iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

O sucesso está no domínio das instituições e do significado das palavras

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O verbo “atacar” como substitutivo das leis
por Marco Frenette

Ao tomar o poder, a esquerda persegue as pessoas honestas com o mesmo pretexto cínico: elas estariam “atacando” as instituições.

Trocar os verbos “criticar” e “denunciar” por “atacar” é a primeira distorção necessária. Em seguida, se afirma que “críticas construtivas” são “permitidas”, mas “ataques”, não. É um truque primário, estúpido até, mas é funcional. Foi usado por Stálin, Mao e Fidel Castro, entre tantos outros, e agora está sendo exaustivamente usado no Brasil.

Com esse truque obtuso, qualquer organização honesta e democrática entre pessoas que pensam de modo semelhante é tratada como uma organização criminosa constituida para “atacar as instituições”. E quem “ataca” as instituições sem participar de nenhuma organização, é associado a alguma delas por similitude de ideias. Ou seja, é honesto? Então também faz parte da “organização de ataque às instituições”.

É a palavra “ataque” substituindo as leis, a Constituição e o credo democrático. “Seu juiz, mas isso não existe nas nossas leis”. “Não importa se existe ou não nas leis, o que importa é que estão nos atacando, e nos atacar é atacar as instituições”.

Imagem:
Libertymaniacs.com

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

John Hoffman e a Teoria do Apego

  ÷ ​Teoria do Apego A teoria do apego argumenta que um vínculo emocional e físico ​forte ​com um cuidador principal​,​ em nossos primeiros anos de

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *