iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Eles abandonaram a profissão em prol de uma pauta, traindo seus clientes.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: Artigo condensado do New English Review.
Autoria do texto: Jon Mills.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. Artigo condensado do New English Review
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O novo plano estratégico da Associação Norte-Americana de Psicologia) APA concentra-se em iniciativas de Diversidade, Equidade e Inclusão (DEI), enfatizando uma mudança em direção a políticas e práticas críticas de justiça social que influenciarão a educação em psicologia e os padrões profissionais em todo o país.

As prioridades orçamentais da APA refletem o seu compromisso com a sua divisão DEI, com foco na equidade, defendendo, assim, resultados iguais, e não oportunidades iguais, para todos. Essa ideologia racial, de género e descolonial é tão desenfreada e corrosiva que a APA emitiu uma declaração de que a contratação baseada no mérito é potencialmente injusta. Em outras palavras, prioriza a diversidade em detrimento da excelência.

O novo plano estratégico da APA baseia-se fortemente na teoria racial crítica e perpetua a noção de racismo sistémico contra indivíduos não-brancos.

Defendendo a equidade, a diversidade e a inclusão como principais prioridades, a APA se tornou uma organização ativista política, não mais preocupada em servir toda a população.

O novo plano estratégico da APA,têm foco nas iniciativas DEI, alinhando-se com os princípios da Justiça Social Crítica (CSJ). Esta mudança ideológica, que dita prioridades, políticas e práticas, corre o risco de minar o seu papel como árbitro imparcial da psicologia, conduzindo potencialmente à discriminação e à divisão.

A atualização do plano estratégico da APA e o Plano de Ação para a Equidade Racial privilegiam sua política de identidade racial Notadamente, o conteúdo visual desses documentos retrata uma gama diversificada de indivíduos, como pessoas com tatuagens, cabelos verdes e hijabs, mas nenhum homem branco de terno e gravata ou um judeu usando kipá. O que é particularmente perturbador é um apelo à “produção de conhecimento” (p. 11) baseada na “justiça epistemológica” (p. 14) sob o chamado disfarce de ciência. Aqui, o conhecimento é baseado na “diversidade epistêmica” que “centra as experiências das pessoas de cor” (p. 11). A partir desta afirmação somos levados a acreditar que o conhecimento é simplesmente a experiência subjetiva de qualquer pessoa que afirma saber algo com base na cor da sua pele e não num critério objetivista de epistemologia em que a ciência se baseia. Portanto, seguindo esta premissa, não importa o que é objetivamente factual ou verdadeiro, metodologicamente sólido, verificável ou falsificável, ou baseado na realidade empírica, desde que a política da APA influencie “a profissão a centrar- bolsas de estudo engajadas na comunidade com consciência racial e promover pesquisas que utilizem metodologias inovadoras e culturalmente informadas (por exemplo, cura indígena, medicina oriental, práticas baseadas na fé)” (p. 11). Embora a fenomenologia pessoal, grupal e cultural desfrute de suas próprias formas de experimentar e conhecer, isso não significa que elas elevem-se automaticamente ao nível de conhecimento objetivo, científico ou universal que, por definição, transcende a especificidade racial ou cultural.

Plano de Ação Para Eqüidade Racial Papel da Psicologia no Desmantelamento do Racismo Sistêmico

Mas o que é mais perturbador é a proposta de doutrinação despertada da formação de psicólogos. Embora a razoabilidade e a conveniência de recrutar populações sub-representadas e expandir a diversidade na psicologia sempre tenham sido um objetivo da profissão, especialmente nos últimos tempos, a visão da APA de “reimaginar o currículo de formação de pós-graduação para promover a justiça epistemológica, centrando diversas perspectivas culturais não ocidentais em programas de formação baseados nos EUA” (p. 14) é um apelo para que os psicólogos se tornem ativistas sociais. Se os psicólogos fossem criados para serem ativistas em vez de terapeutas, isso provocaria o desaparecimento e a legitimidade da profissão, uma vez que os psicólogos se tornariam políticos progressistas e proselitistas morais, em vez de ajudarem o público, independentemente das suas opiniões, atitudes, crenças, origens culturais divergentes, ou cor da pele. Se os clientes que necessitam de ajuda não puderem ter uma garantia razoável de que podem procurar profissionais de saúde mental que não os julgarão com base nas suas visões do mundo, então toda a confiança na profissão irá provavelmente evaporar-se. Aqui a APA prescreve uma fórmula ideológica para o dano.

Impacto em Ação Refletindo no Plano Estratégico e no Progresso, até o Momento, da APA

Quando a histeria racial e a poluição das políticas de identidade se infiltrarem progressivamente nas águas subterrâneas da profissão através da transformação calculada da governação institucional da organização nacional visando uma reorganização da sociedade, isto irá remodelar radicalmente a formação de psicólogos da próxima geração. A ideologia da CSJ infestará previsivelmente currículos de pós-graduação e programas de formação que discriminam grupos não minoritários, incluindo aqueles com pontos de vista conservadores e liberais que promovem a diversidade de pontos de vista, e terão como alvo qualquer pessoa considerada como tendo o chamado privilégio . Já podemos testemunhar esta infestação de políticas de identidade em workshops de formação que concedem créditos de educação continuada (EC) pela APA apoiando apelos anti-sionistas pela libertação da Palestina , para não mencionar que um apoiante do Hamas continua a ser um orador principal convidado numa próxima APA conferência.

www.apa.org/about/apa/strategic-plan/implementation-progress
Impacto em ação: Exemplos do progresso da implementação do plano estratégico da APA.

Só podemos esperar que outras organizações influentes, fartas de uma política tão desperta que mina o ethos liberal do qual a sociedade civil depende, iniciem litígios contra a APA para que esta regresse às suas raízes prudentes baseadas no humanismo igualitário universal. Dado que a APA se tornou uma fossa activista da justiça social, onde toda a sua governação está embriagada com a ilusão do CSJ, deveria perder o seu estatuto de organização sem fins lucrativos do IRS. Todo o Conselho de Administração deve ser polido para que a organização reconstrua sua reputação junto ao público. Qualquer coisa que não seja uma revisão completa irá capitular diante de agendas despertas que servem apenas à regressão cultural baseada em acusações infundadas de injustiça, vitimização e queixas chorosas que perpetuam a divisão e a divisão social, em vez da harmonia e do reconhecimento mútuo entre diversos povos e coletivos sociais que não têm outras escolha a não ser viver, trabalhar e tentar conviver uns com os outros. Concentrar-se na diferença, na identidade do grupo e na cor da pele serve apenas para alimentar a animosidade e dividir ainda mais as pessoas que, de outra forma, seriam capazes de aceitar que não somos todos iguais, apesar de partilharmos identificações colectivas baseadas na empatia, compaixão e bondade para com os outros.

Índice

Jon Mills é um filósofo, psicanalista e psicólogo canadense. Ele é autor de mais de 35 livros em filosofia, psicanálise, psicologia e estudos culturais, incluindo, mais recentemente, End of the World: Civilization and its Fate . Siga-o no X @ProfJonMills

Siga NER no Twitter  @NERIconoclast

Imagem:

Livraria do Congresso,
via Unsplash.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

Jordan Peterson Desagravado

As pessoas riram quando Jordan Peterson disse que as feministas estão do lado do Islã radical porque as elas têm um desejo inconsciente de dominação

Leia Mais »
Psicanálise
Editorial

O Mundo nas Mãos das Universidades

vhttps://twitter.com/MOSSADil/status/1783156429831934238 O Major General Aharon Haliva diz adeus: E desejamos-lhe boa sorte nos seus empreendimentos futuros. O que podemos [não deveríamos] aprender com Aharon: >

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *