iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

responsabilidade e dignidade na contenção das tendências humanas mais destrutivas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Christopher Rufo. Leia o artigo original aqui.

Às seis horas da manhã, alcoólatras, viciados e residentes com doenças mentais de San Donato Val di Comino, Itália, emergem de suas casas e se reúnem – às vezes juntos, mas principalmente sozinhos – nos cafés da praça principal da cidade. Alguns alcoólatras crônicos pedem um café expresso com uma dose de licor, depois sobem em caminhões de serviço e seguem para fazendas e canteiros de obras. Os doentes mentais – que sofrem predominantemente de depressão, transtorno bipolar e esquizofrenia – pedem xícaras de café ou se sentam nas mesas do pátio de mãos vazias, uma indicação de que ficaram sem dinheiro durante o mês.

Meu pai nasceu nesta vila, onde observei esse ritual matutino durante as férias em família nas últimas duas décadas, mas desta vez me impressionou de uma nova maneira. Nos últimos 18 meses,  relatei sobre  falta de moradia, dependência e doenças mentais nas cidades americanas e passei muitas horas com os moradores mais vulneráveis ​​dos Estados Unidos, que, na superfície, lutam com as mesmas aflições que os moradores de San Donato.

De fato, o contraste é profundo. Nas cidades da Costa Oeste, dezenas de milhares de viciados e pessoas com doenças mentais vivem ao ar livre em condições horríveis, e sobrevivem de uma combinação de mendicância, prostituição e crime contra a propriedade, que, por sua vez, cria desordem nas ruas urbanas. Porém, não em San Donato: aqui, os viciados e os doentes mentais estão profundamente integrados à comunidade e mantêm um padrão de vida digno. Suas famílias e parentes cuidam deles e permanecem envolvidos em suas vidas. Quando necessário, o governo municipal oferece emprego de varrer as ruas, e as empresas locais, por vezes, pagam residentes com deficiência mental para servir como  lo spanno, uma ocupação informal que implica caminhar pelas ruas com um alto-falante anunciando produtos recentemente disponíveis no mercado da cidade. A comunidade desempenha um papel em ajudar os mais vulneráveis, não por compulsão ou programas sociais formalizados, mas, em vez disso, pelos valores da auto-ajuda e da responsabilidade da comunidade.

Em San Donato, um homem encontrado dormindo nas ruas sugeriria um escândalo moral. A vila faria a família do morador de rua sentir-se envergonhada, a ponto de prestar apoio financeiro, prático e psicológico. A razão pela qual ninguém dorme nas ruas aqui não é médica ou técnica – é cultural. Apesar das enormes mudanças econômicas e sociais do século passado, os italianos mantiveram uma cultura de família e responsabilidade, que limita estritamente a expressão do comportamento patológico e impõe um padrão de dignidade que incentiva viciados e doentes mentais a participar da sociedade, apesar de sua condição.

É verdade que uma pequena vila como San Donato não pode ser comparada a um ambiente urbano como  San Francisco , mas o deslocamento e a devastação numa vila americana é, sem dúvida, pior do que em suas cidades. A diferença não é apenas uma questão de escala. Alguns podem argumentar que impostos mais altos e programas de bem-estar público mais generosos impedem os italianos de ficarem em situação de rua e desesperados – mas os EUA gastam, na verdade, mais per capita, em serviços sociais, que a Itália, com piores resultados.

As prescrições políticas dominantes, para lidar com o vício e a doença mental, nos EUA, envolvem profissionalização, medicalização e desestigmatização. Apesar das crescentes evidências de fracasso ao longo do último meio século, continuamos a adicionar programas sociais, a tratar o vício como uma doença e a desestigmatizar tudo, desde o consumo de heroína até os moradores de rua. No entanto, os EUA estão mais viciados, mais desesperados e mais desordenados do que nunca. Administradores públicos e acadêmicos tratam a sugestão de que as normas familiares e culturais são fundamentais para resolver a crise do vício e dos sem-teto como ingênuas ou mesmo imorais. Mas San Donato apresenta um caso em que as sociedades tradicionais têm uma compreensão superior dos problemas sociais, com as expectativas culturais desempenhando um papel decisivo na contenção das tendências humanas mais destrutivas.

Muitos anos atrás, um amigo se referiu a San Donato como um  manicomio all’aperto – um hospício ao ar livre. Ele capturou a verdade poética de que todos nos situamos em algum ponto do espectro da irracionalidade humana, e que uma boa sociedade integra o são e o insano em suas instituições culturais em comum. Embora exista uma cultura tradicional de envergonhar, em San Donato, os moradores expressam compaixão pelos viciados e doentes mentais – na verdade vivendo com eles e cuidando deles – enquanto permanecem intolerantes ao comportamento patológico aceito pelos progressistas americanos.

A lição para os americanos: a cultura importa. Se queremos reverter a destruição da vida humana por meio de vícios, doenças mentais, falta de moradia e violência, devemos reimaginar nossas possibilidades morais e culturais e procurar restabelecer laços familiares e comunitários que possam impedir que os mais vulneráveis ​​caiam no abismo. Nenhum médico, pílula ou política pública pode substituir uma sociedade verdadeiramente compassiva – aquela que ama os loucos e os viciados, mas os impede de prejudicar a si e a seus vizinhos.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

LGBTQ Processa a Ciência.

Por Walter E. Williams. Leia o artigo completo no Daily Wire. Algumas perguntas para biólogos e profissionais da área médica: se uma pessoa tem cromossomos

Leia Mais »