iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Mulheres e meninas estão sendo sugadas para o setor de mudança de sexo por clínicas imprudentes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Neil Munro. Leia o artigo completo no Breitbart.

A declaração é do gay Andrew Sullivan, um dos precursoes da campanha de casamento gay. Ele rompeu com o movimento transexual depois que se encontrou com um grupo de mulheres que abandonaram suas afirmações adolescentes de serem transexuais. Ele escreveu :

Segundo seus próprios relatos, elas foram inflexivelmente trans na adolescência. “Eu era o tipo de aluna que tentava demitir um professor porque ele não permitia que eu usasse, para se referir a mim, o pronome  eles em meus trabalhos … Ameaçava meus pais e amigos de suicídio. Tornou-se parte da minha identidade ser suicida. Eu gritava com meus pais sobre isso, mesmo sabendo que não ia me matar. Uma pessoa usou os pronomes xe e xer e ficava furiosa se errassem a forma de tratamento dirigida a ela. Depois de fazer a transição, e se sentirem infelizes apesar disso, acharam que isso também fazia parte de ser transexual. Uma falou sobre “a fome de sofrer”. Outra falou sobre “usar sua dor para validar sua própria destruição”.

Muitos gays e lésbicas também vêem a indústria transexual como predando os jovens gays e lésbicas que buscam uma fuga da angústia adolescente. O movimento transexual oferece uma fuga através de mudanças sexuais que são impossíveis – e que também deixam os jovens clinicamente aleijados e socialmente distanciados.

Sullivan alertou que a corrida para “afirmar” as afirmações adolescentes de transexualismo está colocando em risco muitas meninas, incluindo lésbicas:

Com crianças trans, é uma história totalmente diferente. Transição social é uma coisa. Bloqueadores de puberdade não indicados e hormônios irreversíveis e cirurgias são outra completamente diferente. E isso é soma zero. Todas as mulheres com quem falei, que agora fizeram a detransição, namoram mulheres ou não namoram ninguém. Sua transição baseou-se inteiramente em como elas se sentiam no momento, o que elas agora consideram um sinal falso sobre sua identidade, a longo prazo. O que leva à pergunta: quanto do aumento extraordinário de meninas trans está relacionado ao desconforto de ser lésbica? Qual o papel da homofobia na viabilização da transição?

A maioria da grande mídia segue o roteiro de “transição ou suicídio” ditado por médicos especialistas e pelos principais líderes do movimento transexual. Esse movimento progressista insiste que o governo tem o poder totalitário e o dever de reescrever os desejos sexuais das pessoas  – começando com as regras dos pronomes – porque as mentes “em branco” das pessoas de alguma forma operam independentemente de seus corpos masculinos ou femininos.

A alegação transexual de sexos intercambiáveis ​​é uma ameaça tão fundamental para os adolescentes e a sociedade que Sullivan e vários grupos feministas – WoLF e 4thWaveNow , por exemplo – se vêem temporariamente aliados a uma ampla frente de muitos grupos conservadores e profissionais médicos :

O que precisamos é de um debate aberto sobre o que é melhor para crianças e adolescentes com disforia de gênero. Questionar a ortodoxia atual não é transfóbico, como muitos acusam por reflexo. Ninguém, incluindo pessoas trans, quer fazer a transição de crianças que podem se tornar cis (e geralmente gays e lésbicas). Da mesma forma, não queremos impedir que crianças genuinamente trans tenham tratamento e cuidados. Esse equilíbrio é difícil. Mas, por causa disso, esperar e ver se uma criança ou adolescente disfórico de gênero é realmente trans antes de tomar decisões irreversíveis me parece a decisão certa. Do mesmo modo, deve-se requerer várias sessões de terapia abrangente para os adolescentes antes de darem o salto – em oposição à afirmação rápida e à distribuição de testosterona como se fossem doces. Assim como é essencial a criação de estudos que possam nos dizer, definitivamente, o quão rara ou comum é a detransição, e se os bloqueadores da puberdade e os hormônios do sexo cruzado prejudicam crianças e adolescentes a longo prazo. No momento, estamos efetivamente fazendo experimentos em menores que não podem dar consentimento significativo. E isso por si só deve nos fazer refletir.

Se essa aliança temporária de não progressistas vencer o debate entre os gêneros, os aliados incongruentes imediatamente se dividirão e voltarão a discussões mais antigas sobre aborto, papéis sexuais, famílias e liberdades.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

LGBTQ Processa a Ciência.

Por Walter E. Williams. Leia o artigo completo no Daily Wire. Algumas perguntas para biólogos e profissionais da área médica: se uma pessoa tem cromossomos

Leia Mais »