iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Elas estão solitárias, assustadas, estressadas e ansiosas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

por Peter Wooding Assist News.

Uma em cada três crianças do Reino Unido, entre cinco e 18 anos (36%), disse aos pais que estão solitários desde que o governo fechou as escolas.

Quase um terço dos pais (32%) notaram mudanças negativas no comportamento de seus filhos desde o lockdown. Isso inclui birras, crises, pesadelos, dores de estômago, brigas e choro. Mais de uma em cada cinco (22%) crianças está preocupada com a possibilidade de um membro da família ou amigo próximo morrer de coronavírus.

A pesquisa da World Vision, instituição de caridade para crianças cristãs, mostra que as crianças mais jovens têm mais probabilidade de se preocupar em pegar o coronavírus. Elas também são mais propensas a dizer aos pais que estão sozinhas e sentindo falta de amigos e familiares. Crianças de 5 a 11 anos são mais propensas, do que as crianças mais velhas, a ficarem “grudentos”, chorarem e fazerem birras e terem distúrbios do sono. Crianças com mais de 12 anos têm mais probabilidade de tornarem-se reclusas.

Daniela Buzducea, líder de advocacia global da Visão Mundial, diz: “Nossa pesquisa abre uma janela preocupante para a turbulência emocional das crianças neste momento sombrio. Ele mostra como a pandemia global está afetando o bem-estar mental das crianças – deixando-as assustadas, inseguras e isoladas.

“As crianças vivenciam uma crise como essa de maneira diferente dos adultos. Eles percebem a ansiedade ao seu redor e ficam desestabilizados por mudanças dramáticas em suas rotinas diárias e restrições estritas em seus movimentos. Suas emoções ficam perturbadas e confusas. Muitos começam a manifestar sua tensão por meio de comportamentos desafiadores ou se retraem em suas conchas.”

A pesquisa constatou que as meninas tendem a mostrar sua angústia com a agitação sobre o coronavírus de uma maneira diferente da dos meninos. As meninas são mais propensas a ficarem mais facilmente chateadas e reclamar de indisposições como dores de estômago e dores de cabeça. Os meninos são mais propensos a ficar inquietos e brigar mais.

Buzducea acrescenta. “O impacto de uma crise como essa no bem-estar emocional das crianças se esquece facilmente, mas nunca deve ser subestimado. As crianças podem sofrer uma ansiedade aguda quando se viram suas vidas de cabeça para baixo. A desestruturação do coronavírus é perturbadora mesmo para crianças em idade pré-escolar.

“Os pais podem dar apoio emocional aos filhos, reduzir seus níveis de estresse e ajudá-los a se sentirem seguros. É importante que os pais descubram o que seus filhos ouviram e ouçam suas preocupações. Eles devem conversar com calma e explicar o que está acontecendo de maneira apropriada ao nível de compreensão de seus filhos. Pode ser mais fácil para as crianças pequenas desenhar um retrato do que falar sobre algo assustador. Ofereça-lhes giz de cera e papel para que eles possam fazer isso.”

PETER WOODING

Peter Wooding é editor sênior do Assist News Service e jornalista premiado de rádio, TV e imprensa. Peter trabalhou como editor de notícias na Rádio UCB no Reino Unido e reportou de países ao redor do mundo, incluindo Israel, Índia, Rússia, Sérvia, Sudão do Sul, Ucrânia e Moçambique. Continuando o legado de seu pai, Dan, Peter agora lidera a expansão global da ANS. Ele também é o chefe do Bureau de Londres da Global News Alliance, diretor de mídia e relações públicas da Leading The Way UK e diretor do Reino Unido para Mercy Projects. Peter vive em North Wales, Reino Unido, com sua esposa, Sharon, e suas três filhas, Sarah, Anna e Abigail.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

O Apego ao Velho

Minha esposa e eu somos viciados em programas de reforma. […] Nós […] apimentamos cozinhas, banheiros destruídos e trocamos espaços. Nós os invertemos, os destruimos, os consertamos

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *