iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

A dificuldade em abordar o assunto está na dificuldade do adulto em lidar com o tema.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: ultimato.com.br.
Autoria do texto: Márcia Barbutti.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. ultimato.com.br
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

1. Utilize circunstâncias do cotidiano para descrever o ciclo de vida que podemos observar nas plantas, animais e pessoas – nascimento, crescimento e morte. Enfatize que é um ciclo natural e universal, pois acontece com todos. É também irreversível, o corpo para de funcionar, ou seja, a pessoa não pode mais ver, ouvir, falar, comer, se locomover, sentir firme, medo, dor… e não volta a funcionar. Essa conversa deve vir de forma tranquila e clara, sem forçar a barra.

2. Não adie a conversa quando o assunto aparecer por causa de alguma notícia ou comentário. Verifique o que seu filho já sabe sobre a morte e se algo precisa ser corrigido.  

3. Respeite o nível de compreensão da criança. Observe os estágios do desenvolvimento:

  • 3 – 5 anos: considera a morte temporária, reversível e impessoal. A fantasia com elementos mágicos é misturada à realidade, por isso ela pensa que a pessoa que morreu poderá voltar a viver. Não pensa na própria morte.
  • 6 – 8 anos: entende que a morte é definitiva. Permanece a noção de impessoalidade. Associa a morte à imagens como a de um esqueleto e, comumente, tem pensamentos negativos e pesadelos com essas imagens associativas.
  • 9 anos em diante: começa a compreender que a morte é irreversível e que está sujeita à ela, ou seja, inicia o caráter mais pessoal da morte.

Vale a pena ressaltar que cada criança se desenvolve dentro do seu próprio ritmo, e que as idades apresentadas podem variar.

 4. Trate com clareza as narrativas bíblicas que tratam de personagens que lidaram com a morte. Deixe claro que a morte entrou no mundo por causa da pecado e que esse não é o plano original de Deus. Aproveite para anunciar a boa notícia da salvação e da vida eterna que temos em Cristo, e que Ele venceu a morte (1Co 15.26; 55). A criança precisa entender que a nossa vida não está limitada a esta Terra e que há esperança, pois viveremos no lar que o Senhor está preparando para os seus filhos.

1. Fale de forma objetiva sem usar metáforas, do tipo “ele está dormindo”; “nós perdemos a vovó”; “ela virou anjo”; “eles viraram estrelinhas”, etc.  A criança pequena percebe o mundo de forma literal e essas metáforas podem confundi-la. Fale a verdade, com cuidado, empatia e amor.

  2. De acordo com a idade da criança, apresente informações adequadas. A criança precisa de informações claras, curtas e precisas. Não há necessidade de maiores detalhes, a não ser que a criança faça perguntas específicas.

 3. Incentive a criança a expressar seus sentimentos como tristeza, raiva ou confusão. Estimule-a a desenhar ou escrever e deixe o espaço aberto para ela fazer qualquer tipo de pergunta. Não tente mascarar os sentimentos ou menosprezar a dor da criança. Entenda que ela pode expressar seus sentimentos de várias formas, como retração, impaciência, medos, explosões, alterações de apetite, sono e vigor, etc. Em alguns casos, a criança volta a falar e agir como se fosse bem mais nova. Essas reações são normais, porém não devem persistir por muito tempo. Caso isso ocorra, procure ajuda profissional.

 4. Ajude seu filho a fazer um caderno de recordações ou caixinha com fotos, objetos, frases, relatos sobre a pessoa amada que morreu. Dessa forma, suas lembranças estarão sempre ao alcance quando a saudade bater forte.

 5. Entenda que a criança pode fazer pausas no seu período de luto. Em um dia ela vai brincar normalmente e em outro voltar a chorar e sentir-se como um caracol dentro de sua casca. Deixe claro que tudo bem sentir a alegria e depois tristeza. Com o tempo, essa tristeza enorme vai mudar para uma saudade tranquila e serena.

 6. Seja um exemplo para o seu filho. Isso não quer dizer que você precisa ser forte o tempo todo e não demostrar seus sentimentos. Seja sincero em expressar sua dor e saudade, mas também a confiança no amor e cuidado de Deus. É comum a criança pensar que seus pais ou pessoas mais próximas também irão morrer e ela ficará desamparada, por isso, reforce o amor e amparo do Senhor.

Que o Senhor Jesus, aquele que venceu a morte e nos deu a vida eterna e abundante, lhe conceda sabedoria e sensibilidade para que seus filhos cresçam confiantes na presença amorosa e atuante do Deus Pai.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

Fé Racional

Bizarro, da parte de Dawkins, que escreveu um livro chamado “Deus, um Delírio”, em que alegava que a religião era uma força profundamente malévola e

Leia Mais »
Psicanálise
Editorial

Jordan Peterson Desagravado

As pessoas riram quando Jordan Peterson disse que as feministas estão do lado do Islã radical porque as elas têm um desejo inconsciente de dominação

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *