iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Asoectis npeducis e osucikpigucis

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Quando falamos de ataques de pânico, devemos pensar neles de duas maneiras. Existem aspectos médicos e psicológicos do transtorno.

Aspectos médicos:

O transtorno do pânico é um problema que tem muito a ver com o corpo.

Certamente, em termos de problemas emocionais, os transtornos de ansiedade são alguns dos mais fortemente associados a sintomas fisiologicamente sentidos.

A maioria dos sintomas são sentidos no corpo. Embora não conheçamos todas as razões biológicas pelas quais os ataques de pânico ocorrem, agora sabemos que existem alguns componentes biológicos muito fortes.

Existem basicamente duas maneiras de atacá-los do ponto de vista clínico. O primeiro são os tranquilizantes simples, geralmente chamados de “tranquilizantes menores”. Eles são muito eficazes em dar alívio imediato aos sentimentos. Se a ansiedade está impedindo uma pessoa de funcionar no dia-a-dia, às vezes é uma boa ideia. Mas há dois problemas com essa abordagem.

Número um, as verdadeiras razões e problemas que causam os ataques não estão sendo tratados, mas apenas encobertos pelo alívio dos sintomas. Quando usados ​​corretamente, eles acalmam uma pessoa o suficiente para funcionar enquanto ela está trabalhando em seus problemas. Quando usados ​​incorretamente, eles acalmam uma pessoa para que ela não tenha que lidar com seus problemas. Dar-lhe tranquilizantes sem lhe dizer para procurar um bom aconselhamento, para descobrir se há outras coisas que causam os ataques, não é um bom conselho.

Número dois, pode-se abusar desses medicamentos ​​e eles podem se tornar viciantes. Por isso, só devem ser usados ​​sob o olhar atento de quem entende a necessidade de enfrentar as questões que provocam os ataques.

Outro aspecto do aspecto clínico é que existem outros medicamentos que não são viciantes e foram considerados muito eficazes no aspecto físico desta doença. Eles pertencem às classes mais recentes de medicamentos antidepressivos. Às vezes, problemas químicos no cérebro podem fazer parte do quadro dos ataques de pânico. Estes medicamentos mais recentes demonstraram ser muito úteis para algumas pessoas nessa situação. Eu buscaria uma segunda opinião médica, desta vez de um psiquiatra que lida com transtorno do pânico em tempo integral. Esses medicamentos não são viciantes, têm menos efeitos colaterais do que os mais antigos e fazem mais do que aliviar os sintomas. Eles parecem abordar os processos físicos subjacentes que estão acontecendo. Mas, em geral, é melhor consultar um psiquiatra, pois eles estão em sua área de especialidade.

Aspectos psicológicos:

Há mais para olhar e trabalhar do que apenas “esperar que os ataques de pânico desapareçam”. Normalmente, no transtorno do pânico, há questões significativas que precisam ser enfrentadas. Eu procuraria um bom conselheiro e veria se alguma dessas áreas são áreas de crescimento para você, pois elas certamente podem ser superadas. Eu começaria analisando algumas dificuldades comuns específicas nos ataques de pânico.

Primeiro, pode haver um isolamento subjacente. Se alguém está significativamente isolado por dentro, o pânico surge quando se está próximo de sentir esse isolamento e solidão. Isso pode acontecer mesmo quando uma pessoa tenha muitos amigos se não houver ninguém “permanecendo” por dentro, em níveis profundos, como a Bíblia fala.

Em segundo lugar, pode haver problemas em torno de limites e liberdade. Estes são os mais comuns na minha experiência. Os ataques de pânico geralmente têm alguma dinâmica envolvida quando uma pessoa se sente impotente em alguma área significativa da vida, especialmente relacionamentos significativos. Ele sente que suas escolhas são controladas por outra pessoa ou pela culpa, e a liberdade fica limitada. Então, em vários momentos ele sente o pânico que vem de ser impotente. Um bom trabalho de limite e assertividade pode ajudar dramaticamente nessa dinâmica.

Em terceiro lugar, muitas vezes há padrões de pensamento perfeccionista ou de “ou tudo ou nada”. A pessoa interpreta seu desempenho ou experiência de formas extremas, e uma ansiedade severa acompanha esse processo. Ela tem que aprender a olhar para seus padrões de pensamento e mudá-los. Então, muitas vezes, há medos de autonomia e medos associados à independência e à idade adulta. Às vezes, questões de família de origem precisam ser examinadas para se superar essas dinâmicas.

Com a combinação de bons pareceres médicos e bom aconselhamento, tenho toda a esperança do mundo de que os ataques de pânico podem ser evitados. Eu vi isso acontecer com sucesso repetidas vezes. Então, vá ver um bom psiquiatra e a um bom conselheiro. Este pode ser um dos momentos mais produtivos de sua vida.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

Quem são os Covidiotas Agora?

Tuíte de James Melville: Os ‘Covidiotas’ estavam certos sobre: ▪️​​ lockdowns▪️ bem-estar das crianças▪️ listas de espera para tratamentos▪️ saúde mental ▪️ resposta da Suécia▪️​​

Leia Mais »
Psicanálise
Editorial

20 Anos de Fraude na Pesquisa de Alzheimer

O neurocientista​ e médico, Matthew Schrag, identificou dezenas imagens de dados aparentemente alteradas ou duplicadas​. Sua descoberta ameaça um dos estudos de Alzheimer mais citados deste século e

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.