Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

 

 

As pessoas tendem a basear a análise de risco mais na história pessoal do que nos dados. Se um amigo é assaltado em um país estrangeiro, é mais provável que essa história  afete o quão seguro você se sente viajando para esse país do que as estatísticas abstratas do crime.
 
Damos a contadores de histórias com quem temos um relacionamento mais credibilidade do que a estranhos, e a histórias que estão perto de nós mais peso do que a histórias de terras estrangeiras. Em outras palavras, a proximidade de relacionamento afeta nossa avaliação de risco. E quem é o maior contador de todos de histórias hoje em dia? A Televisão. (O grande livro de Nassim Nicholas Taleb, O Cisne Negro: O impacto do altamente improvável, discute isso).
 
Considere a reação a este evento: o jogador de beisebol profissional Josh Hancock ficou bêbado e morreu em um acidente de carro. Como resultado, várias equipes de beisebol proibiram o álcool em seus clubes após os jogos. Além de ser uma reação ridícula a um evento incrivelmente raro (2.430 jogos de beisebol por temporada, 35 pessoas por sedes de clubes,  duas sedes de clubes por jogo. E quantas vezes isso aconteceu?), Não faz sentido como uma solução. Hancock não se embebedou no clube; ele ficou bêbado em um bar. Mas a Major League Baseball precisa mostrar que está  fazendo algo, mesmo que algo não faça sentido – mesmo que algo realmente aumente o risco, forçando os jogadores a beber em bares em vez de no clube, onde há mais controle sobre a prática.
 
Eu digo às pessoas que se está na imprensa, não se preocupe com isso. A própria definição de “notícia” é “algo que quase nunca acontece”. É quando algo não está nas notícias, quando é tão comum que não é mais novidade – acidentes de carro, violência doméstica – que você deve começar a se preocupar.
 
Mas não é assim que pensamos. O psicólogo Scott Plous disse isso bem em Psicologia do Julgamento e da Tomada de Decisão: “Em termos muito gerais:
(1) Quanto mais disponível um evento, mais freqüente ou provável ele parecerá,
 (2) Quanto mais vívida for uma informação,  mais facilmente recordado e convincente será, e
 (3) Quanto mais saliente for algo, mais provavelmente parecerá nexo causal.
 
Assim, quando confrontados com um evento muito disponível e altamente vívido como 9/11 ou os tiroteios em escolas, reagimos exa[geradamente. E quando confrontados com todos os eventos salientes relacionados, assumimos causalidade. [Fazemos leis] Pensamos que se dermos armas para os alunos, ou talvez dificultarmos a obtenção de Não  entramos no mar porque lemos sobre um ataque de tubarão em algum lugar.
 
É o nosso cérebro novamente. Precisamos “fazer alguma coisa”, mesmo que essa alguma coisa não faça sentido; Mesmo que seja ineficaz. E precisamos fazer algo diretamente relacionado com os detalhes do evento real. Assim, em vez de implementar medidas de segurança eficazes, mas mais gerais, para reduzir o risco de terrorismo, proibimos estiletes em aviões. E olhamos en retrospectiva a massacres em escolas e recriminamo-nos sobre as coisas que deveríamos ter feito.
 
Por fim, nossos cérebros precisam encontrar alguém ou algo a quem ou a que culpar. A cobertura da mídia em geral faz busca por bodes expiatórios.) Mas às vezes não há bode expiatório a se encontrar, Às vezes fizemos tudo certo, mas acabamos tendo azar. Simplesmente não podemos impedir que um maluco solitário dispare em pessoas aleatòrias; não há nenhuma medida de segurança que funcionasse.
 
Por mais circular que pareça, os eventos raros são raros principalmente porque eles não ocorrem muito frequentemente, e não por causa de quaisquer medidas preventivas de segurança. E implementar medidas de segurança para tornar esses eventos raros ainda mais raros é como a piada sobre o cara que fica pisando em torno de sua casa para manter os elefantes afastados.
 
– Elefantes? Mas não há elefantes neste bairro – diz um vizinho.
 
– Pra vocè ver como isso funciona!
 
Se você quer fazer algo que faz sentido na  segurança, descubra o que é comum entre um monte de eventos raros, e concentre suas contra medidas lá. Concentre-se no risco geral de terrorismo, e não na ameaça específica de bombardeios de avião usando explosivos líquidos. Concentre-se no risco geral de adultos jovens problemáticos, e não na ameaça específica de um pistoleiro solitário vagando em volta de um campus da faculdade. Ignore as ameaças de filmes e concentre-se nos riscos reais.

 

 

Bruce Schneier é um tecnólogo de segurança de renome internacional, chamado de “guru da segurança” pelo The Economist. Ele é o autor de 13 livros – incluindo Data e Goliath: as batalhas ocultas para coletar seus dados e controlar seu mundo -, bem como centenas de artigos, ensaios e artigos acadêmicos. Sua influente newsletter “Crypto-Gram” e seu blog “Schneier sobre Segurança” são lidos por mais de 250.000 pessoas. Ele testemunhou perante o Congresso, é um convidado freqüente na televisão e rádio, serviu em vários comitês do governo, e é regularmente citado na imprensa.

Você pode ler o artigo completo, em inglês, aqui.

Você pode ler outro artigo, do mesmo autor e sobre o mesmo assunto, aqui.: O Medo e a Heurística da Disponibilidade

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.