iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Dentro de uma lata, a quilômetros de altura, com passageiros e animais com descontrole em potencial.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Katherine Rodriguez. Leia o artigo completo no Breitbart.

Uma mulher, que sofre de transtorno de estresse pós-traumático, vive com três animais de apoio emocional para ajudá-la a lidar com seu distúrbio.

Os vizinhos de McBride-Teahan reclamaram com a prefeitura quando viram seus macacos do lado de fora de casa. Um deles argumentou:

“É um animal selvagem. O lugar deles é em jardins zoológicos, sabe, ou em seu habitat natural. Eu acredito no estado de direito. Se eles são considerados um animal perigoso e podem carregar algo tão desagradável quanto a hepatite, eles não deveriam estar aqui.”

As autoridades intimaram McBride-Teahan porque a lei diz que “primatas não humanos” são “animais inerentemente perigosos”, como leões e pítons, e não devem ser permitidos em áreas residenciais.

“Eles não são animais perigosos. Eles são treinados. Eles me ajudam. Eu tenho PTSD por causa de algo que aconteceu comigo, uma coisa muito ruim que aconteceu comigo há muito tempo”.

McBride-Teahan disse que tem experiência com macacos, tendo vivido com eles e os treinado, por 20 anos. Uma nota de seu médico diz que os macacos foram prescritos como “animais de apoio emocional”:

“É minha opinião profissional que a presença desses animais é um tratamento necessário para a saúde mental da senhora McBride-Teahan”.

De acordo com a Lei dos Americanos com Deficiências (ADA), os animais de apoio emocional não são como animais de serviço.

Esses animais proporcionam conforto, mas “por não terem sido treinados para realizar um trabalho ou tarefa específica, eles não se qualificam como animais de serviço sob a ADA”, diz uma página do Departamento de Justiça, explicando a declaração da ADA.

A reportagem mostra como é fácil ludibriar as regras para um animal de estimação viajar de graça.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *