iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

O escapismo como ferramenta para entorpecer emoções angustiantes

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: Brady Goodwin.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Nossa cultura normalmente define o escapismo como a desvio intencional da atenção de realidades difíceis. Pode ser tão inócuo quanto um passeio ao ar livre após um dia estressante ou uma noite tranquila com amigos em meio a um período difícil.

No entanto, o escapismo também tem um lado sombrio. Estratégias para entorpecer emoções angustiantes, como tolerância com álcool e pornografia, são uma maneira igualmente comum de lidar com os problemas da vida.

Qualquer que seja sua expressão, o escapismo reflete uma resposta que flui de dentro de nós. No fundo de nossos corações, procuramos escapar do que achamos insuportável. Para alguns de nós, essas escolhas vêm em resposta aos desafios diários da vida. Para outros, é da própria percepção de nós mesmos que fugimos.

É esta última expressão de escapismo – a de um recuo da consciência de nossa vergonha – que quero considerar neste artigo.

Reconhecendo a presença da vergonha

Vários anos atrás, liderei uma reunião de desenvolvimento para a equipe da minha igreja. Reuni um painel de conselheiros cristãos locais para uma discussão sobre seu trabalho, com a esperança de destacar alguns dos problemas comuns presentes em nossa comunidade.

Eu fiz ao painel uma pergunta inicial para começar as coisas. “Qual é o maior problema que você vê em seu aconselhamento hoje?”

Sem hesitar, um conselheiro disse: “Vergonha”. Ele passou a descrever a corrente de vergonha que viu em seu aconselhamento e como esse problema influenciou muitas outras dificuldades na vida daqueles que ele aconselhou.

A observação deste conselheiro se conecta com as experiências de muitos. A vergonha está, em geral, em todos os lugares em que se olha. No entanto, a vergonha como conceito é um descritor muitas vezes ambíguo para os problemas humanos. Como podemos entender a vergonha de uma maneira simples, mas bíblica?

Vergonha como a falsa narrativa de exposição e condenação

A primeira experiência de vergonha seguiu-se à primeira instância de pecado. No jardim, Adão e Eva fizeram a trágica escolha de acreditar na mentira da serpente. No entanto, essa mentira continuou sua influência mesmo após a decisão de pegar a fruta e comer:

“ E ouviram a voz do Senhor Deus andando no jardim pela brisa do dia, e o homem e sua mulher se esconderam da presença do Senhor Deus entre as árvores do jardim” (Gn 3:8). .

 .

Por que eles se esconderam? De acordo com Adão, eles estavam com medo por causa de sua nudez (Gn 3:10). Claro, eles estavam nus antes da queda e “não se envergonhavam” (Gn 2:25). Mas seu pecado trouxe consigo, para eles, a consciência devastadora de sua condição. No entanto, em vez de levá-los a Deus, sua vergonha lhes disse que Ele não era mais o lugar de segurança que havia sido.

O que aconteceu com Adão e Eva? A vergonha deles tornou-se uma narrativa falsa, de exposição e condenação. Embora os dados brutos estivessem tecnicamente corretos (eles estavam, de fato, nus), a interpretação de seu estado tornou-se drasticamente diferente do que havia sido apenas momentos antes.

Embora houvesse consequências para o pecado deles, também havia misericórdia! A vergonha (e o pecado que a causou) não precisava ter a palavra final. Contudo, assim como eles acreditaram na mentira da serpente antes de seu pecado, eles também acreditaram em outra mentira depois. Tragicamente, a vergonha deles serviu de protótipo para todos os que se seguiram.

Escapismo em resposta à vergonha

É essa narrativa contínua, embora falsa, de vergonha que muitas vezes impulsiona o comportamento escapista hoje. Mesmo para ações aparentemente motivadas pela busca do prazer, a vergonha geralmente está logo abaixo da superfície. Embora este não seja um relacionamento ubíquo, está presente o suficiente para merecer uma consideração mais aprofundada.

Por exemplo, considere o homem que luta contra o abuso de álcool depois de ser demitido de seu emprego. O que começou como uma maneira de diminuir o golpe de sua demissão repentina, agora se transformou em um padrão de resposta ao constrangimento e emoções difíceis que continuaram semanas após o evento em si. Como cristão, ele entende que sua identidade está em Cristo, mas tem dificuldades com o que parecem ser lembretes constantes de seus fracassos. Ele reconhece que seus drinks diários são uma maneira doentia de responder à sua aflição, mas é a única estratégia que parece funcionar para lidar com sua vergonha.

Ou considere a mulher solteira que, lamentando sua solidão, relutantemente se envolve nas propostas de um colega de trabalho. Ela entende que, em Cristo, há dignidade em sua solteirice, mas ela vê na atenção de seu colega de trabalho a promessa material de alívio imediato para sua situação. Sua escolha é entre acreditar no que Jesus diz sobre ela (que ela é uma amada co-herdeira do reino de Deus, independentemente de seu status de relacionamento) ou o que sua vergonha sussurra para ela (que ela só é amada quanto faz par com outro).

Por fim, pense no homem lutando contra o envolvimento secreto na pornografia. Até onde ele se lembra, sua dificuldade veio em resposta à rejeição percebida – de seus pais, de possíveis parceiros românticos, de seus amigos. Sua tristeza por essas rejeições se misturou ao desespero, com a única “ajuda” vindo da relativa segurança que seu envolvimento com a pornografia proporciona. É claro que é impossível que essa busca forneça essa segurança – serve apenas para aumentar sua vergonha, reiniciando, assim, o ciclo de escapismo mais uma vez.

Que esperança esses indivíduos têm em resposta à falsa narrativa de vergonha? Para esses exemplos e outros, é apenas a verdadeira narrativa do evangelho que fornece o remédio para o escapismo e a vergonha que o impulsiona.

O Evangelho é a Verdadeira Narrativa de Perdão e Aceitação

Comportamentos escapistas como os mencionados acima normalmente vêem a vergonha e suas manifestações como o principal problema. Isso ajuda a explicar por que eles podem ser tão atraentes (eles oferecem o potencial de alívio imediato da vergonha), mas tão escravizadores (é necessário que se engaje neles, regularmente, para que esse alívio se sustente, mas sempre com efeito decrescente).

Contudo, de acordo com as Escrituras, a vergonha é sintomática. É um problema, com certeza, mas que reflete uma necessidade mais profunda na vida da pessoa. Foi o pecado que produziu a primeira instância de vergonha, e é o pecado que deve ser tratado se quisermos verdadeiramente resolver a vergonha, e o escapismo que a acompanha, na vida de alguém.

Hebreus 12:2 fala daquele que fornece a resposta verdadeira tanto para o pecado quanto para a vergonha:

“Jesus, o fundador e consumador da nossa fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a ignomínia, e está sentado à direita do trono de Deus”.

Jesus suportou a cruz, garantindo o perdão tão desesperadamente necessário em resposta ao pecado. Contudo, Ele também “desprezou a vergonha”, tornando-a ineficaz como explicação narrativa para nossas vidas. Se a vergonha é a falsa narrativa de exposição e condenação, o evangelho é a verdadeira narrativa de perdão e aceitação.

O evangelho fornece a esperança final de que precisamos no que se refere a comportamentos escapistas em resposta à vergonha. Sim, aqueles a quem aconselhamos precisam de estratégias práticas para combater o pecado, mas ainda mais do que isso, eles precisam da certeza de que o sangue de Jesus “fala uma palavra melhor” (Hb 12:24). Só então a falsa narrativa da vergonha será desfeita pela luz da graça de Deus (2 Coríntios 4:6).

Perguntas para reflexão

  1. De que maneiras você vê a falsa narrativa de vergonha presente em sua vida ou na vida daqueles que você aconselha?
  2. Que passagens específicas das Escrituras vêm à mente que ajudam a construir a verdadeira narrativa da esperança do evangelho, conforme descrito neste artigo?

Sobre o autor

Brady Goodwin

Brady Goodwin atua como Pastor de Cuidados e Aconselhamento na Igreja Northway em Dallas, Texas. Ele é graduado pelo Dallas Theological Seminary (Th.M.) e pelo Southern Baptist Theological Seminary (D.Min., Aconselhamento Bíblico). Ele é um membro certificado da Associação de Conselheiros Bíblicos Certificados. Brady mora em Dallas, Texas, com sua esposa, Aimee, e seus três filhos.

Posts recentes de Brady Goodwin:

Imagem:

elifskies, no Pexels.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Parasita Causa Ansiedade

Milhões de pessoas têm parasitas, que podem influenciar pensamentos, comportamentos, promiscuidade, enfraquecer o sistema imunológico, causar fadiga, problemas intestinais e até distúrbios mentais, mas os

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *