iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Dennis Prager. Leia o artigo original no Jewish World Review.

Se você quer entender um ser humano ou a condição humana, qual é a pergunta mais importante que você deve fazer?

A maioria das pessoas religiosas provavelmente perguntaria: “Você acredita em Deus?”

A pergunta mais importante que a maioria das pessoas seculares, especialmente progressistas, poderia imaginar é provavelmente uma pergunta sobre política. Hoje seria “Você apoia Donald Trump?” Caso contrário, pode ser “Você apoia os direitos ao aborto?” ou “Você apoia o casamento gay?”

Por mais importantes que sejam todas essas perguntas, na tentativa de entender os seres humanos, especialmente os grandes grupos de seres humanos – ou seja, a sociedade deles -, a pergunta mais importante a ser feita é “Na vida, o que lhe dá mais sentido?”

A resposta não explica tudo, é claro, mas explica a condição humana melhor do que qualquer outra pergunta.

A razão é a seguinte: depois da comida, a maior necessidade e desejo humano é por sentido. Ainda mais do que a capacidade de raciocinar ou até de falar, essa é a grande divisão entre humano e animal. Compartilhamos todas as outras necessidades com as espécies animais superiores e compartilhamos muitas necessidades com algumas das espécies animais inferiores. Como eles, precisamos de comida, abrigo e companhia. Mas, embora os seres humanos busquem e precisem de sentido mais do que qualquer coisa, exceto comida (e companhia – mas para os seres humanos, a companhia geralmente fornece algum sentido, e às vezes o suficiente), nenhum animal precisa de sentido ou o busca. Como um aparte, esta é uma das razões pelas quais acredito em Deus, o Criador. Não há explicação evolutiva para a necessidade de significado. O significado não é uma necessidade biológica.

Dada a sua importância única, é por isso que o que nos dá significado deve ser considerada a questão mais importante.

O problema, no entanto, é que, assim como a necessidade de comida não tem qualidade moral inerente, a necessidade de significado não tem qualidade moral inerente. O significado pode ser encontrado no mal, assim como no bem. O nazismo deu a milhões de alemães tanto sentido quanto ajudar os moribundos em Calcutá a Madre Teresa. Massacrar infiéis dá aos terroristas islâmicos radicais tanto sentido quanto alimentar os pobres dá aos que trabalham para o Exército de Salvação. Matar os judeus “matadores de Cristo” deu a alguns cristãos medievais tanto sentido quanto salvar judeus deu a alguns cristãos europeus durante o Holocausto.

Para a maioria dos americanos até a última geração, a necessidade de sentido era preenchida pela família, religião, comunidade e patriotismo (isto é, amor à América e crença na América como Abraham Lincoln colocou: como “a última melhor esperança da terra”.

Todas, ou quase todas, essas fontes de significado estão sendo perdidas. De fato, a atual geração de americanos tem poucos ou nenhum desses provedores de significado.

No que diz respeito à família, os americanos se casam mais tarde do que nunca. Como nunca, menos americanos estão se casando. E como nunca menos estão tendo filhos.

No que diz respeito à religião, mais de um terço da Geração Y, de longe a maior porcentagem de qualquer geração na história americana,- não se identifica com nenhuma religião.

Quanto à comunidade, um grande número de americanos, de todas as idades, perdeu laços com qualquer comunidade. Esta é uma das principais razões da epidemia de solidão que aflige tantos americanos (e tantos outros) atualmente. Por exemplo, o New York Times informou, em 2018, que na Grã-Bretanha, “mais de nove milhões de pessoas no país frequentemente ou sempre se sentem solitárias”. Então primeira-ministra Theresa May nomeou um ministro da solidão.

Em relação à América, em que acreditar? Por mais de uma geração, os jovens americanos aprenderam a desprezar este país: seu passado é essencialmente racista, genocida e imperialista. Tanta coisa para patriotismo.

Então, o que vai dar sentido aos americanos que perderam tudo ou a maioria dos itens acima? Algo tem que dar, porque a necessidade de sentido é tão incorporada e universal quanto a necessidade de comida.

A resposta é evidente: seja o que for, deve fornecer sentido sem depender da família, comunidade, religião ou patriotismo.

E o que é isso? Esquerdismo.

Todo o esquerdismo (não o liberalismo, que afirma todos os provedores de significado tradicionais) consiste em provedores de sentido que substituem a comunidade, a religião, a América e até a família (as mulheres solteiras são uma das principais, até dominantes, demografias da esquerda).

Para os esquerdistas, o feminismo, o ambientalismo, o socialismo e os direitos dos trans fornecem significado. O significado vital do esquerdismo é mais evidente no constante uso esquerdista do termo “ameaça existencial”. O presidente Donald Trump “está representando uma ameaça existencial para a América”, escreveu o esquerdista Frank Rich na última edição da New York Magazine.” Bloomberg, no evento da campanha, chama Trump de uma ‘ameaça existencial'”, destacou a ABC News há dois meses. Uma manchete de Mother Jones, há duas semanas, dizia: “Trump é uma ameaça ‘existencial’: Ilana Glazer, Eric Holder e 2020”. Uma manchete do ThinkProgress em julho passado dizia: “A ameaça existencial que Trump coloca à ordem política mundial é uma questão da campanha de 2020”. O Sioux City Journal foi manchete na semana passada: “Biden: Trump Representa “uma Ameaça Existencial ao futuro do nosso país”.

Lutar contra o presidente Trump significa lutar pela própria existência da ordem mundial e pela democracia na América. O que poderia dar àqueles desprovidos de sentido mais sentido do que isso?

Bem, há uma outra coisa: lutar pela própria existência do mundo em si. Esse é o impulso animador da obsessão da esquerda pelo aquecimento global. “O mundo terminará em 12 anos se não abordarmos as mudanças climáticas”, diz a deputada Alexandria Ocasio-Cortez. A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, disse recentemente na CNN que a “crise climática” é uma “ameaça existencial ao planeta”. Existem tantas afirmações de combustíveis fósseis representarem uma ameaça existencial para a sobrevivência da Terra quanto existem esquerdistas (e muitos liberais que temem a esquerda).

A prova de que essa suposta salvação, da democracia e do mundo, da extinção nada mais é do que os doadores de significado de esquerda é a seguinte: As únicas comunidades que não acreditam nisso continuam a possuir todos os doadores de sentido tradicionais. Não precisamos dos substitutos da esquerda.


Escrito por Dennis Prager.
Confira mais artigos escritos por Dennis Prager, no original clicando aqui.
Texto retirado e traduzido de JewishWorldReview.com

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Coronavírus (COVID-19)

O Vírus Chinês Abala a Saúde Mental

Médico psiquiatra, professor titular do departamento de psiquiatria da Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, o professor Jair de Jesus Mari ministrou

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *