional geralmente leva a um comportamento pouco amoroso. Se os maridos e as esposas, por exemplo, sabem que receberão a mesma quantidade de amor, não importa como tratem o cônjuge, você acha que isso pode levar os cônjuges a agirem melhor ou pior?

Mas, muitas pessoas responderão, os pais não têm amor incondicional por seus filhos? E não é esse o ideal?

Sim, muitos pais amam seus filhos incondicionalmente – porque é instintivo na maioria das pessoas amar seus filhos. Mas será que esta é uma boa mensagem para transmitir aos seus filhos: “Não importa como você trate seus irmãos ou até mesmo nós, sua mãe e seu pai, sem falar nos membros que não são da família, nós os amaremos da mesma forma”?

E mesmo que o amor dos pais por seus filhos seja incondicional, por que isso deveria ser um modelo de como devemos nos sentir em relação a todas as outras pessoas no planeta? Seus filhos ficariam felizes em saber que você ama a todos tanto quanto os ama? Você deveria? Na verdade, haveria algo psicológica e moralmente errado com um pai que amasse a todos tanto quanto amasse seus filhos.

Sim, os bebês devem receber amor incondicional. O resto de nós deve querer crescer.

Quanto a Deus, nunca acreditei ser o recipiente de amor incondicional Dele, nem o busquei. Eu busco Sua aprovação. Essa é a melhor maneira de viver.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

O Apego ao Velho

Minha esposa e eu somos viciados em programas de reforma. […] Nós […] apimentamos cozinhas, banheiros destruídos e trocamos espaços. Nós os invertemos, os destruimos, os consertamos

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *