iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Jorad Peterson explica a perspectiva psicológica distorcida.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: .
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Trecho

Redes sociais e fetichização do derramamento de sangue

[…]

Uma forma particular de psicopatologia foi bem detalhada nas últimas décadas: uma combinação de maquiavelismo (manipulação instrumental e engano), narcisismo (falsa auto-estima inflada e desejo de atenção e status imerecidos) e psicopatia (uma mistura maligna de propensão criminosa, insensibilidade e parasitismo). Estes são conhecidos coletivamente como a Tríade Negra. Investigadores mais recentes da estrutura das tendências temperamentais mais sombrias consideraram necessário acrescentar uma dimensão extra à matriz: sadismo, o prazer positivo no sofrimento dos outros. Então hoje temos a Tétrade Negra

Os tipos da Tétrade Negra encaixam-se bem no que é conhecido como Cluster B de transtornos de personalidade. Os que manifestam a sintomatologia do Grupo B têm, para além das suas outras tendências psicológica e socialmente perigosas, a tendência para reivindicar virtude positiva ou estatuto de vítima absoluta enquanto perseguem os seus fins totalmente egoístas, grandiosos e destrutivos. Eles mentem, trapaceiam, roubam, fofocam, atacam a reputação, gabam-se, reivindicam crédito quando nada é devido e distribuem a culpa a todos, exceto a si mesmos, ao mesmo tempo em que não buscam nada além de sua própria autogratificação imediata, imatura e hedonista, alardeando sua moral. virtude e/ou brandindo sua identidade como inocentes oprimidos. 

É este comportamento estreito e historicamente condenado ao ostracismo que tem sido incentivado e facilitado na sua distribuição pelas redes sociais contemporâneas. Quando tais indivíduos se organizam, e isto acontece de tempos em tempos, ameaçam a integridade de toda a sociedade em que operam, na esperança de incendiar tudo e dançar, orgiasticamente, nas ruínas. 

Isso aconteceu depois da Revolução Francesa. Aconteceu na Rússia Soviética. Aconteceu na Alemanha nazista. Está acontecendo agora, no ocidente, com o surgimento das causas woke mais dementes.

Esta perspectiva psicológica distorcida tem um apelo a grupos maiores do que apenas os indivíduos centrais, e sob vários disfarces surreais. De que outra forma você explicaria o espetáculo surpreendentemente incompreensível de, por exemplo, ‘Queers pela Palestina’ – talvez o exemplo mais flagrante da união do desejo dos ‘progressistas’ de destruir tudo o que é digno no ocidente, mesmo ao custo de formular uma aliança que seria, num instante, suicida se alguma vez se manifestasse.

[…]

Portanto, esta é uma das formas por meio das quais as redes sociais permitem formas sutis de manipulação psicológica no interior do Ocidente. Mas e quanto a do exterior

Há muitos muçulmanos dispostos a acreditar em narrativas conspiratórias – também divulgadas nas redes sociais – sobre o povo judeu. Muitas destas narrativas, se olharmos para a sua fonte, são divulgadas deliberadamente pelo brutal regime iraniano.

Poderia perguntar aos muçulmanos que aceitam tais histórias: o Irã é a sua ideia de um Estado islâmico digno? O mesmo Irã cujos cidadãos, todos muçulmanos, se revoltaram contra os seus mestres psicopatas durante mais de um ano (e sonharam com isso durante muito mais tempo)? O mesmo Irã cujos líderes hipoteticamente religiosos têm que oprimir as suas próprias mulheres? 

Gostaria também de pedir aos mesmos muçulmanos que considerem os que no ocidente se aliaram à causa dos palestinos desde a invasão do Hamas. Muitos desses universitários e professores radicais que você vê como seus aliados são marxistas. Lembre-se: o inimigo essencial e absoluto da utopia comunista é a própria prática religiosa que partilha com os seus irmãos abraâmicos. 

Depois, há a brigada alfabética cada vez mais delirante da “comunidade” LGBT, tola e cega o suficiente para presumir que a comunalidade da hipotética opressão é suficiente para uni-la, de alguma forma, aos mulás de Teerã e aos gangsters do Hamas. Isto é uma idiotice útil numa escala nunca sonhada pelos mais extremistas leninistas e maoístas. 

Diga-me, honestamente, os dentre vocês que desejam praticar genuinamente sua fé: vocês realmente acham que têm algo em comum com aqueles que, hipoteticamente, ficaram do seu lado no ocidente na semana passada? E diga-me, novamente, como essa aliança é mais adequada à sua fé do que o reconhecimento de sua comunhão abraâmica com os cristãos e os atuais descendentes dos antigos hebreus?

[…]

Peço a todos vocês que estão lendo isto no mundo muçulmano: retirem a venda (como deveríamos, igualmente, no ocidente) e vejam o que está se manifestando tão claramente no mundo: ideologias tóxicas, sejam do Irã ou dos pseudo-marxistas no mundo. […]

Precisamos de um eixo transcendental em torno do qual girar, para nos levar para além de um materialismo cego, para nos proteger contra um populismo tolo e para erguer os nossos olhos para o Céu eterno, acenando acima de nós. No Ocidente, temos isso – apesar de todas as falhas dos seguidores dos credos, e até mesmo, com os próprios credos tal como são atualmente entendidos – na forma do Islã, do Cristianismo e do Judaísmo. Precisamos da nossa fé abraâmica, para que os pagãos hedonistas e coisas piores não prevaleçam, e precisamos permanecer unidos em torno dela. E é por isso que sou pró-muçulmano, mas contra o comportamento violento que vimos na semana passada. E se você é um verdadeiro seguidor de Allah, essa é a decisão que cabe a você, em igual medida. 

E isso vale também para judeus e cristãos.

Ouça o artigo completo aqui
ou leia o artigo completo no Telegraph.co.uk

Imagem:
Angélica O G, via Pexels

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

O Sentido da Vida

We need another great flood. pic.twitter.com/LyE4Ryrmg5 — Ian Miles Cheong (@stillgray) July 8, 2024 – Que tal ser um gato? – Humm…bom, eu sei exatamente

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *