iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Amy Furr. Leia o artigo completo no Breitbart.

Amber Luke, 24, que se refere a si própria como Dragão Branco de Olhos Azuis, começou a se modificar aos 16 anos e, desde então, gastou mais de US $ 37.000 em procedimentos que incluem aumento de mama, preenchimento labial, alongamento dos lóbulos das orelhas e bifurcação da língua. Ela também conseguiu implantes auriculares para fazer as orelhas parecerem pontiagudas e mandou fazer grades de prata para seus dentes caninos.

Não era eu. Mas evolui ao longo dos anos para o que eu quero ser e com o que quero parecer, mas, ao dizer isso, ainda tenho um longo caminho a percorrer.

Embora ela espere ter seu corpo inteiro tatuado até março de 2020, Luke disse:

“Não pretendo fazer mais modificações corporais extremas dessa maneira.”

Ela diz não se arrepender de nenhuma tatuagem, nem de ter pintado os olhos, apesar de o procedimento ter sido extremamente doloroso. Ela disse que o artista enfiou a agulha muito fundo na esclera, a camada externa branca do globo ocular, causando uma cegueira de três semanas. A sensação era a de ter cacos de vidro esfregados nos olhos. “Isso foi bastante brutal”, disse ela.

Sua mãe, Vikki, disse que ficou afetada emocionalmente quando a filha lhe dissera que pintara os olhos de azul. Ela comentou:

“Por que você faria isso consigo mesma, sabendo que é perigoso? Como nós pais sabemos, alguns filhos fazem o que querem, independentemente do que dizemos. Mas eu a trouxe ao mundo com as melhores habilidades que eu pude dar, o melhor que eu pude dar a ela; só para eu estar presente e seguir a jornada com ela. E sustentá-la e amá-la. Ela nunca se viu bonita. Ela não se viu por meio dos meus olhos. Mas eu a apoiei porque eu conseguia ver a transição, o crescimento e como isso a fez chegar a quem ela é hoje.”

Os médicos diagnosticaram Luke com grave depressão clínica aos 15 anos. A sua primeira tatuagem foi uma experiência que ela chamou de “liberação de energia negativa”. E conclui:

“Cada um tem sua própria opinião. Cada um sabe o que é beleza aos seus próprios olhos. {Espero] um pouco mais de mente aberta quando se trata de modificação do corpo … na comunidade e no local de trabalho”.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *