iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Jeremy D. W. Clifton

Por Emily Estfahani Smith. Leia o artigo completo no Jewish World Review.

Os psicólogos estudaram como nossas crenças centrais moldam como nos sentimos e o que fazemos: Se você acredita que seu futuro será sombrio, você tem maior probabilidade de ficar deprimido; se você tem uma “mentalidade de crescimento” – acha que as pessoas podem mudar -você tem maior probabilidade de se esforçar no que faz e crescer.

Mas os psicólogos, agora, estão analisando as crenças que temos sobre o mundo em que vivemos – como se é um lugar bom ou sem sentido – e como essas crenças afetam nosso bem-estar.

Uma pesquisa* revela que a história que contamos a nós mesmos sobre o mundo pode nos moldar de maneiras profundas.

Os pesquisadores descobriram que nossas “crenças primordiaiss do mundo”, como as chamam, ou a abreviação “primordiais”, prevêem quão felizes ou deprimidos estamos, o quanto confiamos nos relacionamentos e as decisões que tomamos, incluindo em quem votamos na última eleição.

“Nós psicólogos nunca consideramos seriamente a possibilidade de que grande parte do que fazemos e sentimos na vida seja uma reação às crenças sobre o mundo que não sabíamos que tínhamos”, afirmou Clifton.

Seu trabalho é a primeira tentativa de catalogar todas as principais crenças primitivas do mundo, que as pessoas possam ter. Nos últimos cinco anos, ele e sua equipe analisaram mais de 80.000 tuítes, textos literários, religiosos e históricos de culturas ao redor do mundo, estudaram os filmes e discursos influentes dos últimos 100 anos e pesquisaram centenas de pessoas para determinar que tipo de mundo achamos que é esse.

Depois de examinar os dados, eles descobriram alguns padrões. Eles descobriram que existem 26 crenças primárias no mundo, entre elas, que o mundo é bom, seguro, está em mudança, vale a pena explorar e é intencional.

Essas crenças variam de pessoa para pessoa, são automáticas e profundas e estáveis ​​ao longo do tempo. Eles também se agrupam: se você acha que o mundo é injusto, é mais provável que também acredite que é instável e ameaçador, enquanto que se você vê o mundo como bonito, é provável que acredite que é um lugar significativo e até engraçado.

Essas crenças poderiam prever com precisão nossas alegrias e tristezas. As pessoas que acreditam que o mundo é seguro, atraente e vivo, por exemplo, têm mais probabilidade de mostrar gratidão aos outros, de serem mais confiantes, de ter uma mentalidade de crescimento e de serem mais felizes.

As pessoas que acham o mundo animado têm maior probabilidade de serem espirituais e encontrar significado em suas vidas. Quem está deprimido acha que o mundo não é seguro – o que faz sentido. Se o mundo é perigoso, isso significa que há ameaças à espreita por toda parte. O olhar distante de um colega é um sinal de que ele odeia você, não que ele estava admirando sua gravata.

Curiosamente, nossas experiências desempenham um papel menos direto do que se poderia imaginar ao moldar essas crenças: indivíduos que crescem ricos não têm mais probabilidade de ver o mundo como um lugar abundante, cheio de oportunidades e recursos, do que quem cresce pobre, e mulheres – que, em média, passam por mais traumas – acham o mundo tão seguro quanto os homens .

Pode ser que os indivíduos adotem seus primordiais desde o início.

De longe, o mais importante primordial é a crença geral de que o mundo é um bom lugar. Mais do que qualquer outra, essa crença estava associada a todos os tipos de resultados positivos, como ter mais amigos e relacionamentos mais profundos, ter mais significado na vida e maior bem-estar geral, estar menos deprimido e estressado e mais otimista.

Isso sugere que, se você parte do princípio deque o mundo é um lugar ruim, e essa história está atrasando você, pode ser mais útil mudar sua história antes de tentar se tornar mais feliz de maneiras mais imediatas, como mudar de emprego ou entrar em um novo relacionamento. Uma maneira de fazer isso pode ser concentrando-se nas coisas boas que acontecem todos os dias que, segundo outras pesquisas, podem tornar as pessoas mais felizes e otimistas.

Clifton mencionou a terapia cognitivo-comportamental, um tratamento eficaz contra a depressão e outros distúrbios, no qual os terapeutas ajudam as pessoas a mudarem suas crenças prejudiciais sobre si mesmas:
 “Por exemplo, um terapeuta pode ajudá-lo a mudar a crença de que você não vale nada; então, por que a crença de que o mundo não vale nada é tão diferente?”

Nossas crenças primordiais no mundo também prevêem nossa política.

“Os liberais tendem a pensar que os conservadores vêem o mundo como um lugar assustador e perigoso, e isso gera medo de grupos externos”, disse Clifton. Mas a pesquisa mostra que republicanos e democratas são iguais em sua crença de que o mundo é seguro

Em outras palavras, esta pesquisa não apenas nos ajuda a entender a nós mesmos mais profundamente, mas também a outros.

Se você está tendo um conflito com alguém, a tensão pode estar emergindo de duas histórias muito diferentes que cada um de vocês está contando sobre o mundo. Se você acha que vale a pena explorar o mundo, mas seu cônjuge não, isso pode explicar por que você está constantemente brigando para sair na sexta à noite.

Se você acha que o mundo é injusto, pode ficar ressentido rapidamente se seu colega de quarto não faz sua parte nas tarefas. Se ele acha que o mundo é aceitável, ele pode não se sentir compelido a e limpar o que suja. Cada um de nós vê o mundo de maneiras muito diferentes e isso pode causar colisão, confusão e falta de comunicação.

Para aliviar essas pressões, ele recomenda que as pessoas descubram seus primordiais e os primais dos entes queridos – o que eles podem fazer fazendo um inventário gratuito cientificamente validado**.

“O principal argumento por enquanto”, disse Clifton, é que os primais são “um caminho para a empatia”.

Como em qualquer questionário on-line, não confie nos resultados. Os cientistas reconhecem que é um pouco o caso do ovo e da galinha, pois não está claro se suas crenças primitivas influenciam sua personalidade ou se é o contrário. Se sua pontuação mostra que você acredita que o mundo é inerentemente ruim, os pesquisadores não estão dizendo que há algo errado nisso.

* publicada na revista acadêmica Psychological Assessment, tendo como pesquisador líder Jeremy D. W. Clifton, da Universidade da Pensilvânia,
** faça aqui seu inventário: Authentic Happiness

Fonte:

curiosity.com

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Coronavírus (COVID-19)

O Vírus Chinês Abala a Saúde Mental

Médico psiquiatra, professor titular do departamento de psiquiatria da Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, o professor Jair de Jesus Mari ministrou

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *