iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por José Hermosa. Leia o artigo completo no The Bl.

Dois médicos do Serviço de Desenvolvimento de Identidade de Gênero (GIDS) na Inglaterra questionam os procedimentos seguidos pelo sistema de saúde para mudar o gênero das pessoas que procuram seus serviços.

O psicoterapeuta James Caspian trabalha com adultos transexuais há mais de uma década e, ultimamente, tem sido consultado por dezenas de detransicionadores em busca de assistência.

“Toda essa área da medicina transexual está muito pouco pesquisada”, disse ele. “Muitos transexuais parecem ter tido uma experiência muito negativa de ser mulher em um corpo feminino – assédio sexual e até abuso”.

Debbie sofreu abuso sexual quando criança, tornou-se transexual aos 44 anos, e agora, 17 anos depois, reconhece que estava errada e se identifica novamente com o sexo em que nasceu:

“Eu pensei que estava em uma jornada para me tornar uma pessoa diferente … eu me transformaria em outra pessoa e deixaria a mulher traumatizada completamente para trás”.

Anna Hutchinson, da equipe de gestão do GIDS até 2017, expressou preocupação com esse grupo vulnerável:

“Muitos são muito claros que desejam a intervenção médica. As pessoas para quem esse caminho não funcionou, em retrospecto, dirão que o que eles quereriam ter tido era terapia”.

Da mesma forma, o psicoterapeuta Anastassis Spiliadis, que trabalhou no GIDS por quatro anos, disse estar preocupado com o fato de nem sempre haver uma avaliação adequada dos antecedentes de quem relataram disforia de gênero.

“Eu me preocupo com o quanto realmente pode ser explorado por clínicos que acreditam em um modelo de avaliação de três sessões” (a avaliação do GIDS “geralmente compreende de três a seis consultas).

Os números mais recentes do GIDS mostram que 2.590 crianças com disforia de gênero foram encaminhadas no ano passado, em comparação com menos de 100 em 2009.

Por outro lado, Walt Heyer, escritor e palestrante, que durante oito anos quis viver como mulher, lamentou a mudança de sexo e voltou ao gênero com o qual nasceu.

Heyer disse à US Heritage Foundation que a implementação de intervenções hormonais e cirúrgicas radicais para crianças com disforia de gênero é abuso infantil.

Para esse detransicionado, a mudança de sexo também pode ser usada como desculpa para ocultar um abuso.

“É uma maneira de escapar, e é aí que a dissociação entra em cena. Você não quer ser quem você é, então tenta ser outra pessoa e não quer ser quem é porque foi ferido, algo aconteceu com você ”, disse Heyer.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

LGBTQ Processa a Ciência.

Por Walter E. Williams. Leia o artigo completo no Daily Wire. Algumas perguntas para biólogos e profissionais da área médica: se uma pessoa tem cromossomos

Leia Mais »