Com Jeffrey Epstein, tudo era uma questão de selfies e fotos de festa.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Jeffrey Epstein em sua mansão, em 2015. Foto: Christopher Anderson para a New York Magazine

Sua escolha de valores determina sua vida. O título original deste artigo faz essa relação (mesmo tendo sido escrito antes das consequências para Epstein): Não procure Deus nas selfies de Epstein: tudo se resume a quem tinha prestígio nos círculos da elite de Nova York.

Por Terry Mattingly. Leia o original em Get Religion.

Com Jeffrey Epstein, tudo era uma questão de selfies e fotos de festa.

Sim, seu infame “pequeno livro negro” de contatos ( link de Gawker aqui ) continha os nomes de legiões de aparentemente inocentes personalidades de elite (muitos jornalistas aqui) que talvez nunca tenham se encontrado com Epstein – mas ele queria suas informações de contato. porque eles eram influentes. Algumas das vítimas do homem também entraram no livro.

Mas também há pessoas que apareceram todas essas fotos que documentam os bons momentos compartilhados pelas pessoas poderosas que foram cortejadas por Epstein ou que o cortejavam. Estamos falando das pessoas que chegaram à sua ilha particular ou que voaram – por várias razões – no jato particular Epstein. Alguns eram, literalmente, da realeza.

Será difícil, mas tente chegar ao final do atual recurso da revista New York Magazine , que acompanha esta manchete de dois andares:

Para Quem Jeffrey Epstein estava ligando?

Um estudo detalhado de seu círculo – social, profissional, transacional – revela um retrato condenatório da elite nova-iorquina

O que vemos nesta longa lista de nomes poderosos e famosos?

É difícil ser mais específico do que as palavras finais desse título. O “pequeno livro negro” desse predador era um guia para a “elite nova-iorquina” – as pessoas com poder e acesso ao poder. Que papel a religião desempenhou nesse drama? Isso depende de como se define o termo “religião”. ( Clique aqui para o meu primeiro post sobre este tópico. )

Aqui está a tese do artigo do New York :

Durante décadas, pessoas importantes, influentes e “sérias” compareceram aos jantares de Epstein, andaram mo seu jatinho particular e promoveram a ficção de que ele era algum tipo de bilionário genial de fundos de hedge. Como explicamos por que eles olhavam para o outro lado , ou lisonjeavam Epstein, mesmo que devessem ter notado que ele estava, frequentemente, na companhia de um jovem harém? Fácil: Eles conseguiam algo em troca dele, quer fosse um passeio grátis no Lolita Express, alguma outra forma de generosidade monetária, entrada nos extravagantes saraus de celebridades que ele hospedava em sua casa, ou, possivel e angustiosamente, um quilo ou dois de carne feminina. …

Junto com os registros do avião particular de Epstein, lançado em 2015, o livro pinta um retrato de um homem profundamente enredado nos mais altos círculos sociais. Coletivamente, esses documentos constituem apenas uma olhada no modo como a sociedade se abriu para Epstein em Nova York, Hollywood e Palm Beach.

Então, quem são os líderes religiosos nestas páginas?

Bem, o governador Andrew Cuomo está o mais perto o possível dos líderes católicos. Se você está procurando um líder na cultura judaica, provavelmente ele seria Woody Allen (sim, essa foto é um pouco assustador).

Batistas Poderosos? Epstein tinha mais de 20 telefones, números e endereços de e-mail do ex-presidente Bill Clinton. Procurando por alguém com influência evangélica? Bem, Donald Trump não tinha essas conexões quando se empolgou com Epstein.

Para muitos, Stephen Hawking era uma espécie de profeta pós-religioso. Ele chegou à ilha particular, incluindo uma excursão especial em um submarino que foi adaptado para atender às suas necessidades.

Isso leva a uma das passagens mais interessantes desta história. Além de dinheiro e poder político, do que mais as pessoas precisam para ser levadas a sério nos círculos mais altos da vida de Nova York em Epstein?

Dica: Não estamos falando de influência ligada às formas tradicionais de religião.

O que parece novo, ao folhear as resmas das fotos da sociedade ou talvez do predador sexual mais prolífico do mundo que tem circulado nas últimas semanas, não é o poderoso e o belo que cercou Epstein, mas os intelectuais – os Richard Dawkinses, os Daniel Dennetts, os Steven Pinkers. Todos homens, claro. Mas as selfies em grupo provavelmente não deveriam ter sido uma surpresa – documentos de uma época em que todo milionário não apenas se imagina um rei-filósofo, mas espera ser tratado como tal, e todo intelectual público quer ser visto como um tipo de celebridade.

Veja, por exemplo, John Brockman – um especialista no mundo dos livres-pensadores científicos que se reúne para reuniões evangelísticas, muitas vezes chamadas de palestras do TED. Harvard era outro santuário pós-religioso crucial, que seria respeitado na Big Apple.

Vamos assistir:

Mudanças culturais como essas exigem visionários, networkers, vendedores. Brockman é um deles. Um garoto da Warhol Factory que se tornou filósofo freelancer de ciência e tornou-se agente literário de Dawkins e Dennett e Pinker (e muitos outros); na década de 1980, formou um salão informal de cientistas e futuristas que veio a ser conhecido como Reality Club, uma crítica ao pós-estruturalismo então dominante na academia. Na década de 1990, ele foi renomeado como Edge Foundation, uma organização cujo evento central era um simpósio on-line anual dedicado a uma única questão ampla. Em 2000, foi “Qual é a história subnotificada mais importante de hoje?” Em 2006, “Qual é a sua ideia perigosa?”

Epstein era um colaborador regular, e seu avião – a julgar pelas fotografias, pelo menos – era uma maneira especialmente atraente para outros contribuintes chegarem a ele. Eles também poderiam pegar Epstein em Harvard, onde muitos deles ensinavam e onde ele se tornava um doador tão prolífico que um programa acadêmico inteiro parecia ser gerido como seus ateliês privados da Renascença. Epstein, por muito tempo, se descreveu como um “filantropo científico”, e em um comunicado de imprensa publicado pela Fundação Jeffrey Epstein VI anunciando seu “apoio substancial” de Edge, ele o chamou de “o mais inteligente think tank do mundo”.

Quer ouvir Epstein tentando falar a linguagem intelectual deste mundo pós-religioso?

Muitas contribuições para Edge eram, de forma plausível, produtos de mentes genuinamente especiais. Epstein não era. Em 2008, o ano em que ele foi preso por prostituição, o aviso foi “Sobre o que você mudou de ideia?” Epstein respondeu: “A questão pressupõe um bem definido ‘você’ e uma habilidade implícita que está sob ‘seu’ controle para mudar de ideia.’ O ‘você’ agora acredito estar distribuído entre outros (amigos da família, em estruturas hierárquicas), ou seja, homens-bomba, acreditam que seu sacrifício é pelas outras partes do ‘você’. A questão traz consigo uma intenção que acredito estar fora do controle da pessoa. Minha mente mudou como resultado de sua interação com o ambiente. Por quê? Porque é uma parte disso.

Essa é uma frase de cantada, aparentemente.

Fique ligado. Mais cabeças rolarão, tenho certeza.

ATUALIZAÇÃO: Epstein foi encontrado morto hoje, apenas horas após a suspensão do alerta para suicídio. Ele passou a ser vigiado a partir de 25 de julho, quando foi encontrado quase inconsciente no chão da sua cela.

Como perguntou Stephen Crowder: Então, de quem foi a ideia brilhante de tirar Epstein da vigilância contra suicídio? Parece um detalhe relevante.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Arte

Quero Ser Querido

ENDRE ADY (1877–1919) Não sou antepassado, herdeiro,parente, amigo ou companheironem nada de ninguém,nem nada de ninguém. Alteza, como todo humano,sou Cabo Norte, enigma, arcano,longínquo fogo-fátuo,longínquo

Leia Mais »