iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

No tríptico de Hieronymus Bosch, o Jardim das Delícias Terrenas (c. 1504) existem três mundos simultaneamente: harmonia idílica, indulgência humana terrena e inferno caótico. É uma metáfora para o mundo que atualmente herdamos. Tudo está sempre presente, lá para invocar ou despertar, dependendo do design que desejamos decretar. É a escolha da humanidade para qual estrutura ser semelhante. Com pouco horizonte ou movimento na pintura, não há conclusão. Não vai a lugar nenhum, está congelada no tempo. 

A Tragédia da Alegria do Mundo

Por Tony Reinke. Leia o artigo completo no Desiring God.

Em seu livro clássico Mere Christianity, CS Lewis fornece uma visão profunda do mecanismo psicológico que puxa o drama da história. “Tudo o que chamamos de história humana – dinheiro, pobreza, ambição, guerra, prostituição, classes, impérios, escravidão – é a longa e terrível história do homem tentando encontrar algo diferente de Deus que o fará feliz.”

Sim. Ou para dizer isso de maneira ainda mais fundamental: o motivo principal da história é o desejo de felicidade. Pense nisso, desde a escravidão à prostituição, ao racismo, ao terrorismo, à extorsão, ao aborto e à deflagração das guerras mundiais – tudo isso é impulsionado por um desejo de felicidade que exclui Deus.

Para Lewis o problema grave com o ateísmo não é o ateísmo intelectual, que nega a existência de Deus. O verdadeiro problema é o ateísmo afetivo, que acha que Deus é um obstáculo no caminho da alegria pessoal. Esse ateísmo prático é o problema fundamental da humanidade e atormenta os corações de ateus, agnósticos e até deístas professos.

Ateus até o âmago

Esse tipo de câncer no coração só pode trazer consequências sociais maciças. Ao nos afastarmos de Deus, nossa busca pela alegria sem Deus deve acontecer às custas de outros ( Salmo 14: 1–4 ). O problema não é que haja ateus no mundo; o problema é que todos nós nos identificamos universalmente com esse ateísmo no cerne de nossas motivações. Cada um de nós nasce com um desejo distorcido de felicidade, e esse desejo deve custar aos outros.

Então, o que acontece quando buscamos alegria e precisamos usar alguém para consegui-la? Você deve oprimir. Você deve pisar nos calos dos outros. Você deve ferir e ofender. E você fica cara-a-cara e olho-no-olho com outros ateus que buscam felicidade pessoal às suas custas. Você se acostuma. Paradoxalmente, esses desejos nos atraem uns aos outros, tornando o impacto mais difícil ainda, como uma inevitável colisão frontal entre trens de carga.

O homem solteiro que idolatra o sexo está motivado a namorar com essa finalidade. A mulher solteira que idolatra a atenção dos homens para subsidiar seu senso de autoestima também está motivada a namorar. Quando eles se encontrarem, eles se usarão para seus próprios fins egoístas. Custará a um homem a lisonja, custará à mulher o seu corpo, mas, no momento, ambos parecem ser um preço pequeno para alimentar seus ídolos pessoais. Até agora tudo parece pacífico.

Mas essa alimentação de ídolos não se sustenta. Mais cedo ou mais tarde, os olhos do homem são atraídos para outros corpos de outras mulheres e se afastarão da mulher que se senta à mesa com ele agora. A bajulação acabará se revelando uma farsa, e será exposto que o corpo da mulher foi apenas um objeto da luxúria de um homem. Se você olhar mais fundo do que a superfície, encontrará nesse relacionamento dois pecadores isolados, ateus cujas afeições estão desconectadas de Deus e que estão usando um ao outro para preencher a lacuna. Isso terminará em guerra.

Clube de luta

Explorar um ao outro pela felicidade pessoal, por mais sutil que pareça, no final, leva a um conflito pessoal cruel em todas as nossas vidas. Tiago 4: 1–12 nos ajuda a entender por que isso acontece, perguntando à queima-roupa: O que causa brigas e discussões em nossas vidas? O que alimenta as chamas da raiva, amargura e ira que vocês sentes em seus corações?

A resposta não é complicada. Nós guerreamos uns contra os outros porque nossas paixões agarram e clamam por alegrias sem Deus. Desejamos os prazeres que pensamos que nos trarão felicidade, mas não conseguimos ter esses desejos. Então nós matamos. Nós cobiçamos e idolatramos o prazer que achamos que satisfará nossa alma: sexo, poder, riqueza, fama, você escolhe, mas nós não os conseguimos, eles permanecem esquivos de nossas garras e, assim, nós nos matamos uns aos outros. Nós usamos. Nós somos usados. Nós cobiçamos. Nós nos tornamos inimigos uns dos outros. Nós nos tornamos inimigos de Deus. Rejeitamos os abundantes suprimentos que Deus nos oferece para satisfação pessoal. Bem-vindo ao clube da luta.

O puritano Richard Sibbes explica a razão simples pela qual tudo isso se aplica: “Antes que o coração mude, nosso julgamento estás depravado em relação ao nosso fim último; buscamos nossa felicidade onde ela não pode ser encontrada. ”Em nossas vidas, esse é a trágico raiz do problema por trás dos conflitos. Estamos cegos para o que trará aos nossos corações a satisfação que ele anseia. Não conseguimos ver a beleza de Deus nem desfrutar dos prazeres de Deus, então procuramos substitui-lo pelos prazeres da carne. Nossos corações estão tão invertidos ​​que estão mortos. Acabamos perseguindo o lado errado do lado errado.

Mas todos nós perseguimos algo. Esse é o ponto de Lewis.

Então, o que é um “fim último”? Qual é o meu “fim último”? O puritano Richard Baxter explica. Nosso fim último fim é o nosso prazer, nosso tesouro, nosso bem principal, o que usamos para obter tudo o mais em nossas vidas. Nosso “fim último” é o que consideramos ser a melhor coisa do mundo para nós, o que buscamos fundamentalmente na vida, o que pensamos nos deixaria completamente felizes ao ter, o que nos tornaria os piores infelizes ao perder. Pode ser sexo ou atenção ou poder ou fama ou riqueza: cada um desses fins finais expõe o ateísmo concreto de nossos corações. Portanto, Baxter explica: “a parte principal da corrupção do homem em seu estado natural depravado consiste em um bem principal errado, um tesouro errado, uma segurança errada”.

Nenhuma pergunta de diagnóstico se aprofunda em nós: qual é a única coisa sem a qual não consigo viver?

Na raiz, o pecado não é uma ação errada, é uma adoração errada. O pecado é fascinar nossos corações com qualquer tesouro ou segurança que substitua o tesouro e a segurança que só conseguimos encontrar em Deus.

Ídolos

Por sermos todos ateus no sentido raiz (cegos aos abundantes prazeres de Deus), nossos olhos são facilmente levados de um ídolo para outro em uma perseguição ao adultério espiritual. Calvino explica: “Os adúlteros, por seus olhares errantes, geram as chamas da luxúria e, assim, incendeiam seus corações” ( Ez 6: 9 ). É assim que o coração funciona. Ao ignorar o Deus invisível, colocamos nossos olhos em uma busca pelo que quer que vemos neste mundo visível. O que vemos ao nosso redor, caçamos, e o que caçamos, inflama ainda mais a luxúria em nosso coração pelo que vemos.

Isso explica por que os ídolos assumem tantas formas diferentes em cada século ou cultura. Às vezes, um ídolo é uma árvore esculpida em um lagarto, ouro moldado em um bezerro, marfim em um ídolo doméstico ou uma capa de revista impressa com um modelo retocado digitalmente. Como um alpinista, nossos olhos olham em volta para encontrar o próximo ponto de apoio que está ao nosso alcance, cada novo apoio inflamando ainda mais a luxúria em nosso coração e nos impulsionando para o cume da satisfação sem Deus a que somos atraídos a perseguir, mas que nunca realmente será encontrado. A subida é inútil porque o fim nunca chega. O objetivo estava errado desde o começo, era a montanha errada. E o tempo todo, a cada passo, estamos apenas aumentando a altura da qual eventualmente cairemos.

Aqui encontramos o ciclo interminável do pecado. Em última análise, é a morte e a cegueira, procurando por alegrias mundanas que acabam sendo fúteis e levam apenas a desesperos mais profundos em busca de novas promessas de realização em novas formas de expressão sexual ou em mais dinheiro ou em novos acessórios.

Totalmente Depravado

“Se eu quiser escapar da minha perdição, Deus deve se tornar meu maior tesouro.”TweetCompartilhar no Facebook

Essa sofreguidão de uma alma morta por satisfação nos prazeres da carne, onde o prazer duradouro não se encontra, é o que os calvinistas chamam de depravação total, a primeira letra do acrônimo TULIP. Essa definição foi percebida nas Escrituras pelo próprio Calvino e muitos outros antes, e desde os puritanos, princetonianos e Calvinistas hoje. Como John Piper diz: “A depravação total não é apenas maldade, mas cegueira à beleza e morte à alegria”.

Não estamos todos destinados a ser Adolf Hitlers, lançando uma opressão sufocante. Para a maioria, nossos poderes são muito pequenos para alimentar os prazeres egocêntricos que podemos espremer de uma nação. O grau de expressão da depravação varia para cada um de nós. Em muitos casos, essa depravação nos afetos leva mais a pensamentos e sonhos desordenados do que ao comportamento real. A escala de devastação difere, mas nossos corações são os mesmos.

Uma coisa é ser ruim; outra coisa totalmente diferente é estar cego para o bem. Todos nós sentimos isso. Essa é a essência da depravação total – é o que torna a depravação tão holisticamente total – não conseguimos começar a imaginar como pode-se encontrar algum sentimento real de prazer ou alegria em Deus!

Novamente, voltando aos antigos puritanos, que entendiam como a depravação funciona. Eles diziam que é ter afeições no coração que estão “viciadas”, uma maneira misteriosa de dizer que as afeições estão realmente estragadas. A depravação deteriora o coração do que ele foi criado para ser e fazer. É o homem sedento bebendo água salgada. O coração natural deseja apenas o que desonra a Deus e, por fim, acaba por se destruir.

A maior tristeza do pecador é que “ele não consegue satisfazer sua vontade perversa ou suas afeições carnais”. Quando o mundo natural não consegue oferecer mais prazeres, persegue-se o antinatural ( Rom 1: 18–32 ). Seus desejos são insaciáveis, e seus desejos pecaminosos nunca se satisfazem.

Assim, a realidade da depravação total nos deixa aqui. Nós amamos o que nos destrói; somos cegos para o que nos satisfaz. A depravação total é o estrago total dos afetos da alma. É cegueira total à beleza de Deus. É total resistência à alegria em Deus. É a essência de todo pecado.

Prazeres culpados

A verdadeira tragédia é que é tudo uma questão de preferência. “Os homens preferem doçuras carnais antes da comunhão com Deus”, escreve William Bates sobre a depravação. Falar bobagem não é insignificante. Ser totalmente depravado não é ser uma vítima inocente do pecado. E não é apenas esquecer Deus, um problema corrigido pelos alarmes do iPhone ou pela frequência semanal da igreja. A depravação é uma ignorância volitiva, intencional e rebelde de Deus, e, como tal, merece o julgamento de Deus. Apreciar os prazeres da carne em detrimento dos prazeres de Deus é “um pecado de culpa surpreendente, e não menos odioso para Deus, e condenatória em sua natureza”.

Agarrar um punhado de prazer carnal “é a morte” ( Rom 8: 6 ). E há apenas um remédio para essa depravação sem esperança. Em vez de perseguir as orientações naturais de nossa carne, devemos perseguir a promessa de alegria eterna em comunhão com Deus ( Hb 11: 24–26 ).

O pecado é uma alegria envenenada. A santidade é alegria adiada e perseguida. Se eu quiser escapar da minha perdição, Deus deve se tornar meu maior tesouro.

E agora?

“Os calvinistas ao longo dos séculos sabem que, para encontrar alegria, alguém deve bater no meu coração e arrebatar meus afetos.”TweetCompartilhar no Facebook

É aí que a trama para. Por enquanto, devemos simplesmente reconhecer que o ateísmo pragmático é areia movediça. Todos devemos ter felicidade. E para os pecadores, escolhemos o pecado em detrimento de Deus. A depravação total é esse desamparo desesperado.

No entanto, “O Senhor não fala sobre o seu pecado para que você pense que você é lixo”, escreve um calvinista moderno. “Ele fala sobre isso justamente porque você não é. Ele fala sobre isso porque ele criou você à sua imagem, com um plano infinitamente superior e mais brilhante para você do que o que você escolheu para si próprio.

Esta é a reviravolta na trama. Deus revela a depravação para vergar aqueles que ele está levando à verdadeira alegria. Mas, à luz da tragédia humana chamada depravação total, um plano tão brilhante parece um tanto quanto impossível, além de ser algum tipo de violação divina audaz em meus objetivos. Se for para eu viver, algo ou alguém deve me anular. Alguém deve me vergar.

Os calvinistas, ao longo dos séculos, sabem que, para encontrar alegria, alguém deve espancar meu coração e arrebatar meus afetos. Alguém deve desviar meu olhar dos ídolos e me dominar com uma beleza maior.


Fontes: CS Lewis, Mero Cristianismo (HarperCollins: 2001), 49. Richard Sibbes, As Obras Completas de Richard Sibbes (Edimburgo: 1862), 1: 181. Richard Baxter, Os Trabalhos Práticos do Rev. Richard Baxter (Londres: 1830), 7:39. John Calvin, Comentário sobre os primeiros vinte capítulos do livro do profeta Ezequiel (Edimburgo: 1849), 231. Ralph Erskine, Os trabalhos práticos do reverendo Ralph Erskine (Glasgow: 1777), 1: 390. George Swinnock, As obras de George Swinnock (1868), 4: 486. William Bates, As Obras Inteiras do Rev. William Bates (Harrisonburg, VA: 1990), 2: 221, 2: 258. D. Clair Davis, “Salvação Pessoal”, em O Calvinista Prático: Uma Introdução à Herança Presbiteriana e Reformada Em Honra ao Dr. D. Clair Davis , Peter A. Lillback, ed. (Mentor, 2002), 28.Tony Reinke ( @tonyreinke ) é escritor sênior de Desiring God e autor de Competing Spectacles (2019), 12 maneiras pelas quais seu telefone está mudando você (2017), John Newton na vida cristã (2015) e Lit! Um Guia Cristão de Leitura de Livros (2011). Ele hospeda o podcast Ask Pastor John e vive nas Twin Cities com sua esposa e três filhos.

Fonte:

Permaculture

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Coronavírus (COVID-19)

O Vírus Chinês Abala a Saúde Mental

Médico psiquiatra, professor titular do departamento de psiquiatria da Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, o professor Jair de Jesus Mari ministrou

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *