iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

A Psicologia é um meio para atingir seu fim.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

É imperativo entender que os marxistas culturais não cobiçam o poder do Estado como algo em si. Em vez disso, eles desejam comandar o estado para esmagar instituições concorrentes, particularmente a família e a igreja. Para o MC, o Estado é a aplicação coercitiva da “justiça social”.

[email protected] 05/07/2022

C. S. Lewis escreveu A Abolição do Homem para alertar as pessoas sobre os efeitos corrosivos da moralidade subjetiva. 

Lewis argumenta que a moralidade é fundamental para a humanidade. Ele traça os princípios da consciência, o raciocínio por trás de chamar algo de “certo” ou “errado”, em diferentes culturas e religiões.

Lewis diz que qualquer tentativa de construir a moralidade em bases separadas [dessa lei moral universal] falhará.

No entanto, os professores – e especialmente os professores e alunos de  universidades – tentam apresentar novas moralidades, ao que Lewis responde:

 Nunca houve, e nunca haverá, um julgamento de valor radicalmente novo na história do mundo.

O que pretendem ser novos sistemas [de moralidade] consiste em fragmentos da própria [consciência], arbitrariamente arrancados de seu contexto como um todo e depois inchados até a loucura em seu isolamento.


No entanto, mesmo essas “moralidades alternativas” dependem da consciência para dar-lhes validade. A “proteção vingativa”* nos campi universitários pode atropelar a liberdade de expressão ou a busca da verdade, mas o faz em nome da consciência, que adverte as pessoas a não prejudicarem os outros. Essa moralidade não é, estritamente falando, uma nova moral, mas uma forma distorcida da original. Não é amoral ou má, mas distorcida e equivocada.

A “proteção vingativa” minimiza o valor que a moralidade tradicional (e possivelmente a própria consciência) atribui à busca da verdade. Para quase todos os estudiosos que o precederam, a busca da verdade vale a pena ser ofendida ou ter seus sentimentos feridos. Os alunos de hoje parecem discordar.

Visões de justiça fornecem mais evidências de que “proteção vingativa” é uma moralidade distorcida. Em nome da igualdade, a cultura do campus eleva a importância de alguns grupos sobre outros e silencia opiniões divergentes em favor de grupos que são vistos como “desprivilegiados”.

Como chegamos aqui? Lewis explica:

“Nos sistemas mais antigos, tanto o tipo de homem que os professores desejavam produzir quanto seus motivos para produzi-lo eram prescritos pela [consciência] – uma norma à qual os próprios professores estavam sujeitos e da qual eles não reivindicavam liberdade para se afastar”. […]

O sistema mais novo, por outro lado, considera a moralidade flexível e antinatural. De acordo com esse entendimento, “julgamentos de valor devem ser produzidos no aluno como parte do condicionamento”. Os novos professores – a quem Lewis chama de Condicionadores – “sabem como produzir consciência e decidir que tipo de consciência eles vão produzir”.

[…]

Lewis advertiu que, para os Condicionadores, “seu ceticismo sobre valores está na superfície: é para uso nos valores de outras pessoas; sobre os valores correntes em seu próprio conjunto, eles não são céticos o suficiente.” Este duplo padrão chegou aos campi universitários. Como French explica, “a liberdade é útil para colocar as pessoas certas no poder – depois disso, é uma ameaça”.

Sobre “proteção vingativa” leia mais em Microagressões e o Politicamente Correto.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

Quem são os Covidiotas Agora?

Tuíte de James Melville: Os ‘Covidiotas’ estavam certos sobre: ▪️​​ lockdowns▪️ bem-estar das crianças▪️ listas de espera para tratamentos▪️ saúde mental ▪️ resposta da Suécia▪️​​

Leia Mais »
Psicanálise
Editorial

20 Anos de Fraude na Pesquisa de Alzheimer

O neurocientista​ e médico, Matthew Schrag, identificou dezenas imagens de dados aparentemente alteradas ou duplicadas​. Sua descoberta ameaça um dos estudos de Alzheimer mais citados deste século e

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.