Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Ilustração de Mallory Rentsch

Por Stephen Altrogge. Leia o artigo original no Bible study tools.

Li recentemente dois artigos de um conhecido ​escritor cristão que também está intimamente ligado a uma fundação cristã de aconselhamento. Os artigos ​argumentavam,​essencialmente​, que a doença mental era uma construção social criada por médicos e psiquiatras seculares e, portanto, não ​era bíblica. Então, quando uma pessoa está deprimida, el​a está apenas ​sentindo tristeza, e tentar tratá-la medicamente é causar um curto-circuito no poder de Deus. Quando uma pessoa está ansiosa, ela está apenas passando por uma preocupação, e tratá-la medicamente é uma resposta secular a um problema espiritual. Você entendeu a ideia.

A intenção por trás do artigo era boa: o autor estava tentando demonstrar que Jesus é suficiente para todas as facetas da vida. No entanto, acredito que o tratamento de doenças mentais como apenas (ou até mesmo principalmente) um problema espiritual é profundamente anti-bíblico e extremamente doloroso para aqueles que lutam contra doenças mentais.

DEPRAVAÇÃO TOTAL SIGNIFICA REALMENTE  DEPRAVAÇÃO TOTAL

A Bíblia ensina que todo ser humano é totalmente depravado. Isso não significa que toda pessoa é absolutamente tão perversa e má quanto poderia ser. Isso seria uma depravação completa. A depravação total significa simplesmente que o pecado afetou todas as facetas do meu ser, incluindo minha alma e meu corpo. A depravação total significa que nada funciona como Deus originalmente pretendia. Meus desejos espirituais são afetados e distorcidos pelo pecado. Meu intelecto é distorcido e afetado pelo pecado. Acima de tudo (para esta discussão), meu corpo foi afetado e distorcido pelo pecado.

Por que tenho resfriados, dores de cabeça, dores nas costas, indigestão e infecções? Por que você tem enxaquecas e problemas cardíacos, pedras nos rins e glaucoma? Nós passamos por essas coisas porque habitamos corpos que foram marcados e danificados pelo pecado. Paulo falou diretamente sobre isso quando disse:

Portanto, não desanimamos. Embora o nosso eu exterior esteja se desgastando, nosso eu interior está sendo renovado dia a dia. ( 2 Coríntios 4:16 )

Nosso eu exterior está se definhando. Nossos corpos não funcionam corretamente. Eles desmoronam e nos desamparam nos piores momentos. Enquanto vivemos neste mundo caído, vivemos em corpos que estão se definhando.

Em Romanos 8:22 – 23, Paulo escreveu:

Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora.
E não só ela, mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo.

Junto com o resto da criação, aguardamos ansiosamente o dia em que Cristo retornará e receberemos nossos novos corpos redimidos, ressurretos.

Até o dia em que Jesus voltar, vou viver em um corpo que não funciona como Deus originalmente pretendeu. Meu cérebro, que é uma parte central e essencial do meu corpo, não funcionará corretamente. As substâncias químicos ficarão desequilibradas. A serotonina não será adequadamente absorvida. A norepinefrina se distribuiráde forma desigual. As sinapses não se dispararão corretamente. Meu cérebro, assim como todas as outras partes do meu corpo, é propenso a doenças.

Eu argumentaria que, se realmente acreditamos na depravação total,  devemos  aceitar a doença mental como uma categoria bíblica. Se eu acredito que o pecado afetou cada parte do meu corpo, incluindo meu cérebro, então não deveria me surpreender quando meu cérebro não funciona corretamente. Não me surpreende quando fico resfriado; por que eu deveria ficar surpreso se eu tiver uma doença mental? Dizer que a depressão, a ansiedade, o TDAH, o transtorno bipolar e todos os demais transtornos são puramente espirituais é ignorar o fato de que somos corpo e alma.

A doença mental não é algo inventado por psiquiatras seculares. Pelo contrário, é parte integrante da vida no mundo caído e pecaminoso.

DOENÇA MENTAL NA IGREJA

Tratar a doença mental como um distúrbio puramente espiritual é muito aflitivo para quem luta contra a doença mental porque lhes aponta uma solução errada. Há muitos anos lido com a ansiedade física crônica. Regularmente, sinto uma sensação de aperto no peito, falta de ar, surtos de adrenalina e uma sensação doentia na boca do meu estômago. Em raras ocasiões, a ansiedade está ligada a algo que me preocupa, em vez disso, em 90% dos casos, os sintomas físicos que sinto não estão ligados à preocupação. Estou trabalhando no meu computador, não pensando em nada, quando um sentimento de ansiedade de repente desce sobre mim.

Nesses momentos, não precisam me dizer para não me preocupar. Eu não preciso ser instruído a exercer mais fé nas promessas de Deus. Não precisam me dizer para sair dessa. O que eu preciso é de incentivo para perseverar. Precisam me lembrar que, mesmo em meio ao sofrimento, Jesus está próximo. Precisam me lembrar que minha luz e aflições momentâneas estão produzindo um peso eterno de glória. Precisam me incentivar a pressionar Jesus.

E… eu preciso estar conectado a alguém que possa me ajudar a lidar com os aspectos físicos da ansiedade.

Eis aqui a infeliz realidade: mesmo que meu pensamento seja bíblico, cheio de fé e honre a Deus, meus sintomas físicos de ansiedade provavelmente não desaparecerão. Por quê? Porque, na maioria das vezes, o problema é basicamente físico. Algo não está funcionando corretamente no meu cérebro, o que, por sua vez, faz com que eu sinta os sintomas físicos da ansiedade.

Ao nos relacionarmos com cristãos que sofrem de ansiedade, depressão, TEPT ou qualquer outra forma de doença mental, precisamos tratá-los como pessoas inteiras. Precisamos tratar as pessoas como corpo e alma. Eles precisam exercer fé nas maravilhosas promessas de Deus? Com certeza. Mas eles também precisam lidar com os aspectos físicos da doença mental. Os médicos são um presente maravilhoso de Deus que pode oferecer ajuda àqueles que lutam contra doenças mentais.

Precisamos colocar a doença mental na mesma categoria que qualquer outra forma de doença. Quando uma pessoa sente enxaquecas crônicas, certamente será tentada a duvidar da bondade de Deus. Podemos servi-las exortando-as que Deus é bom e que ele cuida delas. Mas também podemos atendê-las levando-as aos melhores especialistas do país em enxaqueca.

Se vamos cuidar efetivamente dos irmãos cristãos que lutam contra a doença mental, precisamos reconhecer que a doença mental é uma coisa real. Nós não somos apenas almas. Pelo contrário, somos uma composição complexa de alma e corpo. Tenhamos certeza de que abordamos a alma e o corpo.


Stephen Altrogge serve como pastor na Sovereign Grace Church . Saiba mais no The Blazing Center .

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.