iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Um apanhado sobre seus estereótipos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

por Philip G. Monroe

Katheryn Joyce publicou recentemente um longo post sobre o surgimento do aconselhamento bíblico e as preocupações que alguns têm sobre o movimento.

A maioria das pessoas que pensa sobre aconselhamento e cristianismo tende a pertencer a uma das seguintes categorias: os que se opõem ao aconselhamento bíblico como sendo perigoso e os que se opõem às várias versões da psicologia cristã como sendo superficiais e cheias de ideologia humanista. Muito poucas pessoas tentam manter a identidade nos dois mundos. Se você leu meu “sobre mim”, descobrirá que sou um daqueles que aceita o rótulo de aconselhamento bíblico e psicologia cristã (mais sobre isso abaixo)

Incentivo tanto os proponentes quanto os oponentes do Aconselhamento Bíblico a lerem seu ensaio. Permita-me ter a liberdade de sugerir algumas perguntas iniciais para se ter em mente ao ler. Embora o ensaio possa não responder às perguntas, tê-las em mente impedirá que você solidifique estereótipos de ambos os lados. § Se você estiver inclinado a rejeitar o aconselhamento bíblico, considere estas perguntas:

  1. Onde posso encontrar uma história mais completa sobre o aconselhamento bíblico e suas várias permutações?
  2. Quais principais vozes dos autores de aconselhamento bíblico estão faltando neste texto? [Observe que o ACBC mencionado era, até recentemente, conhecido como NANC (Associação Nacional de Conselheiros Nouthéticos)]
  3. Quais falhas no (s) movimento (s) da psicologia cristã levaram à necessidade de um movimento de aconselhamento bíblico?

Se você está inclinado a defender o aconselhamento bíblico, considere estas perguntas

  1. Mesmo que alguns dos maus exemplos do aconselhamento bíblico não representem você ou o coração do movimento, que aspectos do movimento podem apoiar ou incentivar algumas dessas distorções?
  2. Como você poderia comunicar melhor a “suficiência das Escrituras” aos estranhos?
  3. O aconselhamento bíblico procura eliminar sintomas ou melhorar as respostas espirituais aos sintomas? Como ele poderia reconhecer melhor o corpo quando fala sobre as causas dos problemas de saúde mental?
  4. Onde o medo da “integração” dificulta a maturação do aconselhamento bíblico como movimento?

De fato, essas perguntas já foram feitas e as respostas foram dadas em vários locais. Os leitores não familiarizados com o aconselhamento bíblico devem começar com sites como estes, CCEF , ACBC , BCC e a Sociedade de Psicologia Cristã para encontrar leituras mais aprofundadas sobre tópicos relacionados.

Onde as preocupações são válidas

Não reconhecer os benefícios da pesquisa psicológica. 
Joyce observa que uma boa sessão de aconselhamento bíblico se parece muito com uma boa sessão de aconselhamento profissional. Por quê? Bem, é óbvio que a mudança acontece melhor no contexto de relacionamentos gentis e compassivos. Por que a semelhança? Embora seja verdade que os psicoterapeutas não descobriram empatia, é verdade que a pesquisa em psicoterapia expandiu nossa compreensão sobre a melhor maneira de incentivar relações de confiança na terapia. Além disso, algumas das intervenções cognitivas, afetivas e dinâmicas desenvolvidas a partir desses modelos são usadas no aconselhamento bíblico. Não tenho absolutamente nenhum problema com o aconselhamento bíblico obtendo benefício de intervenções desenvolvidas em outros modelos de terapia. Eu só desejo conselheiros bíblicos ou reconheço esse benefício. É claro que Jay Adams se beneficiou de Mowrer (e disse isso para iniciar). Nós podemos fazer o mesmo. Podemos admitir que Marsha Linehan revolucionou nossa compreensão de como trabalhamos com pessoas que exibem sintomas de transtorno de personalidade limítrofe.

Enfatizando falsas dicotomias . Joyce cita Heath Lambert nesse texto (perto do fim),

“Estou preocupada que, se dissermos: ‘Ah meu Deus, as pessoas com problemas difíceis precisam de médicos e precisam de um medicamento’, vamos perder muito do que a Bíblia tem a dizer sobre problemas difíceis.”

A citação acima está no contexto de lidar com doenças mentais difíceis ou graves. Ela se preocupa com o fato de que, se a igreja criar duas categorias de problemas (normal e especial), as pessoas com problemas sérios não acreditarão que a Bíblia tenha algo a dizer sobre os que sofrem de ideação suicida ou esquizofrenia. Parece que alguns conselheiros bíblicos adotam uma posição negativa em psiquiatria e intervenção médica, porque temem que isso atrapalhe a obra do Espírito por meio da Bíblia. Eu argumentaria que essa dicotomia não precisa existir. Concordo que a Bíblia fala a todos, quer estejam tendo dificuldades ou problemas fáceis. Eu não acho que o uso de medicamentos ou médicos tenha que impedir o cuidado pastoral. A mensagem que os outros recebem quando sugerimos que a intervenção médica precisa ser evitada é que, de alguma forma, é menos espiritual procurar uma intervenção médica. Isso é, evidentemente, falso. Agora, nem todo medicamento vale a pena ser tomado. Alguns podem mais criar problemas do que resolver. Mas esse fato não deve nos levar a agrupar todos os cuidados profissionais / médicos na mesma categoria.

Onde as preocupações são exageradas

Heath Lambert acerta quando afirma que todos os modelos de aconselhamento falharão, devido, principalmente, à qualidade do profissional. Os conselheiros bíblicos fazem muito trabalho louvável e bem-sucedido. O texto de Joyce pode sugerir que a maioria dos conselheiros bíblicos é ineficaz e incompetente. Isso não é verdade. Matthew Stanford sugere que ele nunca viu um conselheiro bíblico se sair bem em casos difíceis. Essa pode ser a experiência de meu amigo, mas posso atestar que os conselheiros bíblicos trabalham bem com pessoas com sérios distúrbios de personalidade, delírios e outras doenças mentais difíceis. Agora, a verdade é que esses conselheiros tiveram sucesso porque não seguiram o estereótipo e rejeitaram o aprendizado da psicologia profissional. Além disso, esses mesmos conselheiros não recorrem à “autosuficiência” para querer dizer que eles só poderiam usar a bíblia ao considerar como reagir a seus cliente

Faça uma pausa e leia o texto dela. Analise as perguntas acima e mantenha a mente aberta para os dois lados desta história.

[§ Escrevi sobre a relação entre psicologia cristã e aconselhamento bíblico no Journal of Psychology and Theology, volume 25, 1997. Você pode comprar esse ensaio aqui .]

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

O que Guia a Sociedade.

O perfil verificado da Turma da Mônica deu a entender – via Twitter – que Felipe Neto pode virar personagem de gibi. A palhaçada não

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *