iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Dorothy Commings McLean. Leia o artigo completo no lifesitenews.

200 pessoas compareceram à primeira conferência de detransição de gênero do mundo, no dia 30 de novembro, em Manchester, na Inglaterra. Contou com a presença de especialistas em saúde médica e psicológica, além de jovens mulheres que estão “detransicionando” das tentativas de tornarem-se homens.

O evento também marcou o lançamento oficial da Rede de Defesa da Detransição, liderada por Charlie Evans, 28 anos, uma mulher que se identificou como homem por uma década. Evans decidiu fundar o grupo para ajudar as centenas de jovens que ela diz que entraram em contato com ela depois de lamentar suas próprias experiências com tratamentos hormonais e cirurgias. 

Feminista detransicionadora, Max disse que suas tentativas de se tornar homem eram para“escapar da lesbofobia e do assédio masculino”.          

Outra detransicionadora, Kira, disse que era uma “criança inconformista de gênero” (moleca) até que começou a sentir pressão social para se adaptar à feminilidade. Kira começou a terapia hormonal e fez uma dupla mastectomia aos 20 anos. No entanto, ela percebeu que esses tratamentos não eram evidência de auto-aceitação:

“Como posso me amar se estou sacrificando minha saúde geral para mudar todo o meu ser?”

Um dos especialistas foi o Dr. David Bell, psiquiatra do Centro Tavistock de Londres. Ele disse que não acredita que as clínicas de “reatribuição de gênero” realizem exames de acompanhamento de seus pacientes. Ele também observou que o termo “bloqueadores da puberdade” para as drogas poderosas dadas às crianças, para retardar o início da puberdade, é “enganoso”. Bell acredita que os medicamentos provavelmente têm consequências fisiológicas além do atraso da puberdade. “A falta de evidências de longo prazo é o maior problema nesse campo”.

A Dra. Anna Hutchinson, psicóloga clínica, revelou que quase 100% das crianças que tomam drogas para retardar a puberdade passam a tomar hormônios entre sexos. A Dra. Hannah Ryan, pesquisadora de doenças infecciosas, observou que os efeitos dos chamados bloqueadores da puberdade e da terapia de reposição hormonal são de longo prazo; portanto, a coleta de dados a longo prazo após os tratamentos é essencial.

Ryan também afirmou que os profissionais médicos estão sob “imensa pressão” para dar às crianças “angustiadas” com disforia de gênero procedimentos para fazê-las parecer membros do sexo oposto. Bell observou que muitos profissionais médicos estão preocupados em ser chamados de “transfóbicos” ou acusados ​​de “crime de ódio”. Hutchison disse que os profissionais médicos são acusados ​​de “transfobia” apenas por pedir mais pesquisas.

O medo de ser rotulado como “transfóbico” parecia ressoar com o público.  Um psicólogo da platéia expressou preocupação com o ‘modelo somente de afirmação’ que defende a transição social imediata para crianças que questionam o gênero”. 

As mulheres “detransicionadoras” diferiram em seus níveis de arrependimento. Uma criticou o tratamento que havia recebido:

“O que diabos os cirurgiões estão fazendo, chamando isso de mudança de sexo e cuidados de saúde que reafirmam o gênero? Porque meu corpo não está mais saudável ”.

Com 23 anos, ela havia feito dupla mastectomia, histerectomia e uma ooforectomia (remoção de ovários) antes de perceber que nunca seria homem.

“Sinto muito: simplesmente não consigo mais acreditar”, disse ela à platéia.

Um homem também quis que seu testemunho fosse ouvido:

“Eu já tinha 30 anos quando fiquei feliz comigo mesmo. As pessoas fizeram isso com você e permitiram que isso continuasse.

Você diz onde precisamos de uma plataforma a seguir?”, Ele continuou. “Você precisa disso em todos os lugares.”

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *