iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Walter E. Williams. Leia o artigo completo no Daily Wire.

Algumas perguntas para biólogos e profissionais da área médica: se uma pessoa tem cromossomos XY (sexo heterogamético), a designação como mulher em sua certidão de nascimento ou carteira de motorista substitui a evidência cromossômica? Se uma pessoa possui cromossomos XX (homogaméticos), a designação como homem em sua certidão de nascimento ou carteira de motorista substitui a evidência cromossômica? Se você fosse um profissional médico, solicitaria exames de Papanicolau para detectar câncer de colo do útero em um paciente que se identifica como mulher, mas tem cromossomos XY?

Se você fosse juiz, condenaria um criminoso, que se identifica como mulher, mas tem cromossomos XY, a uma prisão feminina? Um juiz norte-americano decidiu que um “garoto” transexual, uma pessoa com cromossomos XX, não poderia ser barrado no banheiro dos meninos. O juiz sugeriu que os alunos não deveriam ser separados por sexo.

O medo pode explicar por que os biólogos não se manifestam para dizer que o sexo de alguém não é opcional. Como a comunidade LGBTQ é uma força política em muitos campi de faculdades, os biólogos provavelmente temem retaliação por parte dos administradores cegos à diversidade. Não são apenas acadêmicos e juízes que agora vêem o sexo como opcional. Os governos estão ignorando a biologia e permitindo que as pessoas tornem o sexo opcional na certidão de nascimento, no passaporte e em outros documentos. Em Nova York, a recusa intencional ou repetida de usar o nome, pronome ou título preferido de uma pessoa é uma violação da Lei de Direitos Humanos na cidade.

Um transexual apresentou de 16 denúncias contra esteticistas porque elas se recusaram a depilar seus órgãos genitais masculinos. Ele queria indenização de US $ 32.500. Uma mulher foi forçada a fechar sua loja. O juiz determinou que ele pagasse US $ 2.000 a cada uma das três das mulheres que ele atacou. Agora ele está ameaçando processar ginecologistas que não o aceitem como paciente.

Em 2012, um padeiro cristão foi ameaçado de prisão por se recusar a fazer um bolo de casamento para um casamento gay. Ele ganhou na justiça, por sua recusa se basear em suas convicções religiosas. Mas 24 dias depois, um advogado o está processando por ele não fazer um bolo para comemorar o aniversário de sua transição de gênero.

À comunidade LGBTQ e outros que apoiam esses ataques, poderíamos perguntar se eles procurariam processar o proprietário de uma delicatessen judia que recusasse serviços de catering para um neonazista. Negros deveriam ser forçada a atender a Ku Klux Klan? Se você é um americano de mente aberta, suas respostas devem ser não.

Walter E. Williams é professor de economia na Universidade George Mason. Para saber mais sobre Walter E. Williams e ler outros escritores e cartunistas do Creators Syndicate, visite a página do Creators Syndicate em www.creators.com.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

people high aerial jump
Psicanálise

A Coragem Também é Contagiosa

Por Tim Keesee. Leia o artigo completo em Desiringgod. Coragem é justamente estimada a primeira das qualidades humanas porque. . . é a qualidade que garante todas as

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *