iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: .
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
https://twitter.com/MyLordBebo/status/1703899073114189892
O consumo de drogas está ligado à infelicidade.

Você coloca um rato numa gaiola e lhe dá duas garrafas de água.
Uma só com água e a outra misturada ou com heroína ou cocaína.
Se você fizer isso o rato, quase sempre, preferirá a água com droga, e quase sempre se matará bem rápido.
Ná década dos anos 1970, o professor Bruce K. Alexander observou que estamos colocando o rato numa gaiola vazia. Ele não tem nada para fazer exceto usar essas drogas. Vamos tentar algo um pouco diferente.
Então o professor Alexander construiu uma gaiola que ele chamou de “Parque do Rato” que é, basicamente, o “céu dos ratos”.
Eles têm um monte de queijo. Eles têm um monte de bolas coloridas. Eles tem um monte de túneis. Fundamentalmente, eles têm um monte de amigos.
E eles têm ambas as garrafas de água: a água normal e a água com droga.
Mas a coisa fascinante é o seguinte: no Parque do Rato, eles não gostam da água com droga. Eles quase nunca a usam. Eles nunca a usam de forma compulsiva. Nenhum deles nunca teve uma overdose.
Você vai de quase 100% de overdose, quando eles estão isolados, para 0% de overdose quando eles têm vidas felizes e com relações.


Happiness [Felicidade], um filme de Steve Cutts.
Música de Juan J. Ochoa

Do Facebook de Emile Ha:

“Arrepiante é o destino de um rato forçado a encontrar distrações dentro da gaiola em que foi trancado: ele correrá na roda, correrá por túneis, inventará pequenos esconderijos, sem nunca conhecer sua verdadeira natureza.

Arrepiante é o destino de um homem forçado a encontrar realização dentro da gaiola invisível em que vive trancado: ele obterá diplomas, aspirará a prêmios e distinções, comprará um carro novo, sem nunca conhecer a si mesmo.

Horrível é o destino do homem forçado a viver como um rato em uma gaiola: ele se esquecerá de seu potencial, se é que algum dia o conheceu, se entregará a prazeres efêmeros, trancará seu desejo de ser feliz dentro de uma garrafa da qual beberá continuamente, sem jamais alcançar o topo que almeja.

E fingindo ser alegre, permanece, placidamente, no fundo do poço.”

Viktor Frank,l alpinista. Capa do livro “Montanha e Significado”. Imagem: victorfranklamerica.com

“Por meio da escalada, Viktor Frankl reforçou sua força interior, que ele chamava de “rebeldia da mente”. Segundo Frankl, isso o ajudou a superar seu próprio medo de altura e, mais importante, a sobreviver a quatro campos de concentração.

Nas montanhas, o mundialmente famoso psiquiatra Viktor Frankl era “apenas Viktor”, como sua esposa Elly disse. Não um alpinista excepcional, mas um verdadeiro amigo das montanhas, com coração e alma.
Escalando como uma parábola para a vida: somos confrontados com nossos medos, superamos obstáculos externos e internos, treinamos nosso corpo e nossa vontade e aprendemos a confiar absolutamente, em nossas próprias habilidades, mas também nosso parceiro de corda.”

Do livro de V. Frankl, “Montanha e Significado”.

Imagem:
Filip Kominik,
via Unsplash

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

A Lavagem Cerebral do Ambientalismo.

O condicionamento psicológico está ocorrendo de várias maneiras e dentro de diferentes grupos de afinidade para preparar a população norte-americana* para um futuro iminente de

Leia Mais »
Psicanálise
Editorial

O Rosto dos Coletivistas.

Quer o ano seja 1944 ou 2024, nunca se esqueça que uma pessoa comum é capaz de sorrir e aproveitar a vida enquanto participa conscientemente

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *