Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Jamie Glazov faz uma análise psicológica do comportamento esquerdista.

A morte de Fidel Castro cravou uma estaca no coração da esquerda, fazendo com que os progressistas em todo o mundo chorem e lamentem a perda de sua deidade secular. Enquanto a Coréia do Norte e Raúl Castro impuseram dias de luto obrigatório, os esquerdistas no mundo livre estão batendo no peito e chorando com uma paixão voluntária e comprometida.

Os exemplos são intermináveis: o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, comentou sobre como ele soube da morte de Castro com “profunda tristeza” e passou a homenagear um “lendário revolucionário”. A deputada Barbara Lee (D-CA) elogiou Castro e suplicou todos a “parar e fazer uma pausa e chorar”.

Outros suspeitos usuais não decepcionaram. Jeremy Corbyn, líder da oposição trabalhista do Reino Unido, Jill Stein, candidato presidencial do Partido Verde dos EUA, o Rev. Jesse Jackson e o ex-presidente Jimmy Carter deram um passo à frente expressando sua profunda tristeza, exaltando o “heroísmo” de Castro por “justiça social” de valor revolucionário. A lista continua e continua.

O que, exatamente, está acontecendo aqui?

Para entender por que os esquerdistas, especialmente da variedade ocidental, estão chorando com a morte de Castro, é crucial primeiro compreender o fundamento subjacente do sistema de crenças dos progressistas. O esquerdista é um crente em uma fé política, uma fé que prevê uma utopia sem classes de perfeita igualdade e “justiça social”. Essa fé está interligada com a revolta da esquerda contra sua própria sociedade democrática capitalista, que ela vê como opressiva e injusta – e que ela procura destruir. E é sobre as cinzas dessa destruição pretendida que o esquerdista espera construir, com seus outros redentores sociais autodesignados, o paraíso socialista secular.

A partir deste fundamento ideológico crescem muitas patologias, incluindo a filosofia óbvia de o inimigo do meu inimigo é meu amigo. De fato, pela lógica, qualquer um que queira destruir a sociedade de acolhimento da esquerda é visto como um aliado útil – e assim se torna completamente óbvio porque, como documentou David Horowitz, a esquerda formou uma Aliança Profana com o comunismo durante a Guerra Fria e por que continua essa tradição com o Supremacismo Islâmico em nossa guerra de terror hoje.

A Aliança Profana é, naturalmente, também muito mais profunda do que apenas os laços que crescem por ter um inimigo comum. A fé política do crente esquerdista vem com uma veneração do inimigo ideológico não só porque ele ajuda a agenda destrutiva, mas porque ele é o receptor simbólico do desejo político mais poderoso da esquerda: submeter todo o seu ser a uma entidade totalista. É crucial avaliar aqui que, ao acreditar na utopia socialista, o esquerdista odeia o homem por quem e o que é. Ele detesta a realidade do indivíduo e tudo o que vem com a natureza humana. É precisamente por isso que ele sustentava, e ainda sustenta desesperadamente, a noção do Novo Homem Soviético, acreditando que o ser humano é flexível como a argila e pode ser remodelado e redefinido.

O esquerdista, portanto, em última análise, odeia a si mesmo e deseja sua própria auto-extinção. E assim ele embarca em uma odisseia totalitária para separar-se de seu próprio eu indesejável e para abandonar e borrar sua individualidade em um coletivo totalitário e um todo maior. Meu trabalho, United In Hate, documentosa como este é precisamente o conto dos companheiros de viagem – os peregrinos políticos que viajaram (e continuam a viajar) para infernos comunistas totalitários e islâmicos em busca de seus paraísos utópicos.

Este fenômeno também está ligado às próprias desvantagens psicológicas e sociais do esquerdista e seu resultante anseio de pertencer e se encaixar. Aqui vemos o processo de identificação negativa, que o historiador David Potter cristalizou sucintamente, através segundo o qual uma pessoa que não tenha conseguido se identificar positivamente com seu próprio ambiente subjuga sua individualidade a uma entidade poderosa, autoritária, por meio da qual ele vicariamente experimenta um sentimento de poder e propósito. Em outras palavras, o esquerdista é desesperadamente motivado pela vontade de poder; ele está procurando o poder que o ajudará a neutralizar a impotência que ele sente em sua própria vida.

Para os esquerdistas, portanto, Castro representa a exibição totalitária de poder através do qual eles podem não apenas recuperar um sentimento de poder pessoal, mas também podem expressar de maneira vicária seus próprios impulsos totalitários.

E assim, quando Justin Trudeau e Barbara Lee estão envolvidos por profunda tristeza por ocasião da morte de um sádico assassino em massa, vemos que isso é apenas uma norma completa no mundo misterioso e surreal do crente progressista. Como membros da fé política, esses esquerdistas estão simplesmente enfrentando a agonia de perder a máquina de matar que os impregna de uma identidade e um sentimento de pertencimento. Eles estão sofrendo abandono pela divindade secular que lhes proporciona a auto-gratificação e o imenso senso de superioridade moral que eles obtêm aoe se verem como redentores sociais que estão construindo um mundo perfeito. E, o mais doloroso de tudo, a morte de Fidel representa para eles a incineração, bem diante de seus olhos, do símbolo através do qual eles visualizam o seu próprio poder imaginário – e através do qual eles podem humilhar e atormentar os seres humanos que os lembram de seus próprios eus indesejados.

 

Jamie Glazov é o editor da Frontpage Magazine. Ele é Ph.D. em História com especialização em russo, EUA e na política externa canadense. Ele é o autor do livro aclamado pela crítica e best-seller, United in Hate: o Romance da Esquerda com a Tirania e o Terror e o anfitrião do show de web-TV, The Glazov Gang. Ele pode ser contatado em [email protected] Visite seu site  JamieGlazov.com.

Artigo originalmente publicado no Breitbart, e traduzido pela equipe do Instituto IESS.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

Adoecimento Mental

Educar a mente para controlar as emoções e agir com assertividade é uma experiência transformadora ou, como a palavra de Deus nos ensina, libertadora. Coisas

Leia Mais »