iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Mate o pensamento livre manipulando por meio do medo, confusão mental e isolamento

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: Randolph Jason.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A psicose de massa pode ser definida como “uma epidemia de loucura” que ocorre quando uma “grande parte da sociedade perde o contato com a realidade e cai em delírios”.

Um exemplo histórico clássico de psicose em massa é a caça às bruxas que ocorreu nas Américas e na Europa durante os séculos XVI e XVII, quando dezenas de milhares de pessoas, principalmente mulheres, foram torturadas, afogadas e queimadas vivas em fogueiras. A ascensão do totalitarismo no século XX é um exemplo mais recente de psicose em massa.

O pior inimigo do homem

Conforme observado no vídeo:

“As massas nunca tiveram sede da verdade. Eles se afastam de evidências que não são do seu gosto, preferindo deificar o erro, se o erro as seduzir. Quem quer que possa lhes fornecer ilusões é facilmente seu senhor; quem tenta destruir suas ilusões é sempre sua vítima.”

Essa é uma citação atribuída a Gustave Le Bon, um psicólogo social francês conhecido por seu estudo de multidões. Seu livro , “A Multidão: Um Estudo da Mente Popular”, faz um mergulho profundo nas características das multidões humanas e como, quando reunidas em grupos, as pessoas tendem a renunciar à deliberação consciente em favor da ação inconsciente da multidão.

Da mesma forma, o psicólogo Carl Jung afirmou uma vez:

“Não é fome, nem terremotos, nem micróbios, nem câncer, mas o próprio homem que é o maior perigo do homem para o homem, pela simples razão de que não há proteção adequada contra epidemias psíquicas, que são infinitamente mais devastadoras do que as piores das naturais catástrofes.”

Quando uma sociedade enlouquece, os resultados são sempre devastadores. Jung, que estudou psicoses de massa, escreveu que os indivíduos que compõem a sociedade afetada “tornam-se moral e espiritualmente inferiores”. Eles se tornam “irracionais, irresponsáveis, emocionais, erráticos e não confiáveis”.

Pior de tudo, uma turba psicótica se envolverá em atrocidades que qualquer indivíduo solitário do grupo normalmente nunca consideraria. No entanto, apesar de tudo, os afetados permanecem inconscientes de sua condição e não conseguem reconhecer o erro em seus caminhos.

O que causa psicose em massa?

Para entender como uma sociedade inteira pode ser levada à loucura, você deve primeiro entender o que leva qualquer indivíduo à loucura. Excluindo o abuso de drogas ou álcool, ou uma lesão cerebral, a psicose é normalmente desencadeada por fatores psicogênicos, ou seja, influências que se originam na mente.

Um dos fatores psicogênicos mais comuns que podem desencadear a psicose é uma inundação de emoções negativas, como medo ou ansiedade, que leva a pessoa a um estado de pânico. Quando em pânico, a inclinação natural é buscar alívio. Um indivíduo psicologicamente resiliente pode se adaptar enfrentando seu medo e, por fim, derrotando-o.

Outro mecanismo de enfrentamento é um surto psicótico. Conforme explicado no vídeo, um surto psicótico não é a descida ao caos, mas sim uma reordenação do mundo experiencial de uma pessoa de uma forma que mistura fato e ficção, realidade e ilusões, de tal forma que um senso de controle é restaurado e pânico termina. As etapas psicogênicas que levam à loucura podem ser resumidas da seguinte forma:

  1. Fase de pânico : aqui, o indivíduo começa a perceber o mundo ao seu redor de uma forma diferente e fica assustado com isso. Existe uma ameaça percebida, seja real, fabricada ou imaginária. A confusão aumenta à medida que ele não consegue encontrar uma maneira de explicar racionalmente as estranhas ocorrências que acontecem ao seu redor.
  2. Fase de percepção psicótica : aqui, o indivíduo consegue explicar sua experiência anormal do mundo inventando uma forma ilógica, mas mágica, de ver a realidade. O termo “insight” é usado, porque o pensamento mágico permite que o indivíduo escape do pânico e encontre o significado novamente. No entanto, o insight é psicótico, porque se baseia em delírios.

Assim como um indivíduo psicologicamente fraco e vulnerável pode ser levado à loucura, grandes grupos de pessoas fracas e vulneráveis ​​podem cair na loucura e no pensamento mágico.

Totalitarismo é uma sociedade construída sobre ilusões

No século 20, vimos um aumento do totalitarismo, definido pelo professor e estudioso de estudos religiosos Arthur Versluis como:

“O fenômeno moderno do poder do estado centralizado total junto com a obliteração dos direitos humanos individuais: No estado totalizado, existem aqueles que estão no poder e existem as massas objetificadas, as vítimas.”

Em uma sociedade totalitária, existem duas classes: os governantes e os governados, e ambos os grupos passam por uma transformação patológica. Os governantes são elevados a um status de deuses, onde não podem cometer erros – uma visão que facilmente leva à corrupção e ao comportamento antiético – enquanto os governados são transformados em sujeitos dependentes, o que leva à regressão psicológica.

Joost Meerloo, autor de “Rape of the Mind”, compara as reações dos cidadãos que vivem em estados totalitários com as dos esquizofrênicos. Tanto governantes quanto governados estão doentes. Ambos vivem em uma névoa delirante, já que toda a sociedade e suas regras são sustentadas pelo pensamento delirante.

Conforme observado no vídeo, apenas as pessoas iludidas regridem a um estado infantil de total submissão, e apenas uma classe dominante iludida acreditará que possui o conhecimento e a sabedoria para controlar a sociedade de cima para baixo. E, apenas uma pessoa iludida acreditará que uma elite faminta de poder governando uma sociedade mentalmente regredida resultará em qualquer coisa, menos sofrimento em massa e falência financeira.

A psicose de massa, que é o totalitarismo, começa dentro da classe dominante, pois os indivíduos dessa classe facilmente encantam-se com delírios que aumentam seu poder. E nenhuma ilusão é maior do que a ilusão de que eles podem e devem – na verdade estão destinados a – controlar e dominar todos os outros.

Quer a mentalidade totalitária assuma a forma de comunismo, fascismo ou tecnocracia, uma elite governante, que sucumbiu às suas próprias ilusões de grandeza, começa a doutrinar as massas em sua própria visão de mundo distorcida. Para realizar essa reorganização da sociedade basta manipular os sentimentos coletivos.

Matando a Mente

Menticídio é um termo que significa “matar a mente” e é uma forma antiga de controlar as massas, ao matar, sistematicamente, o espírito humano e o pensamento livre. É um sistema por meio do qual a elite dominante imprime sua própria cosmovisão delirante na sociedade.

Prepara-se uma sociedade para o menticídio pela semeadura intencional do medo. Uma forma particularmente eficaz de induzir o medo e o pânico que resultam em psicose é desencadear ondas de terror, e não importa se o “terror” em questão é real ou fictício. As ondas da técnica de terror podem ser representadas graficamente como um padrão de onda crescente, onde cada rodada de medo é seguida por uma rodada de calma.

Depois de um curto período de calma, o nível de ameaça é elevado novamente, com cada rodada de fomento do medo sendo mais intensa do que a anterior. Propaganda – notícias falsas e enganosas – são usadas para alquebrar as mentes das massas e, com o tempo, torna-se cada vez mais fácil controlar a todos à medida que a confusão e a ansiedade dão lugar ao pensamento mágico e ao insight psicótico apresentados como soluções pela mídia.

Relatórios contraditórios, recomendações sem sentido e mentiras flagrantes são implantados intencionalmente, pois aumenta a confusão. Quanto mais confusa a população, maior o estado de ansiedade, o que reduz a capacidade da sociedade de enfrentar a crise. À medida que a capacidade de enfrentamento diminui, maiores são as chances de se desenvolver uma psicose em massa.

Conforme observado no vídeo, “A confusão aumenta a suscetibilidade de uma queda nas ilusões do totalitarismo”. Ou, como Meerloo observou em seu livro:

“A lógica pode ser encontrada com a lógica, enquanto a ilógica não. Isso confunde quem pensa direito. A grande mentira e o absurdo repetido monotonamente têm mais um apelo emocional … do que lógica e razão. Enquanto o povo ainda está procurando um contra-argumento razoável para a primeira mentira, os totalitários podem atacá-lo com outra.”

A ascensão da tecnocracia

O que diferencia o totalitarismo moderno dos estados totalitários anteriores é a tecnologia. Os meios para incitar o medo e manipular o pensamento das pessoas nunca foram tão eficientes ou eficazes. Hoje em dia, TV, internet, smartphones e mídias sociais são todos fontes de informação, e está mais fácil do que nunca controlar o fluxo dessas informações.

Os algoritmos filtram automaticamente as vozes da razão e do pensamento racional, suplantando-as com narrativas de medo. As tecnologias modernas também têm qualidades viciantes, portanto, muitas se expõem voluntariamente à lavagem cerebral. Comentando sobre a confiança do homem na tecnologia, Meerloo observa:

“Sem descanso, sem meditação, sem reflexão, sem conversa. Os sentidos estão continuamente sobrecarregados de estímulos. O homem não aprende mais a questionar seu mundo. A tela oferece respostas já feitas ”

Isolamento – Uma ferramenta de indução de psicose em massa

Além do ataque violento ao fomento do medo e da falsa propaganda, a ferramenta definitiva para induzir a psicose é o isolamento. Quando você é privado de interações e discussões sociais regulares, você se torna mais suscetível a delírios por uma série de razões:

  1. Você perde contato com as forças corretivas de exemplos positivos, modelos de pensamento e comportamento racionais. Nem todo mundo é enganado pelas tentativas de lavagem cerebral da elite governante, e essas pessoas podem ajudar a libertar outros de seus delírios. Quando você está isolado, o poder dessas pessoas diminui muito.
  2. Como os animais, o comportamento humano é significativamente mais fácil de manipular quando o indivíduo é mantido isolado. Como a pesquisa com animais descobriu, os reflexos condicionados são mais facilmente desenvolvidos em um laboratório silencioso e isolado, com um mínimo de estímulos que desviem da doutrinação.

Quando você quer domar um animal selvagem, deve isolar o animal e repetir pacientemente um determinado estímulo até obter a resposta desejada. Os humanos podem ser condicionados da mesma maneira. Sozinha, confusa e golpeada por ondas de terror, uma sociedade mantida isolada uma da outra desce à loucura enquanto o pensamento racional é obliterado e substituído pelo pensamento mágico.

Uma vez que a sociedade está firmemente dominada pela psicose em massa, os totalitários ficam livres para dar o último e decisivo passo: eles podem oferecer uma saída; um retorno à ordem. O preço é sua liberdade. Você deve ceder o controle de todos os aspectos de sua vida aos governantes, porque, a menos que recebam o controle total, eles não serão capazes de criar a ordem que todos desejam.

Essa ordem, entretanto, é patológica, desprovida de toda a humanidade. Elimina a espontaneidade que traz alegria e criatividade à vida, exigindo conformidade estrita e obediência cega.

E apesar da promessa de segurança, uma sociedade totalitária é inerentemente amedrontadora. Foi construída com base no medo e também é mantida por ele. Portanto, abrir mão de sua liberdade por segurança e uma sensação de ordem só levará a mais do mesmo medo e ansiedade que permitiram aos totalitários obter o controle em primeiro lugar.

Como pode-se reverter a psicose em massa?

O totalitarismo pode ser evitado? E os efeitos da psicose em massa podem ser revertidos? Sim, mas assim como a abordagem menticida é multifacetada, a solução também deve ser. Para ajudar a devolver a sanidade a um mundo insano, primeiro você precisa se centrar e viver de forma a fornecer inspiração para os outros seguirem.

Conforme observado por Jung:

“Não é à toa que nossa época clama pela personalidade redentora, por aquele que pode se emancipar das garras da psicose coletiva e salvar pelo menos a própria alma, que acende um farol de esperança para os outros, proclamando que aqui está pelo menos um homem que conseguiu se libertar da identidade fatal com a psique do grupo.”

Em seguida, você precisa compartilhar e espalhar a verdade, a contra-narrativa da propaganda, o mais longe possível. Como a verdade é sempre mais potente do que as mentiras, o sucesso da propaganda depende da censura da verdade. Outra tática é usar o humor e o ridículo para deslegitimar a elite governante.

Uma estratégia proposta por Vaclav Havel, um dissidente político que se tornou presidente da Tchecoslováquia, é chamada de “estruturas paralelas”. Uma estrutura paralela é qualquer tipo de negócio, organização, tecnologia, movimento ou busca criativa que se encaixa em uma sociedade totalitária, embora esteja moralmente fora dela.

Uma vez que estruturas paralelas suficientes são criadas, nasce uma cultura paralela que funciona como um santuário de sanidade dentro do mundo totalitário. Havel explica essa estratégia em seu livro, “The Power of the Powerless”.

Por último, mas não menos importante, para evitar a queda na loucura totalitária, ações sensatas e racionais devem ser tomadas pelo maior número de pessoas possível. A elite totalitária não fica sentada, de braços cruzados,, esperando e desejando aumentar seu poder e controle. Não. Eles estão ativamente tomando medidas para aumentar sua posição. Para se defender deles, os aspirantes a governados devem ser igualmente ativos e resolutos em seu contra-ataque em direção à liberdade.

Tudo isso pode ser extremamente difícil, pois as pessoas ao seu redor sucumbem à psicose coletiva.

Mas, como Thomas Paine disse uma vez:

“A tirania, como o inferno, não é facilmente conquistada, mas temos esse consolo conosco, que quanto mais difícil é o conflito, mais glorioso é o triunfo.”

data:image/gif;base64,R0lGODlhAQABAAAAACH5BAEKAAEALAAAAAABAAEAAAICTAEAOw==

Mate o pensamento livre manipulando por meio do medo, confusão mental e isolamento


Sugestão de leitura:

The Crowd: A Study of the Popular Mind
By Gustave Le Bon
https://www.files.ethz.ch/isn/125518/1414_LeBon.pdf

Referência:

media.mercola.com/ImageServer/Public/2021/August/PDF/mass-psychosis-pdf.pdf

ou
newsconcerns.com/mass-psychosis-how-to-create-an-epidemic-of-mental-illness/

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Parasita Causa Ansiedade

Milhões de pessoas têm parasitas, que podem influenciar pensamentos, comportamentos, promiscuidade, enfraquecer o sistema imunológico, causar fadiga, problemas intestinais e até distúrbios mentais, mas os

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *