iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Professores agem como predadores ideológicos e seguem a dinâmica psicológica dos cultos

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: dailywire.com.
Autoria do texto: Luke Rosiak.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. dailywire.com
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Texto condensado.

A Teoria Crítica da Raça – Critical Race Theory (CRT) sustenta que as instituições e a cultura americanas são sistematicamente racistas e categorizam as pessoas como vítimas ou opressores com base na cor da pele. Ela é ensinada diariamente, desde o jardim-de-infância até a universidade. 

 Pais acusaram conselhos escolares de exigirem que todos os alunos façam cursos extremistas de “estudos étnicos” como condição para se formar, colocaram um grupo ativista radical encarregado de outra programação e se recusaram a permitir que os pais vissem o currículo. Os pais afirmaram que o distrito segregava estudantes para sessões de “treinamento”, dizendo às crianças brancas que todos os brancos são racistas. Um aluno teria pensado em suicídio porque sentira uma profunda vergonha por não falar espanhol.

 Ao mesmo tempo que as autoridades escolares e os políticos de esquerda afirmam que a CRT não está nas escolas, eles se opõem veementemente aos crescentes esforços para proibi-la. […]

“Estudos étnicos” faz parte da CRT. […]

Mark Stegeman, professor universitário e então presidente do Conselho de Educação[…] contou que visitou uma sala, onde o professor dizia aos alunos que eles “ainda estavam na luta” e os fazia cantar: “Devemos estar dispostos a agir de maneira revolucionária.” O que ele testemunhou espelhava um livro que havia lido sobre a dinâmica psicológica dos cultos e provocou uma percepção arrepiante, ele se lembra de ter pensado.

“Isso é um culto”, Stegeman rabiscou em seu bloco de notas.

[Outros ativistas] encontraram apoio no conselho escolar feminino da cidade[…], cujos membros se referem uns aos outros como “membros do conselho irmão”. O grupo [SBUSD] […] rapidamente começou a exercer sua influência no Distrito Escolar […], trazendo uma série de currículos radicais e consultores de esquerda para inculcar as crianças com teorias marginais.

Figuras-chave nos Estudos Étnicos […] o professor de história […] Matef Harmachis e sua esposa Diane Fujino, durante anos, visitaram regularmente […] um preso condenado por conspirar para derrubar o governo.

Harmachis permaneceu um pilar nas reuniões do conselho escolar mesmo depois de ter sido condenado por agressão contra um aluno em 2017. Um advogado do aluno diz que foi feito de maneira sexual. Antes de ser demitido em 2020, Harmachis pregou suas crenças militantes para um público cativo de alunos em uma sala de aula adornada com fotos de assassinos comunistas como Fidel Castro e Che Guevara. Ele tomou seu sobrenome adotivo do nome de um deus adorado por um antigo culto egípcio.

[…] Harmachis, que nasceu na Califórnia, se declarou “um africano” e disse: “Vou lhe dizer o que liderança significa para o povo africano… (…) Recebemos ordens e as seguimos ao pé da letra em nome de nosso povo”.[…] . Ele mora em uma casa avaliada em cerca de US $ 1,6 milhão, a quarteirões da praia.

Os grupos ativistas promovem suas agendas com o dinheiro dos contribuintes. Contrataram, por US$ 129.000, Artnelson Concordia como Coordenador de Estudos Étnicos. Concordia diz que ele cria crianças para serem “perturbadores da hegemonia supremacista branca, patriarcal, heteronormativa e imperialista”. As crianças de Santa Bárbara cantavam orações maias, apesar do fato de que os maias eram conhecidos por sua matança ritualística de crianças como sacrifícios aos deuses. Concordia mais tarde ajudou a escrever um currículo estadual de estudos étnicos aprovado pelo Conselho Estadual de Educação que pedia aos alunos que se envolvessem em um “cântico de estudos étnicos” para “unir a classe”.

  Durante anos, a SBUSD transferiu partes de seu currículo para organizações sem fins lucrativos ativistas. ​[…]

Uma ​delas, AHA, à qu​al o Fundo pagou para fornecer “workshops de certificação de aprendizado socioemocional (SEL)”, ​[…] reuniu ​alunos com adultos, incluindo um que cumpriu pena na prisão, para compartilhar detalhes íntimos de suas vidas. O programa foi criado por Jennifer Freed, uma “astróloga e psicoterapeuta certificada” que diz às pessoas que ela pode entendê-las com base no “DNA cósmico”.​ Numa entrevista, ela disse:​

Tive ótimas experiências sexuais com caras no ensino fundamental e médio. Fazemos um grupo pós-escola para mulheres jovens chamado Sabedoria Sexual, e outro para rapazes…

Isso é o que fazemos com os adolescentes, uma vez que ouvimos deles todos os seus equívocos básicos sobre sexo, como os caras só querem garotas que tenham púbis completamente raspado e depois nos acham nojentos, a menos que estejamos nus. . Então vamos ok, como isso está funcionando para você?”

O SEL é comercializado para os pais como algo que “pode ajudar a abordar várias formas de desigualdade e capacitar jovens e adultos a co-criar escolas prósperas e contribuir para comunidades seguras, saudáveis ​​e justas”. No material que os pais v​êem, a AHA anuncia um “Grupo de Sabedoria de Relacionamento com Garotas”.

​[…]

Em ​um acampamento​, ordenaram a​os alunos ​que se separa​ssem ​”​por raça, etnia e orientação sexual …​”​

Se os alunos fossem muito gentis, os adultos ​usavam estereótipos, de acordo com o relatório. ​Por exemplo, depois que os alunos gritaram “bom em matemática” para os asiáticos, a equipe gritou “pênis pequenos”. Os adultos chamavam os negros de “macacos da varanda” e ordenavam que os hispânicos se limpassem, informou o Chronicle.

Richard Valenzuela, professor e diretor do “Campo de Diversidade” ​[…]​ reconheceu os maus-tratos aos alunos​:​

Eu bati nas pessoas ‘cegas’ na parte de trás da cabeça para que elas possam sentir como é ser assediado, como é ser violado​.

 [A judeus, provocou sobre o Holocausto:]​

 Vocês judeus esperando o trem ou o quê? 

Outros professores treinaram estudantes negros para desconfiar da polícia, vestindo-se como oficiais e plantando uma parafernália de drogas simulada neles. À noite, enquanto os alunos tentavam dormir, os conselheiros os assombravam tocando sons de motosserras.

​[…] Professores e pais disseram que mesmo as sessões que acontecem em prédios escolares têm semelhanças com os pesadelos dos acampamentos​[…] de Valenzuela.

Theresa Petino, uma imigrante e mãe​, ​pergunt​ou o que foi ensinado na aula, ​mas nunca ​obteve resposta. Mas descobriu ​que incutiam nos alunos a ideia de que latinos e negros dificilmente teriam sucesso nos Estados Unidos. Ela disse:

Essas crianças estão em uma idade muito vulnerável e algumas delas podem ficar muito desanimadas e afetadas psicologicamente. Fazendo com que eles nem tentem ter sucesso.

​Os conselheiros do acampamento cultivam relacionamentos com os alunos​, convidando para passeios, alunos menores, sem o conhecimento dos pais.​ ​

​Um aluno, que se descreveu como uma “pessoa queer marrom de baixa renda” disse que inicialmente não queria ir para um “Instituto de Comunidades Justas”, mas “dentro de uma hora eu diria que acabei de formar meu família. Eu entendo que, embora tenhamos uma família de sangue, também temos uma família que criamos por nós mesmos. E acredito que encontrei o meu.”

Sheridan Rosenberg é uma mãe que co-fundou a Fair Education SB, um grupo para fornecer aos pais informações para combater a doutrinação racialmente divisiva, antiamericana e exagerada sexualmente. Ela disse que teve uma sensação familiar com relação às técnicas de ativismo que estão sendo usadas. Essas técnicas incluem confidenciar informações profundamente pessoais, fazer com que as crianças se deitem e finjam estar mortas como forma de protesto, a urgência evidente em “Ethnic Studies Now!” e sua demanda para tornar seu currículo obrigatório

Tendo crescido na década de 1970 na comunidade rural de Ukiah, na Califórnia, Rosenberg lembrou-se de um professor local que administrava uma casa para adolescentes problemáticos enquanto construía uma base de seguidores para o que chamou de “socialismo apostólico”. Seu nome era Jim Jones, e mais tarde ele convenceria mais de 900 de seus seguidores a morrerem em um suicídio em massa na Guiana bebendo ponche de frutas com cianeto.​ Ela disse:​

Esses são predadores ideológicos​. ​As pessoas devem estar tão vigilantes protegendo seus filhos de predadores ideológicos quanto são predadores sexuais.

Apesar da reação​ dos pais, o distrito escolar ​[…] ​se recusou a cortar os laços com o Ethnic Studies Now! e Comunidades Justas ​[…]​. Foi igualmente inflexível que os pais não pudessem ver os materiais do Just Communities. Rosenberg processou o distrito escolar e a organização sem fins lucrativo​, mas seus advogados​ mant​iveram os documentos selado​s​. E​ram ligados à Hillary Clinton​ e ganh​aram o caso​​.

Luke Rosiak é o autor do livro Race To the Bottom: Uncovering the Secret Forces Destroying American Public Education .

O Daily Wire está montando sua equipe de reportagem investigativa para trazer a você as histórias que a mídia tradicional se recusa a cobrir. Apoie o jornalismo que importa e junte-se a uma das empresas de mídia conservadora de mais rápido crescimento nos Estados Unidos, tornando-se um membro do Daily Wire hoje . 

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Parasita Causa Ansiedade

Milhões de pessoas têm parasitas, que podem influenciar pensamentos, comportamentos, promiscuidade, enfraquecer o sistema imunológico, causar fadiga, problemas intestinais e até distúrbios mentais, mas os

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *