iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

A Psicologia foi distorcida, transformando-se numa abominação quase irreconhecível.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: sonar21.com.
Autoria do texto: Gaius Baltar.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. sonar21.com
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

POR QUE O OCIDENTAL É TÃO FRACO (E A RÚSSIA TÃO FORTE)? O PAPEL DO CAPITAL HUMANO E EDUCAÇÃO OCIDENTAL

[…]

A disfunção do Ocidente é muito mais profunda do que apenas a situação em torno do projeto da Ucrânia. Está absolutamente em toda parte. O Ocidente não consegue fazer diplomacia em geral, não consegue conduzir suas cidades nem seus países, exceto buraco abaixo, seus projetos de alta tecnologia falham quase como regra, sua infraestrutura está desmoronando, suas economias estão desmoronando e todas as políticas públicas parecem ter um suicídio civilizacional como objetivo final. Os mecanismos de controle do Ocidente sobre o resto do mundo também estão desmoronando, incluindo o dólar, sanções, revoluções de cores, intervenções militares e ameaças. Nada parece funcionar e tudo o que o Ocidente faz parece piorar as coisas.

Qualquer pessoa racional, ao ouvir um líder ocidental, diplomata ou “especialista“ falando, se faz a seguinte pergunta: ”Eles estão apenas mentindo ou são realmente tão incompetentes e alucinados?“ A resposta é “ambos”, mas o fator de incompetência é muito maior do que a maioria das pessoas consegue imaginar.

Por que isso aconteceu? É claro que a causa é muito mais profunda do que a desindustrialização do Ocidente ou problemas econômicos em geral. A economia não explica a incrível incompetência demonstrada pelo Ocidente antes e durante a guerra na Ucrânia.

Sugiro que a causa desse desastre em desenvolvimento seja um sério problema estrutural no Ocidente – que a Rússia parece ter evitado em grande parte. Esse problema estrutural é uma condição necessária para o atual sistema ocidental e foi criado propositadamente para realizá-lo e mantê-lo. Esse problema é o assunto deste artigo –, bem como o “mecanismo” por trás dele. Infelizmente, este é um artigo longo, mas o assunto exige.

Capital humano e suas propriedades

A atual estrutura de poder […] do Ocidente requer que certos tipos de pessoas estejam em posições de influência e certos tipos de pessoas sejam deixados de lado. […] Isto vem progredindo constantemente nas últimas cinco décadas e resultou em um grande problema estrutural para o Ocidente. Este problema é a degradação óbvia e maciça e a má alocação do capital humano no Ocidente.

O capital humano pode ser descrito como a qualidade da força de trabalho de uma empresa ou nação, ou mais especificamente a competência do pool de funcionários: quão bem eles são treinados, com que rapidez eles podem ser treinados, qual sua educação em geral e como tomam decisões. […]

Competência pode ser descrita como específico ou geral. Essa distinção é extremamente importante e deve ser entendida por quem tenta gerenciar o capital humano em pequena ou grande escala.

Competência específica é a capacidade de fazer um certo tipo de trabalho. [carpintaria, medicina,]. Alguns desses tipos de trabalhos podem exigir muita competência, treinamento e inteligência, mas o que eles têm em comum é que seu escopo é limitado e claramente definido. Eles existem dentro de limites claros, separados das complexidades e da imprecisão do mundo em geral. Cada tipo de trabalho requer certas habilidades inatas na pessoa, bem como graus variados de treinamento. As pessoas, é claro, diferem muito em seu nível de competência específica em cada campo.

Competência geral ou de alto nível é a capacidade de realizar um trabalho que está além dos limites claramente definidos. […n]um universo complexo “ variável ” e pode ser extremamente vago e confuso. Requer a capacidade de ser adaptável e ser capaz de transferir habilidades entre diferentes tipos de trabalho. Isso também se aplica à experiência em um campo aplicado a um campo completamente diferente –, como a aplicação da psicologia à economia ou astrofísica à ciência climática.

Exemplos […]: planejadores e administradores, desenvolvedores de produtos,[…] consultores e analistas[…],planejadores militares, diplomatas, juízes, líderes políticos[…].

Tipos de trabalho de competência específica e geral não são duas coisas separadas. […] Quase todos os tipos de trabalho têm elementos de ambos, mas em proporções variadas. Por exemplo […] um especialista em banco de dados excepcionalmente competente. […]se torna um problema [quando precisa participar d]a tomada de decisões. […] Ele não consegue “transferir“ sua competência específica[…] para a geral.

[…] A competência geral requer três condições[…]:
a ) Alta inteligência geral ou QI,
b ) a capacidade de ser objetivo, mesmo em situações em que o resultado de suas conclusões pode não ser do seu agrado, e
c ) a capacidade de chegar a conclusões sem ser influenciado por outras pessoas ( ou seja, pensamento independente ).
As duas últimas condições são um resultado direto de como o cérebro humano interage com o meio ambiente. […] em termos simplistas, pode-se dizer que os seres humanos variam em seu relacionamento com a realidade, do emocional-externo / subjetivo ao introspectivo/objetivo. Essa variável[…] é normalmente distribuída.[…]

Vamos primeiro olhar para o QI ou inteligência geral. Para poder lidar com um trabalho seriamente complicado ou passar por um programa universitário real, é necessário um QI de cerca de 125. Apenas cerca de 5% da população no Ocidente tem esse QI ou superior. Isso significa que o conjunto de pessoas com competência potencialmente de alto nível é muito pequeno, para começo de conversa. Mesmo se usarmos um corte de um QI de 115, o que é suficiente para a maioria dos trabalhos semi-complicados, o grupo potencial só chega a 16% da população.

Agora, […] as outras variáveis, ou seja, objetividade e pensamento independente. Esses dois estão correlacionados e, por questão de conveniência, lidaremos com eles como se fossem a mesma variável ou característica […]. Normalmente, eles se distribuem assim como o QI. Num extremo estão pessoas que […] são incapazes de pensar objetivamente sobre quaisquer problemas que possam interagir com suas opiniões pessoais sobre qualquer coisa. Eles podem ser competentes em um campo limitado que é “neutro” para eles (como bancos de dados), mas não envolvendo não conseguem administrar […] nada que exija competência geral,[…] independentemente de sua inteligência. Essas pessoas […]não são adequadas para trabalhos de competência geral / de alto nível.

Então, qual é a proporção da população que é objetiva o suficiente, e pensadores independentes o suficiente, para ser adequada para esses empregos? […]digamos que é 30%. O que isso significa?

QI e objetividade / pensamento independente são um pouco correlacionados, mas vamos supor que não. Digamos que temos um grupo de pessoas potencialmente objetivas e racionais que é de 30% e um grupo de pessoas com QI de 125 que é de 5%. Isso significa que o conjunto de pessoas de alta competência geral é de 5% de 30%, ou 1,5% da população.

Se formos realmente generosos e supormos que 50% da população é objetiva e racional e um QI de 115 é suficiente para esses empregos, temos 16% de 50%, que é um grupo de 8% da população.

[…]Esse grupo,[de] 1,5% da população ou 8% da população, é extremamente valioso. Este é essencialmente o único grupo da sociedade que pode avaliar com segurança situações complexas e tomar decisões racionais subsequentes. Sem ele, simplesmente não se pode construir nem manter, e muito menos fazer avançar, a sociedade tecnológica moderna. […] se não identificarmos e utilizarmos esse grupo, não podemos conduzir nossas sociedades complicadas, exceto buraco abaixo.

A depuração ocidental de competência

A sociedade ocidental moderna é, do ponto de vista da governança, ideologicamente motivada e ideologicamente controlada. Está sendo empurrada em uma direção ideológica muito claramente definida, liderada pela União Europeia e pelo atual governo dos EUA. […] Para os curiosos desinformados, um bom ponto de partida é o site do órgão de formulação de políticas da UE, o Fórum Econômico Mundial.

Para alcançar esses objetivos ideológicos para o Ocidente, duas coisas devem acontecer:
a ) As pessoas certas devem ser colocadas no poder em todos os níveis da sociedade e
b ) quaisquer elementos perturbadores devem ser eliminados ou suprimidos.
Como todos os objetivos ideológicos tendem a estar mais ou menos em conflito com a realidade, não há grupo mais perturbador, para eles, do que aquele que opera de maneira objetiva e independente. Simplesmente não se pode permitir pessoas assim em posições de poder e, se estiverem, devem ficar caladas e / ou ser forçadas a andar na linha.

O grupo de competência objetiva / racional / geral, seja 1,5% ou 8% da população, torna-se um problema e não um recurso. Esta é exatamente a situação no Ocidente hoje.

Muitas pessoas notaram que a meritocracia foi sistematicamente abandonada no Ocidente, e a relação entre competência e recompensa cortada em faixas gigantes da economia e, no governo, quase completamente. O que poucas pessoas parecem perceber é que isso é um necessidade para que se alcancem os objetivos ideológicos do Ocidente. Não se pode promover a competência de alto nível porque é uma ameaça. Portanto, não pode ser recompensado.

Para ilustrar isso, vamos dar uma olhada no que acontece quando um membro dos 1,5% tem permissão para ganhar poder significativo. Elon Musk é um homem inteligente, provavelmente com um QI de 150 ou mais. Ele também é bastante objetivo e realista em suas avaliações e um pensador independente. Sua propriedade e governança do Twitter / X é um grande problema para os objetivos ideológicos ocidentais. A liberdade de expressão é uma ameaça óbvia para qualquer ideologia e[…] Musk […] demitiu todos guardiões da Ideologia […] mantendo apenas os funcionários competentes. Isso não pode ficar de pé e já podemos ver a resposta. A UE planeja usar a força para […] bloquear o Twitter na Europa.[…] Mark Zuckerberg foi instruído a criar uma cópia ideologicamente pura do Twitter em resposta –, mas parece ter falhado. […]

A reconfiguração da educação ocidental

[…]Esse processo de elevação [das pessoas certas] / supressão [das erradas] tornou-se o principal objetivo do sistema educacional ocidental, do jardim de infância até a universidade. […] exemplos:

Avaliação de competência está sendo sistematicamente degradada para evitar a comparação entre o competente e o incompetente. Os exames estão sendo descartados […] e os alunos trabalham em grupos para que os incompetentes possam se esconder. […]Os competentes não devem ser incentivados e, se possível, eles próprios não devem perceber que estão acima dos outros.

As universidades estão cada vez mais baseando a admissão em outros critérios que não a competência, incluindo cotas baseadas em variáveis de não competência.  O método de seleção mais insidioso é a “redação pessoal”, que os candidatos devem enviar , […] quanto mais sinalizam virtude na redação, maior a probabilidade de serem admitidos. [A redação permite] as universidades escolherem o ideologicamente puro –, que é o único objetivo do requisito da redação para começar.

Quase todas as disciplinas acadêmicas estão sendo transferidas do objetivo para o subjetivo para favorecer o aluno irracional-incompetente. […] 2 + 2 não necessariamente é igual a 4. A […] inteligência agora é […] apenas uma questão […d]as ferramentas de medição certas e invenções idiotas como a “inteligência emocional”.

Quase todos os assuntos ficaram mais fáceis para ajudar os alunos incompetentes [Isso..] tem o benefício adicional de criar desinteresse em alunos inteligentes e racionais. Seu desempenho melhora em relação aos outros à medida que o assunto fica mais difícil. Se o assunto for fácil, ele se afundará na mediocracia, que faz parte do objetivo de diminuir os padrões para começar.

Disciplinas que podem ser uma ameaça para a irracionalidade da ideologia foram massivamente subvertidos e corrompidos. […] particularmente psicologia e história,[…]. A psicologia foi pervertida em uma abominação quase irreconhecível, e a história trata, principalmente, de apenas mentiras.

Disciplinas falsas foram inventadas do zero com o objetivo de treinar os ideologicamente puros, sem a necessidade de competência ou inteligência ou qualquer conexão com a realidade. […]. Esses diplomas ,[aparentemente] inúteis, elevam o ideologicamente puro da sociedade, concedendo-lhes “certificação” universitária, [a qual] justifica dar-lhes posições importantes na sociedade.

A sociedade ocidental, em geral, abandonou a racionalidade e a substituiu pelo subjetivismo (formalmente designado como “pós-modernismo”).  O objetivo disso não é apenas treinar e avançar os ideologicamente puros, mas usar o subjetivismo como uma ferramenta de opressão contra o 1.5/8 grupo e a parte racional da população fora dele. A melhor maneira de suprimir uma pessoa racional é submetê-la a uma existência de total e constante irracionalidade. É, essencialmente, manipulação em escala civilizacional […].

Enquanto se suprime o perigoso grupo racional […], doutrina-se, em vez de se educar, os líderes ideologicamente puros “do amanhã”, as universidade lhes dão certificações, e providenciam uma quantidade interminável de empregos falsos e bem pagos no setor público e privado. Esse grupo ideologicamente puro e bem pago se torna a base de poder do novo sistema ideológico.

A migração ascendente do incompetente

O objetivo dessa intervenção […] no sistema educacional é criar […um] “padrão de migração“ […] com base na (falta de) competência e na pureza ideológica […] Colocam-se as pessoas nas posições certas e nos empregos certos e, como são incompetentes,[…] o governo e o setor privado […] os empurram para cima, enquanto afastam o temido grupo de 1,5 / 8 da influência e dos empregos bem remunerados.

[…] a terceirização da manufatura ocidental para a Ásia e a abolição virtual da concorrência no setor corporativo diminuiram enormemente o nível de complexidade da sua economia e, posteriormente, a necessidade do grupo 1,5 / 8. Quando a maioria das empresas opera serviços em um ambiente protegido, há muito menos necessidade de pessoas de alto nível / racional –, enquanto em uma “economia real” essas pessoas simplesmente não podem ser deixadas de lado. Além disso, quando você pode se safar de operar uma economia artificial, com base no status de reserva em dólares, também pode operar uma sociedade artificial administrada por incompetentes.

[…] essa migração ascendente do ideologicamente puro é gerenciada […] por cinco métodos principais […] que, juntos, a longo prazo, formam um processo de tomada da sociedade. […] são eles:

Filtragem do setor público – […] Inicialmente, é utilizado o método “ pé na porta ”. […] políticos e burocratas ideologicamente puros se posicionam dentro do sistema e começam a controlar quem é contratado. Isso aumenta exponencialmente ao longo das décadas, à medida que mais e mais puristas obtêm acesso às alavancas do poder. Atualmente, […] o processo é tão aberto que começa a se expressar em documentos de política de recrutamento [fazem isso abertamente]: o governo britânico[…] excluiu “homens brancos” da possibilidade de se tornarem pilotos de caça.[…]

Abastecimento do setor público – À medida que o processo de filtragem do setor público avança, os puristas dentro do sistema começam a criar cada vez mais posições para seus irmãos puristas. Novos departamentos são criados […] e o setor público se expande, armazenando […] pessoas ideologicamente puras. […]

Criação de emprego por decreto – […] Os puristas do governo começam a criar novas leis e padrões que todas as empresas devem cumprir[..] justificando com base na “bondade”; geralmente envolve meio ambiente, igualdade, segurança e coisas do tipo. Isso cria um grande número de cargos dentro de empresas privadas, adaptados ao ideologicamente puro […]. Isso […] dá aos puristas acesso às mesmas alavancas de poder lá, que eles já têm no setor público.

Filtragem do setor privado – […] recursos humanos […] é o cavalo de Tróia purista padrão em empresas privadas) –, eles começam a filtrar novos recrutas exatamente como o setor público faz., [e também de forma cada vez ]mais óbvia. […] Como não podem dizer abertamente “não contratamos pensadores inteligentes e independentes”, eles geralmente dizem “homens brancos ” como representantes para esse grupo […] [porque] é considerado uma ameaça específica, embora [demitam qualquer pessoa que discorde] independentemente do sexo ou da cor da pele.

Abastecimento do setor privado – Elon Musk demitiu cerca de 80% dos funcionários do Twitter.
Empresas estão criando cargos ou supérfluos ou para que influenciem operações contra o público.[…]

Esses métodos de filtragem e preenchimento são os principais mecanismos que foram usados para a tomada das sociedades ocidentais pelos ideologicamente puros. Existem outros mecanismos, como o ESG,  filtragem por certos bancos e fundos de investimento em relação a quem recebe ou não financiamento e a imigração descontrolada.

Os ideologicamente puros se mudaram, sistematicamente, para quase todas as posições de poder no setor público e grande parte do setor privado. […] O perigoso grupo 1.5 / 8 está sendo mantido afastado por todos os meios e com grande sucesso. […]

O programa de migração, que criou milhões de empregos desnecessários […] contribuiu com uma parte significativa da dívida pública ocidental. [mas] parece não ter sido percebido por muitas pessoas.

As consequências

O principal a se entender é que as sociedades e economias ocidentais foram colocadas em pé de igualdade ideológica. Produtividade, competitividade, tecnologia e ciência simplesmente não são mais prioridades no Ocidente. […] Alguns exemplos.

A crise de competência inversa – O objetivo de todo esse projeto foi colocar os ideologicamente puros em todas as posições de poder em todos os níveis da sociedade. Essas posições são, em uma sociedade normal e competitiva, ocupadas pelo grupo altamente competente 1.5 / 8. O processo chegou agora quase à conclusão com a maioria das posições de poder ocupadas pelos ideologicamente puros. Algumas dessas pessoas têm QI alto, mas não são pensadoras objetivas nem independentes. A ideologia à qual eles devem se inscrever é simplesmente incompatível com essas qualidades. Isso tem algumas consequências sérias.

Em uma sociedade […] competitiva, as posições de poder são ocupadas pelo grupo altamente competente de 1.5 / 8. Os ideologicamente puros apossaram-se da maioria das posições de poder, em todos os níveis da sociedade. Algumas dessas pessoas têm QI alto, mas não são pensadoras objetivas nem independentes. Sua ideologia[…] é incompatível com essas qualidades. Isso tem algumas consequências sérias.

Posições de poder e influência têm maior probabilidade de exigir competência geral do que outras posições (, em oposição a competências específicas ). As pessoas em posição de poder agora são selecionadas pelo fervor ideológico e pela confiabilidade, então quanto mais alto o cargo, mais ideologicamente entusiasmada a pessoa que os detém. Isso significa que as pessoas menos objetivas e independentes ocupam as posições que exigem maior objetividade e pensamento independente. Portanto, no ocidente, quanto maior a incompetência, maior o cargo. […] As exceções nas empresas privadas estão sendo tratadas […].

O segundo problema é que muitas das pessoas irracionais / subjetivas que detêm todo o poder têm QI razoavelmente alto. […] Pessoas [com essas características] são as mais fáceis de todas de sofrerem lavagem cerebral. […] o que significa que o escalão máximo no Ocidente é não apenas o mais incompetente possível, em comparação com o que seus empregos exigem, mas também é o mais maleável e delirante.

A crise de custos e dívidas – A migração dos ideologicamente puros para a base ideológica de poder e posições de influência criou milhões de empregos […] que não criam valor. [Talvez] algo como 20% a 30% de toda a força de trabalho do Ocidente poderia ser demitida. […], o efeito seria positivo, especialmente se essas pessoas pudessem trabalhar nos empregos ( principalmente servis ), na economia real, para os quais são adequados.

[…] manter esse grupo gigante de incompetentes em seus empregos falsos também está [tornado…] as sociedades ocidentais […] completamente insustentáveis e [só] administradas [com] aumento constante da dívida.

A crise da concorrência – […] [Em alguns setores, não há concorrência real entre as empresas] […]Elas não precisam pensar em eficiência, segurança, produtividade ou custos, exceto em seus sites e em relatórios anuais. No entanto, se um concorrente com funcionários competentes conseguir se infiltrar no setor, essas empresas afundarão. Haverá uma crise enorme[…].

[…] As empresas ocidentais não são mais competitivas. O monopólio e o oligopólio são a regra. Eles barram a concorrência comprando-a ou subornando os reguladores. […] a situação é tal que os chineses já fazem o trabalho real para muitos delas e a reformulação do trabalho é problemática por causa da (surpresa!) degradação do capital humano no Ocidente causada pelo redirecionamento de seu sistema educacional. As palavras imortais do funcionário da Boeing sem nome sobre o 737 MAX se aplicam à maioria das grandes empresas ocidentais:

Este avião é projetado por palhaços que, por sua vez, são supervisionados por macacos.

Isso também se aplica às sociedades ocidentais como um todo. Todas as lideranças e as classes diplomáticas do Ocidente […] estão sendo superados pelos chineses, russos, indianos e todos os outros[…]. Até os líderes africanos, agora tomaram decisões melhores para seu povo do que os no Ocidente[…].

A crise da complexidade– […] sem o grupo 1.5 / 8, não se consegue gerenciar as sociedades modernas intrincadas. […] No entanto, a reconfiguração do sistema educacional ocidental rompeu a estrutura entre competência e recompensa, incentivando os jovens a buscar educação fácil e inútil – simplesmente porque o “sistema” lhes proporcionará empregos. Por que estudar engenharia (que é difícil) quando você pode conseguir um emprego ainda melhor remunerado com um diploma em psicologia (que é fácil hoje em dia)?

Isso já causou uma grande crise nas sociedades ocidentais[…]. A “manutenção” de aspectos complexos da sociedade americana precisa de um grande grupo de engenheiros e pessoas com educação relacionada. Essa manutenção, agora, depende significativamente de engenheiros estrangeiros formados nas universidades dos EUA. […] Se a China e a Índia pudessem chamar seus engenheiros, e outros com educação rigorosa dos EUA, o sistema dos EUA provavelmente não poderia se manter, muito menos avançar. Isso piorará progressivamente e, em breve, chegaremos a um ponto em que não se poderão manter funcionando sistemas complexos que sustentam a sociedade. Isso exigirá algum tipo de “redefinição” para uma sociedade menos complexa, com menos prosperidade, é claro.

Há muito mais crises do que as quatro, mas eu não gostaria de parecer um pessimista listando mais.

Rússia e o futuro

Então, e a Rússia? Em primeiro lugar, há sinais claros de que os russos descobriram o que está acontecendo no Ocidente e estão aprendendo com isso. Recentemente, eles saíram do “processo Bolonha”, que é um sistema europeu de padronização educacional. Esse sistema tem o objetivo expresso de diluir a educação nos Estados membros, implementando certificações em vez de graduações reais, e encher as sociedades europeias com “especialistas” mal formados e geralmente incompetentes, que seguem o consenso, haja o que houver. Os russos viram esse sistema como uma ameaça ao seu país, e, pelo menos em parte, voltaram ao sistema soviético mais antigo e mais hardcore.

Em segundo lugar, os russos parecem estar realizando expurgos dos incompetentes e corruptos dentro das estruturas estatais, incluindo os militares. A meritocracia parece estar na agenda, um conceito radical nos dias de hoje. Os russos provavelmente vêem esses esforços como críticos para a continuação de seu estado e nação, e eles estariam certos.

A situação na China é praticamente a mesma e há indicações de que o resto do mundo não ocidental está percebendo. Lembre-se de que um dos resultados da recente cúpula Rússia-África foi um esforço educacional organizado pela Rússia na África. Duvido que os Estudos da Mulher façam parte desse currículo.

O atual conflito entre o Ocidente e a Rússia – e cada vez mais entre o Ocidente e o resto do mundo – está se tornando um conflito entre o incompetente e o irracional e o competente e o racional. O resultado é óbvio –, mas o que acontece quando uma pessoa irracional que está encurralada tem acesso a armas nucleares? Isso é uma incógnita.

Ao colocar suas sociedades numa base ideológica, a elite ocidental se encurralou. Eles não conseguem competir; não conseguem desenvolver suas economias ou sociedades; e eles não conseguem voltar. A solução dos problemas do Ocidente exigirá um renascimento econômico, onde uma economia real substituirá a atual falsa economia de serviços financeirizada. Isso não pode ser feito sem colocar o odiado grupo 1.5 / 8 em posições de poder. Portanto, isso não será feito enquanto a atual classe dominante ocidental estiver no poder. As sociedades ocidentais não sobreviverão a um renascimento econômico em sua atual configuração ideológica. O conflito é, portanto, a única opção restante para a classe dominante se apegar ao poder.


Leia o artigo completo no Substack de Gaius Baltar

Imagem:
Warren Umoh,
via Unsplash

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

O Sentido da Vida

We need another great flood. pic.twitter.com/LyE4Ryrmg5 — Ian Miles Cheong (@stillgray) July 8, 2024 – Que tal ser um gato? – Humm…bom, eu sei exatamente

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *