Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Arthur Brooks

 Os EUA está sendo dilacerado, mas nosso problema não é de incivilidade, intolerância ou mesmo raiva. Em vez disso, o problema é o desprezo: a convicção de que os que discordam de nós não são apenas errados, mas inúteis. Na segunda de três lições em vídeo sobre como cada um de nós pode lutar contra a amargura que está destruindo o discurso público, Arthur Brooks explica por que o desprezo é tão destrutivo e oferece três regras a seguir para superar o desprezo com cordialidade em nossas próprias vidas.. Inscreva-se no canal do YouTube da AEI 

[…]

As pessoas costumam dizer que nosso problema na América, hoje, é incivilidade ou intolerância. Isso está incorreto. A assimetria de atribuição motora leva a algo muito pior: o desprezo, que é uma mistura nociva de raiva e nojo. E não apenas desprezo pelas ideias de outras pessoas, mas também por outras pessoas. Nas palavras do filósofo Arthur Schopenhauer, o desprezo é “a convicção imaculada da inutilidade do outro”.

As fontes de assimetria de atribuição de motivos são fáceis de identificar: políticos que dividem, cabeças gritando na televisão, colunistas odiosos, ativistas de campi furiosos e aparentemente tudo nas máquinas de desprezo das mídias sociais. Esse “complexo industrial de indignação” funciona atendendo apenas a um lado ideológico, criando uma espécie de vício, alimentando nosso desejo de acreditar que estamos completamente certos e que o outro lado é composto de patifes e tolos. Ele aborda nossos próprios preconceitos ao afirmar nossas piores suposições sobre os que discordam de nós.

O desprezo torna a concessão política e o progresso impossíveis. Também nos deixa infelizes como pessoas. Segundo a Associação Americana de Psicologia, o sentimento de rejeição, tantas vezes sentido depois de ser tratado com desprezo, aumenta a ansiedade , a depressão e a tristeza. Também prejudica a pessoa desdenhosa, estimulando dois hormônios do estresse, cortisol e adrenalina. Tanto de forma pública quanto pessoal, o desprezo nos causa danos profundos.

Apesar de sermos viciados em desprezo, ao mesmo tempo o odiamos, assim como os viciados odeiam as drogas que estão destruindo suas vidas. Em um importante estudo sobre atitudes políticas, a organização não lucrativa More in Common descobriu, em 2018, que 93% dos americanos dizem estar cansados ​​de quão divididos nos tornamos como país. As grandes maiorias dizem, em particular, que acreditam na importância da concessão, rejeitam o absolutismo das alas extremas de ambas as partes e não se motivam pela lealdade partidária.

Então, o que cada um de nós pode fazer para melhorar as coisas? Você pode ser tentado a dizer que precisamos encontrar maneiras de discordar menos, mas isso está incorreto. O desacordo é bom porque a competição é boa. A competição está por trás da democracia, na política, e dos mercados, na economia, que – limitados pelo estado de direito e pela moralidade – trazem excelência. Assim como na política e na economia, precisamos de uma “competição de ideias” robusta – também conhecida como discordância. Desacordo nos ajuda a inovar, melhorar e encontrar a verdade.

O que precisamos não é discordar menos, mas discordar melhor. E isso começa quando você dás as costas aos vendedores de drogas retóricos – as pessoas poderosas do seu próprio lado que estão lucrando com a cultura do desprezo. Por mais satisfatório que seja ouvir que seus inimigos são irredimíveis, estúpidos e degenerados, lembre-se: quando você se encontra odiando algo, alguém está ganhando dinheiro ou ganhando eleições ou ficando mais famoso e poderoso. A menos que um líder esteja ensinando algo que você não sabe ou expandindo sua visão de mundo e perspectiva moral, você está sendo usado.

Em seguida, cada um de nós pode assumir um compromisso de nunca tratar os outros com desprezo, mesmo que acreditemos que eles mereçam. Isso pode soar como um apelo à magnanimidade, mas trata-se de um apelo ao interesse próprio. O desprezo impossibilita a persuasão – afinal de contas, ninguém jamais foi levado a um acordo sendo diado, de modo que sua expressão é ou uma mesquinha indulgência ou uma sinalização barata de virtude, nenhuma das quais converte ninguém.

E se você for culpado de dizer coisas desdenhosas sobre ou para os outros? Talvez você tenha magoado alguém com suas palavras duras, zombaria ou desdém. Eu já, e não tenho orgulho disso. Comece o caminho para a recuperação deste vício prejudicial e faça as pazes sempre que possível. Isso libertará você.

Finalmente, devemos ver o desprezo em torno de nós pelo que realmente é: uma oportunidade, não uma ameaça. Se você está na mídia social, em um campus universitário ou em qualquer outro lugar que não seja uma caverna, você será tratado com desprezo muito em breve. Esta é uma chance de mudar pelo menos um coração – o seu. Responda com compaixão e bom humor. Garanto que você será mais feliz. Se isso também afeta a pessoa desdenhosa (ou espectadores), será para o bem.

É fácil sentir-se desamparado no atual ambiente político, mas acredito que isso seja injustificado. Embora não gostemos do clima atual, juntos podemos mudar o clima para recompensar os líderes – e sermos os líderes – que elevam e unem, não denigrem e dividem. Veja: O tempo vai começar a melhorar, e isso fará a América maior. Estou dedicando o resto da minha vida profissional a esta tarefa.

Arthur Brooks é presidente do American Enterprise Institute e autor do livro “Love Your Enemies: How Decent People Can SaveAmerican from the Culture of Empont”, do qual este ensaio foi adaptado.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

Adoecimento Mental

Educar a mente para controlar as emoções e agir com assertividade é uma experiência transformadora ou, como a palavra de Deus nos ensina, libertadora. Coisas

Leia Mais »