iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

“Ótimo trabalho ontem!” parabeniza a primeira linha do email encaminhado a fiscais da prefeitura de Nova York, que estão multando arbitraria e injustamente estabelecimentos comerciais.

Por George Parry. Leia o artigo completo no The Spectator.

Meus avós […] vieram para a América, na primeira década do 20 º século. […] minha mãe e seu irmão mais velho, Tom, nasceram. Quando minha mãe era criança, sua mãe morreu.

Meu avô era um vendedor ambulante que vivia vendendo produtos secos, para caipiras, da traseira de uma carroça puxada a cavalo. Ele e seus filhos eram muito pobres e moravam na parte mais violenta, infame e menos desejável da cidade.

Um dia, quando Tom tinha cerca de doze anos, ele desapareceu sem deixar rasto. Minha mãe e seu pai procuraram freneticamente por toda parte. Mas, depois de uma semana, meu avô angustiado desistiu. Tom se fora, aparentemente para sempre, e seu possível destino nas mãos de pessoas desconhecidas era aterrorizante de se considerar.

Alguns dias depois, enquanto minha mãe continuava sua busca solitária, ela ouviu seu nome ser chamado repetidamente. Ela olhou em volta e depois para cima. Foi quando ela viu Tom gritando e acenando para ela de uma janela alta, em um prédio de pedra de aparência sombria.

O prédio era chamado de “Casa das Pragas” e era onde os indigentes com suspeita de doenças transmissíveis eram forçados a ficar em quarentena. Como Tom explicou mais tarde, um policial o agarrou na rua e marchou com ele para a Casa das Pragas, sob suspeita de que ele pudesse ter uma doença contagiosa. Que doença seria nunca foi esclarecido.

Mesmo assim, Tom deveria continuar retido até que um médico de saúde pública não o considerasse mais um risco de infectar outros. Seus pedidos de ter permissão de informar o pai foram ignorados. É uma questão de especulação sobre quanto tempo ele ficaria incomunicável se não fosse a descoberta de minha mãe sobre o paradeiro dele.

Sempre que minha mãe contava a história da Casa das Pragas, ela balançava a cabeça em sinal de como o sistema de saúde pública fora improvisadamente insensível e indiferente no tratamento de seu irmão mais velho. Mas, ela suspirava, era assim que se lidavam com as coisas naquela época.

Desde o início da pandemia do COVID-19, refleti muitas vezes sobre o que aconteceu com meu tio Tom. Ele havia sido preso e tratado com severidade, com menos direitos processuais do que os de um criminoso comum. O crime dele? Ser pobre e ter aparência doentia nas ruas de Atlanta.

Mas, em comparação com a destruição arbitrária, cruel e injustificada, em escala industrial, de vidas, empregos, meios de subsistência e negócios, causada ​​pelos lockdowns sociais atuais, mal concebidos e totalmente destrutivos de hoje, em estados dos USA, a estratégia de saúde pública da Casa das Pragas de por-em-quarentena-os- doentes era esclarecida, racional e benigna.

O mantra entre os governadores que continuam a presidir a destruição das economias de seus estados é que eles seguem a “ciência” […] não querem desistir do progresso já alcançado contra o COVID-19 reabrindo cedo demais.

Bem, se esse é o seu verdadeiro objetivo, então os governadores estão em uma missão tola. Por quê? Porque não importa quanto tempo nos abriguemos, haverá futuros grandes surtos de COVID-19. 

[…] Não há base científica para esperar que o SARS-coV2 não retorne anualmente e faça o mesmo ou pior.

É certo que não tentamos – por razões muito sãs, sólidas e óbvias – impedir a propagação da gripe sazonal, realizando paradas anuais da economia. […] Nenhuma autoridade médica jamais sustentou que a quarentena nos levaria a um porto seguro, livre de futuras infecções.

[…] O governador Andrew Cuomo, líder espiritual do comitê de bloqueio governamental, [diante do fato de que, entre os pacientes com COVID-19, internados em hospitais de Nova York, na última semana, 66% estavam em casa e 18% vieram de lares de idosos [disse:]

“De maneira esmagadora, as pessoas estavam em casa … o que é chocante para nós”.

[…] o estudo leva necessariamente à pergunta desconfortável sobre se os lockdowns são eficazes ou necessários. E agora que destruímos nossa economia e muitos governadores, como Cuomo, continuam seus lockdowns destrutivos, não é de se admirar que a resposta preocupante e negativa a essa pergunta esteja começando a surgir.

Michael Osterholm, diretor do Centro de Pesquisa e Política de Doenças Infecciosas da Universidade de Minnesota, falou corajosamente a verdade ao poder dos estabelecimentos de saúde pública […]:
“O rastreamento e o teste de contatos são importantes, mas não vão parar [a propagação do vírus]”.
“Não podemos dar às pessoas uma falsa sensação de segurança de que faremos mais do que podemos, mas também precisamos descobrir como viver com esse vírus, e é isso que não estamos fazendo”.

Outros que ofereceram a mesma avaliação foram banidos pelo YouTube e plataformas similares. […]

Como não podemos impedir sua propagação, podemos viver com o coronavírus? Certamente podemos.

Primeiro, […]a taxa de mortalidade foi semelhante à da gripe sazonal.

Segundo, a população em geral não está em risco. […]

Terceiro, temos tratamentos medicamentosos de alto sucesso, eficazes, calibráveis ​​e baratos […].

Em resumo, podemos conviver com o coronavírus com mais segurança sem precisar nos abrigar. […]

[…] Se quisermos sobreviver como uma sociedade coesa e viável, os lockdowns devem terminar imediatamente.
[…]

George Parry é um ex-promotor federal e estadual. Ele bloga em knowledgeisgood.net e pode ser contatado pelo e-mail [email protected]

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

people high aerial jump
Psicanálise

A Coragem Também é Contagiosa

Por Tim Keesee. Leia o artigo completo em Desiringgod. Coragem é justamente estimada a primeira das qualidades humanas porque. . . é a qualidade que garante todas as

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *