Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Sharif Khan. Leia o artigo completo no Daily Wire.

Parece que os mesmos impulsos sombrios que estão levando um número alarmante de homens a se matar podem muito bem ser os mesmos impulsos que estão levando muitos deles a atacar os outros com ódio e violência.

Apenas uma investigação superficial de alguns dos muitos homens que cometeram ou incentivaram atos de violência flagrantes sugere uma busca perigosa por aceitação, alguma busca desesperada por significado entre o crescente  vazio existencial que esvazia nosso grande país nos últimos quarenta anos.

Veja um desses extremistas assassinos recentemente perfilados no Washington Post  em 2017. O jovem sem direção de 18 anos, que se imaginava um neonazista, junto com seus dois colegas de quarto, acabou simpatizando com o extremismo do ISIS. Ele assassinou seus dois companheiros de quarto por abrigarem as mesmas crenças que já tivera:

“Segundo os registros, [o extremista] disse aos oficiais que ‘todos eles eram amigos, com uma crença neo-nazista em comum’ até [ele] se converter ao islamismo … Não está claro se e quando ele realmente se converteu ao islamismo, era um observador do islamismo ou alguma vez tenha frequentado uma mesquita. ‘Allah Mohammad’, que [ele] exclamou à polícia quando estava sendo levado para o carro de patrulha, não é uma expressão muçulmana. ”

Argumentar que o jovem estava simplesmente enlouquecido é, evidentemente, injusto e desconsidera as complexidades em questão. Desespero e total falta de orientação são os responsáveis mais prováveis. Ele jogou um jogo de amarelinha irremediavelmente superficial, com crenças e ideologias que levam a um ato trágico e sem sentido de violência. Ele estava, para simplificar, perdido.

Há muitos homens como ele por aí. O fundador do site neo-nazista, The Daily Stormer, teve uma busca infeliz e aleatória semelhante por alguma aparência de significado. Ele passou seus anos de formação como um vegano anti-racista. Com pouca ou nenhuma orientação além de impulso e capricho, isso o levou a um tipo selvagem de ódio também.

Certamente, a narrativa de que, de alguma forma, a violência caótica e desesperada, que afunda nossos feeds de notícias, é o resultado de uma masculinidade inata e tóxica, é tão enganosa quanto falsa. Em vez disso, um niilismo sombrio e virulento surgiu em meio à guerra contra a civilidade, a virtude e a fé como valores fundamentalmente objetivos. Nossa bússola moral coletiva como sociedade está quebrada e isso fica evidenciado, frequentemente, por esses atos terríveis e violentos sem sentido.

Trocamos fortaleza e sacrifício – características da fé religiosa, particularmente entre os homens – pelo solipsismo da pós-modernidade e seus consequentes e sedutores sussurros de violência e suicídio. Isso se reflete nas filosofias absurdas e sem Deus, como a de Albert Camus, que são, mais do que nunca, prevalentes hoje:

“Existe apenas um problema filosófico realmente sério e esse é o suicídio. Decidir se a vida vale ou não à pena é responder à questão fundamental da filosofia.”

O desejo de se voltar contra si mesmo parece frequentemente estar intimamente relacionado ao desejo de se voltar contra os outros. Ambos nasceram de uma forma corrosiva de auto-ódio, compelida por uma enorme necessidade de perder a própria vida. Esse ódio estende-se, freqüentemente, ao mundo e aos outros. Jean-Paul Sartre, um compatriota de Camus na filosofia do existencialismo sombrio e sem Deus, brincou em sua peça,  No Exit :

“O inferno são os outros.”

A paisagem, agora, está repleta de homens descartados e apáticos, alimentados por raiva e aflição niilista. Muitos são estão tão confusos e sem rumo quanto desconsolados. A maioria passará a vida em um “desespero silencioso”. Alguns não. Antes de condená-los imediatamente, devemos primeiro considerar as raízes existenciais dessa epidemia enlouquecedora.

Comentário em destaque, no artigo original:

sm
Parece que a Panaceia da esquerda – legalizar a maconha – pode não vir a curar tudo que eles alegam que curará.

.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

Adoecimento Mental

Educar a mente para controlar as emoções e agir com assertividade é uma experiência transformadora ou, como a palavra de Deus nos ensina, libertadora. Coisas

Leia Mais »