iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Artigo de um psicanalista no Jornal da Associação Americana de Psicologia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Sobre ter Branquitude. é um paper que a respeitada revista acadêmica  Journal of the American Psychoanalytic Association publicou em maio de 2021.

Resumo do paper Sobre Ter Branquitude

A branquitude é uma condição que primeiro se adquire e depois se tem– uma condição maligna, semelhante a um parasita, à qual as pessoas “brancas” têm uma suscetibilidade particular. A condição é fundacional, gerando modos característicos de se estar em seu corpo, em sua mente e em seu mundo. A branquitude parasita torna vorazes, insaciáveis ​​e perversos os apetites de seus hospedeiros. Esses apetites deformados miram, particularmente, os povos não-brancos. Uma vez estabelecidos, esses apetites são quase impossíveis de se eliminar. O tratamento eficaz consiste em uma combinação de intervenções psíquicas e sócio-históricas. Essas intervenções podem visar, razoavelmente, apenas remodelar os apetites infiltrados da branquitude: reduzir sua intensidade, redistribuir seus objetivos e, ocasionalmente, voltar esses objetivos para o trabalho de reparação. Quando lembrados e representados, os estragos causados ​​pela condição crônica podem funcionar como ou advertência (“nunca mais”) ou como tentação (“ótimo novamente”). A memorialização por si só, portanto, não é garantia contra a regressão. Ainda não existe uma cura definitiva.

Biblioteca Nacional de Medicina

O autor, Dr. Donald J. Moss, ensina psicanálise no Instituto Psicanalítico de Nova York e no Centro de Psicanálise de São Francisco. 

Em fevereiro, no Centro de Estudos Psicanalíticos Modernos, Moss ministrou um curso com as mesmas idéias do artigo. Os ingressos custavam US$ 40. O folheto sobre o curso diz que os ‘objetivos de aprendizagem’ incluíam ensinar aos participantes como “explicar o conceito de identidade racial interna” e “identificar obstáculos para os médicos trabalharem efetivamente com questões de raça no relacionamento terapêutico”.

Ele também ensinou esse mesmo curso em uma apresentação no Instituto Psicanalítico de Nova York. Nesse esboço do curso, Moss escreveu que a brancura é “maligna porque se espalha/metástase, visando uma esfera cada vez maior de objetos”. “É parasitária porque é contagiosa, transmitida por outras pessoas infectadas. Biologicamente ‘brancos’ têm uma suscetibilidade particular à ‘brancura'”, escreveu ele. “Essa suscetibilidade está fundamentada em representações hierárquicas pré-existentes de eu e objeto – em qualquer representação que organize o eu e o outro em uma relação vertical, poderosa e impotente.” Ele acrescentou: “Para a brancura, a categoria mais perceptivelmente disponível sobre a qual estabelecer relações hierárquicas é ‘cor’. A raça fornece ‘brancura’ seu alvo mais fácil.”

Dr Moss também abordou temas correlatos, como mostra o título do artigo, de 2001:‘Sobre o ódio na primeira pessoa plural: pensando psicanaliticamente sobre racismo, homofobia e misoginia’

Dr Moss e Dra . Aruna Khilanani. Ela disse em uma palestra em Yale que havia “fantasiado” atirar em brancos que “atrapalhem seu caminho”.

Genocidal maniac (and jew) Noel Ignatiev played similar word games while he was still alive.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

Quem são os Covidiotas Agora?

Tuíte de James Melville: Os ‘Covidiotas’ estavam certos sobre: ▪️​​ lockdowns▪️ bem-estar das crianças▪️ listas de espera para tratamentos▪️ saúde mental ▪️ resposta da Suécia▪️​​

Leia Mais »
Psicanálise
Editorial

20 Anos de Fraude na Pesquisa de Alzheimer

O neurocientista​ e médico, Matthew Schrag, identificou dezenas imagens de dados aparentemente alteradas ou duplicadas​. Sua descoberta ameaça um dos estudos de Alzheimer mais citados deste século e

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.