Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Em português: clique nos 3 pontos horizontais, no canto inferior direito do vídeo. Selecione ‘ABRIR TRANSCRIÇÃO’. Clique sobre o texto, com o botão direito do mouse, na opção ‘TRADUZIR PARA O PORTUGUÊS’.

Desde a Revolução Sexual, as atitudes para com a homossexualidade mudaram drasticamente

– Tudo que as pessoas querem é ser amadas, e se as pessoas odeiam nosso amor, isso é ridículo.

Clubes de gays e lésbicas, Paradas Gay e casamento homossexual: para gays e lésbicas, a luta parece ser vencida. Ser gay é OK. Os que rejeitam os valores dos gays e lésbicas podem esperar rótulos de”preconceito” e “ódio”. A aprovação generalizada da liberdade sexual se estende a todos, exceto, talvez, a um segmento da população: àqueles que querem deixar a homossexualidade e, em vez disso, lutar pela heterossexualidade. Esses homens e mulheres têm sentimentos homossexuais, mas não aceitam a identidade homossexual. Eles acreditam que a homossexualidade não é o que eles realmente são e, em vez disso, procuram uma saída. Mas quem procura essa saída pode contar com reações hostis. Sua decisão de desistir da identidade gay é considerada, muitas vezes, uma traição à comunidade LGBT, o que os coloca na posição de marginais. Alguns deles procuram terapias que os ajudem a fazer a mudança. Mas suas opções são limitadas e às vezes enfrentam resistência pesada. Muitos líderes do movimento gay dizem que este tipo de terapia é perigoso, homofóbico e que, de fato, ninguém pode mudar sua sexualidade.

– Enquanto tivermos esse núcleo de extremistas religiosos calcificados, neste país, nada vai mudar.

– Se alguém me dissesse: “Ah, essa é apenas a sua religião”, então eu diria: “Bom, e se for? Não é da sua conta determinar a validade da minha religião. Como você se atreve? Não é o meu direito?

Alguns até dizem que esse direito deveria ser banido. Mas outros o defendem, dizendo que mudaram, e que todos devem ser livres para escolher seu próprio caminho e decidir quem eles querem amar, mesmo que isso signifique deixar a comunidade gay.

– Um homem com atração pelo mesmo sexo que quer fazer qualquer outra coisa menos mergulhar completamente nesta atração pelo mesmo sexo, é realmente marginalizado pela comunidade “hetero”, se ela não o entende, a comunidade gay é ameaçada por ele e sua atitude pessoal. Não existe realmente um grupo que aceite isso. Esses homens não querem falar publicamente.

Este tópico é um tema quente para os políticos:

– Mas agora eles querem nos dizer que não podemos tomar decisões sobre o que queremos alcançar. Isto está errado. Eles estão infringindo nosso direito da primeira emenda.

Então, quem são essas pessoas que estão no centro direto dessa controvérsia? Os que querem deixar a comunidade gay? Como você desenvolve esses sentimentos que não deseja? Por que eles rejeitam uma identidade gay? E a mudança deles é mesmo real?

Esta pequena história acompanha a vida de quatro homens, que encontram a terapia e, agora, dizem que eles encontraram uma natureza heterossexual no íntimo deles.

star-line-clipart-22
Rafael Vidal

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.