iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Quando a burocracia e o dinheiro comandam, desastres como Chernobyl são inevitáveis

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Em muitos Caps – centros psiquiátricos do Governo – quase todos, há não-médicos mandando em médicos. Grande maioria dos “gestores” desses Caps estão trabalhando de modo aparentemente ilegal, como mostra o artigo 15 da Lei 3999 abaixo. Exercem cargos ou funções de serviços médicos sem serem médicos. Eu não teria nada a ver com isso – deixaria isso se lascar prá lá, não é problema meu – se eu não fosse uma vítima dessa ilegalidade que perpassa o Brasil todo. Esses “gestores” comumente soltam “laudos médicos” ( falando de doenças, de diagnósticos, de tratamentos ) a torto e a direito. Nas perícias médicas judiciais canso de receber isso. Mas isso não é pior. Eu anoto nos meus laudos judiciais, mas sei que geralmente não acontece nada, Governo protege Governo. Governo diz que “serviços psiquiatricos não são serviços médicos”, “caps não é psiquiatria”, e todos deixam assim Então tb sempre larguei pra lá. O que me atinge é que estou sendo processado porque um “laudo médico” desses, emitido por uma gestora de Caps, não-médica, está dizendo que uma conduta médica minha foi errada, e aí a família pegou o “laudo médico” dela e está me processando em 2 milhões de reais. As ilegalidades do Governo destroem a Sociedade Civil, e não há como barrá-las.

Por Marcelo Ferreira Caixeta. Leia o texto completo aqui.

Vou detalhar aqui um processo milionário ( 2 milhões ) que eu, médico diretor, e o hospital filantrópico que eu dirijo, estamos sofrendo. Em resumo é o seguinte : tivemos de internar, por mandado judicial, um menor de 14 anos, gravíssimo, homicida, etc. Para sua agressividade, tivemos de dar propranolol em dose alta ( medicação para pressão alta, mas que pode ser usada em agressividade psiquiátrica ). Conseguimos melhorar o paciente em 45 dias de internação, aí ele saiu e foi para um Caps(centro psiq do Governo). Como a mãe dele tinha parado de dar a medicação para ele por uns cinco dias, o Caps mandou […]

Foto:
Anatoliy Rasskazov / AP

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *