iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

a universidade perdeu “o senso tradicional de comunidade, missão e propósito moral.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O psicólogo social Jonathan Haidt e Greg Lukianoff, presidente e CEO da Foundation for Individual Rights in Education [Fundação para Direitos Individuais na Educação], descreveram um movimento peculiar nos campi universitários, que chamaram de “proteção vingativa”.

Haidt e Lukianoff citam a professora de direito de Harvard, Jeannie Suk, que escreveu no The New Yorker sobre estudantes de direito exigindo que seus professores nem mesmo ensinassem leis sobre estupro – e em um caso estranho até mesmo que se evitasse usar a palavra “violar” (como em “que viola a lei”) — porque pode causar sofrimento aos alunos. Essa cultura de reação exagerada está sendo institucionalizada, como demonstrado pelas demandas de renúncia dos mestres do Silliman College de Yale, Erika e Nicholas Christakis, por um e-mail supostamente insensível sobre fantasias de Halloween.

Como explicam Haidt e Lukianoff, “a afirmação de que as palavras de alguém são ‘ofensivas’ não é apenas uma expressão dos próprios sentimentos subjetivos de ofensa. É, antes, uma acusação pública de que o orador fez algo objetivamente errado.”

A ideia de “microagressões” – pequenas ações ou escolhas de palavras que parecem não ter intenção maliciosa, mas são vistas como um tipo de violência – distorce a ideia objetiva de ser “ofensivo”, transformando-a em uma acusação subjetiva em nome de alguém que alega estar ofendido. Alguns guias de campus denunciam como microagressão o próprio ato de perguntar a um americano asiático ou latino-americano “Onde você nasceu?” porque isso implica que essa pessoa não é um americano real.

Ross Douthat explicou essa transição:

Entre o século 19 e a década de 1950, a universidade americana foi gradualmente transformada de uma instituição destinada a transmitir conhecimento para uma instituição destinada a servir à tecnocracia. As fundações religiosas foram retiradas, os currículos clássicos substituídos por cursos especializados e os professores passaram da instrução para a pesquisa. Como resultado, a universidade perdeu “o senso tradicional de comunidade, missão e propósito moral.

Quando o “politicamente correto” surgiu na década de 1990, “as devoções de esquerda dominaram o discurso oficial, mas o espírito mais profundo da universidade permaneceu tecnocrático, carreirista e basicamente amoral”. […]

[…] os alunos universitários apresentam a moralidade distorcida da “proteção vingativa” como uma forma de preencher a lacuna moral na universidade. Eles atacam injustiças percebidas, mas com uma moralidade que perpetua a injustiça e destrói a liberdade de investigação.

Platão, Aristóteles e Santo Agostinho argumentaram que o objetivo da educação era desenvolver a consciência de um jovem, de modo que sua compreensão moral se ajustasse à realidade.​ Lewis explica:​

O pequeno animal humano não terá​,​ a princípio​,​ as respostas certas. Deve ser treinado para sentir prazer, gosto, desgosto e ódio pelas coisas que realmente são agradáveis, prazerosas, repugnantes e odiosas.

 Os desejos e paixões instintivos devem ser dominados pela razão e conhecimento da cabeça. A educação clássica procurava melhorar o coração: os sentimentos e paixões que põem o apetite em conformidade com a reta razão.

Lewis afirma que esse elemento espirituoso​espiritual​ pode ser o que nos torna verdadeiramente humanos – “porque por seu intelecto ele é mero espírito e por seu apetite mero animal”.

A educação moderna, ao contrário, ensina os jovens a desmascarar a moralidade e seguir seu próprio curso.​ ​Elevam seus sentimentos de serem vitimizados e ofendidos em reivindicações de poder ilegítimo. Em vez de controlar seus sentimentos e usar suas mentes para entender o que os outros estão dizendo, eles afirmam que essas palavras são agressões e exigem desculpas. A moral abomina o vácuo e, se ​não se ensinar ​as crianças a descobrir o certo e o errado objetivamente, elas criarão seus próprios valores – e, na maioria das vezes, usarão esses valores para alcançar o poder.

Greg Lukianoff e Jonathan Haidt

Imagens:
“We deserve to feel safe”: autor desconhecido, no sites whagerup.wordpress.com e dirtywetdog.co.uk
Greg Lukianoff and Jonathan Haidt, autor desconhecido no site whagerup.wordpress.com.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

Quem são os Covidiotas Agora?

Tuíte de James Melville: Os ‘Covidiotas’ estavam certos sobre: ▪️​​ lockdowns▪️ bem-estar das crianças▪️ listas de espera para tratamentos▪️ saúde mental ▪️ resposta da Suécia▪️​​

Leia Mais »
Psicanálise
Editorial

20 Anos de Fraude na Pesquisa de Alzheimer

O neurocientista​ e médico, Matthew Schrag, identificou dezenas imagens de dados aparentemente alteradas ou duplicadas​. Sua descoberta ameaça um dos estudos de Alzheimer mais citados deste século e

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.