iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Marco Frenette

Como funciona a mente do anormal

O combustível da mente é a linguagem, e qualquer outro alimento que entre nela termina filtrado por ela.
Por isso, a forma mais simples de compreender a anormalidade de uma pessoa esquerdista é por meio da linguagem. Para ser mais exato, por meio dos efeitos das palavras em sua mente.
Por exemplo, uma pessoa normal, ao ouvir a palavra “polícia”, imediatamente imagina uma força estatal e social muito benéfica para os cidadãos honestos, embora não seja uma instituição perfeita.
A mesma palavra “polícia” tem sentido diferente ao bater na cabeça de um anormal, significando uma força repressora e criminosa que existe para perseguir e matar as vítimas da sociedade capitalista e opressora.Isso vale para todas as palavras importantes. “Empresário”, para o normal, é alguém que teve a coragem de arriscar e hoje produz para a sociedade, além de ajudar no sustento de inúmeras famílias, sem contar os impostos gerados.
Para o anormal, a palavra “empresário” é de revirar o estômago, pois ele imagina um monstro insensível explorando uns pobres coitados, os quais, vejam só, ao fim do mês recebem um salário para ter os falsos prazeres burgueses.
Por isso, quando se fala da impossibilidade de diálogo entre uma pessoa normal e um esquerdista, não se está falando de “divergência de opiniões”, mas de dois tipos humanos que têm mentes DISTINTAS.
A mente normal encara a linguagem como uma ferramenta para descrever a realidade, enquanto o anormal encara a linguagem como um meio para ignorar ou, pelo menos, distorcer a realidade.
Se quisermos dar um toque de elegância a esse texto simples, podemos citar a ironia de Françoise Thom, e dizer que o anormal usa a linguagem para “proteger sua ideologia dos ataques inescrupulosos perpetrados pelas coisas reais”.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *