iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Neil Munro. Leia o artigo completo no Breitart.

Por que tantos progressistas argumentam que o sexo biológico não existe” é o título do artigo do jornalista científico Jesse Singal. Ele diz que os transexuais negam a ciência:

“Sua visão de que [é que] as pessoas trans não devem apenas ser  tratadas como  membros de seu sexo e gênero, mas são, de alguma forma essencial que não tolera nenhuma exceção. Então, eles estão lutando contra essa crença com negação científica”.

Parte do que está acontecendo é que alguns advogados e jornalistas simpatizantes esperam dispersar, eliminando o conceito de sexo biológico, certos conflitos de direitos que eles preferem que não sejam tratados como tal. Estou usando o termo dissolver intencionalmente aqui. Solucionar um conflito é reconhecer que ele existe e falar sobre as alegações de cada lado e chegar a algum tipo de acordo que pessoas o suficiente vêem como legítimo, de forma que a maioria siga em frente. Mas, no momento, é praticamente proibido, dentro do progressivismo, reconhecer que quaisquer alegações de direitos trans podem causar conflitos de direitos. Um ótimo exemplo disso ocorreu quando o Guardian […]reconheceu os casos em que as reivindicações de direitos das mulheres trans podem entrar em conflito com as mulheres cisgênero. Em resposta, um grupo de jornalistas americanos da publicação escreveu que estava  consternado que seus colegas tivessem apresentado as coisas dessa maneira , mas sem realmente abordar os argumentos.

A estratégia que muitos ativistas e jornalistas estão adotando, seja assumindo que alguém com alguma dúvida sobre isso seja intolerante ou fingir que sexo biológico não significa nada ou é complicado demais para ser útil, é, novamente, um beco sem saída. É o negação da ciência voltada para o ataque a uma alegação – “Pode haver algumas situações em que o sexo biológico deve ser visto como mais importante que a identidade de gênero” – que muitos progressistas vêem como profundamente ameaçador à sua visão de que pessoas trans não devem ser apenas tratadas como  membros de sexo e gênero, mas  são, de  alguma maneira essencial que não aceita exceções. Então, eles estão lutando contra essa crença com a negação da ciência. Isso é o que é isso.

Singal é um progressista que teve que evitar críticas extremas de uma bateria de escritores e ativistas transexuais  por tentar cobrir o assunto de maneira justa. Outro artigo dele publicado no CONIPSI é Panorama sobre Crianças Trans.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *