Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Em resposta à declaração: “Está Decidido: Os Homens São Obsoletos!”, Camile Paglia enfileira argumentos provando que “O mundo é masculino, e sempre será”.

 

por Mark J. Perry no AEI – American Enterprise Institute.

– Pare de me oprimir! – demanda a moça. Ao que o homem responde: – Desculpe.

 

 

 

 

 

 

 

 

No Washington Post de domingo, dia 10 de junho, a professora universitária, Suzanna Walters, escreveu o que deve ser um dos artigos mais cheios de ódio, sexistas e preconceituosos da história do jornal, que condenou universalmente todos os homens do planeta (incluindo aparentemente todos os homens gays, homens negros, homens muçulmanos, homens trans, etc.). A diatribe intitula-se ” Por que não podemos odiar os homens ?” (“Why Can’t We Hate Men?”), A resposta da professora Walters é “podemos”, ou em suas palavras “Temos todo o direito de odiá-los”. Mas por “nós”  Walters aparentemente quer dizer “eu” – uma vez que o seu artigo foi condenado quase universalmente por todos, incluindo a maioria dos liberais e feministas, e apoiado por quase ninguém (veja os quase 3.000 comentários no Washington Post). opondo-se a seu sexismo, intolerância e irritação, e os comentários esmagadoramente negativos em seus próprios posts no Twitter aqui e aqui ).

Suzanne Danuta Walters, em palestra em 2014.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na verdade, embora tenha acontecido há quase cinco anos, a livre pensadora, radical, iconoclasta, pouco ortodoxa, feminista herética, Camile Paglia, deve ter antecipado o injustificado, mesquinho e odioso ataque de Walters a todos os homens, quando se preparava seu discurso de abertura “É um mundo masculino, e sempre será”  ((“It’s a Man’s World, and It Always Will Be” ) com o subtítulo“ A economia moderna é um épico masculino, no qual as mulheres encontraram um papel produtivo – mas as mulheres não foram suas autoras”) para o debate ,“ Está Decidido: Os Homens São Obsoletos ”, realizada em Toronto em 2013. Aqui está a resposta antecipatória da professora Paglia à fanática anti-homem professpra Walters [com alguns acréscimos]:

Camile Paglia

Se os homens são obsoletos, as mulheres logo serão extintas…

Um rancor rabugento e mal-humorado contra os homens tem sido uma das características mais desagradáveis e injustas do feminismo de segunda e terceira geração. As falhas, fracassos e fraquezas dos homens foram apreendidas e ampliadas em terríveis acusações. Professores  ideólogos [como a professora Walters] em nossas principais universidades doutrinam universitários impressionáveis com teorias irresponsáveis, não embasadas em fatos, alegando que o gênero é uma ficção arbitrária, opressiva, sem base na biologia.

Sempre foi a missão verdadeira do feminismo atacar e reconstruir as práticas sociais ossificadas que levaram a uma ampla discriminação contra as mulheres. Mas certamente foi e é possível para um movimento de reforma progressiva conseguir isso sem estereotipar, menosprezar ou demonizar os homens [como Suzanna Walters fez no Sunday Washington Post].

A história deve ser vista com clareza e equidade: tradições obstrutivas surgiram não a partir do ódio dos homens ou da escravização das mulheres, mas da divisão natural do trabalho que se desenvolveu durante milhares de anos durante o período agrário, e que beneficiou e protegeu as mulheres imensamente, permitindo que permanecessem na lareira para cuidar de bebês e de crianças indefesas. Ao longo do século passado, foram aparelhos que economizam trabalho (máquinas de lavar roupa, geladeira, máquina de costura, iluminação elétrica, alimentos congelados, pílula anticoncepcional, automóvel, forno de microondas, lava-louças, secadores de roupas, encanamento interno, condicionadores de ar, etc. inventado pelos homens e difundido pelo capitalismo, que libertaram as mulheres da labuta diária.

Resultado de imagem para View of Tugboat and Cargo Ship Delaware River Philadelphia
Terminal de cargas do rio Delaware.

Na verdade, os homens são absolutamente indispensáveis no momento, invisíveis como é para a maioria das feministas [como Suzanna Walters], que parecem cegas para a infraestrutura que possibilita a própria vida profissional. São homens, esmagadoramente [e não mulheres ou feministas] que fazem o trabalho sujo e perigoso de construir estradas, despejar concreto, colocar tijolos, tetos de alcatrão, pendurar fios elétricos, escavar gás natural e linhas de esgoto, cortar e derrubar árvores e terraplanar a terra para conjuntos habitacionais. São os homens [e não as mulheres ou feministas] que erguem e soldam as gigantescas vigas de aço que fazem as estruturas de nossos prédios de escritórios, e são os homens que fazem o trabalho de levantar e vedar as finas janelas de vidro temperado dos arranha-céus de 50 andares de altura.

Todos os dias, ao longo do rio Delaware, na Filadélfia, pode-se assistir à passagem de grandes petroleiros e navios de carga que chegam de todo o mundo. Esses imponentes colossos são carregados, dirigidos e descarregados pelos homens. A economia moderna, com sua vasta rede de produção e distribuição, é um épico masculino, no qual mulheres (como Suzanna Walters) encontraram um papel produtivo – mas as mulheres não foram suas autoras. Certamente, as mulheres modernas são fortes o suficiente agora para dar crédito ondea quem o crédito é devido!

Fonte:

www.google.com.br/search?q=camille+paglia+recent+photo&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjDj-Dom87bAhXJkJAKHRJ6AvMQ_AUICygC&biw=670&bih=913#imgrc=qbnWNgH24UWePM:

www.google.com.br/search?q=Suzanna+Danuta+Walters&oq=Suzanna+Danuta+Walters&aqs=chrome..69i57.457608j0j4&sourceid=chrome&ie=UTF-8

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Divulgação

Bible Journaling na SBB

Bible Journaling é uma técnica para estimular a leitura e o estudo da Bíblia Sagrada.  Consiste em destacar versículos na Bíblia, anotando ideias, sentimentos e ensinamentos.

Leia Mais »