Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Thomas D. Williams. Leia o artigo completo no Breitbart.

“Protestos de grupos como a Extinction Rebellion, os recentes incêndios na Amazônia e os alertas apocalípticos da adolescente ativista Greta Thunberg provocaram um ‘tsunami’ de jovens que procuram ajuda”.

“Muitos pais estão entrando em terapia pedindo ajuda com os filhos, e isso aumentou muito neste verão”, disse a psicoterapeuta Caroline Hickman, da Climate Psychology Alliance (CPA).

“Os sintomas são os mesmos [que a ansiedade clínica], os sentimentos são os mesmos, mas a causa é diferente”, disse ela. “O medo é da destruição ambiental – que todos nós vamos morrer.”

Um aumento no trauma psicológico sobre o aquecimento global não deve surpreender, uma vez que os alarmistas climáticos vêm ampliando, intencionalmente,a retórica sobre um apocalipse ambiental iminente.

Os ativistas estudaram a resposta emocional das pessoas às expressões climáticas e selecionaram, propositadamente, a terminologia que provoca a reação mais forte.

Em julho de 2018, o Conselho da Cidade de Berkeley, na Califórnia, emitiu uma  resolução  declarando uma “emergência climática” em todo o mundo, chamando-a de “a maior crise da história” depois de evocar memórias da Segunda Guerra Mundial.

No mês seguinte, a  revista Salon anunciou:”É hora de entrarmos em pânico com o aquecimento global. De fato, um bom estado de pânico está muito atrasado.”

Em maio passado, o jornal Guardian divulgou atualizações em seu guia oficial interno de estilo, destinado a aprimorar sua retórica sobre as mudanças climáticas, a fim de alarmar os leitores e motivá-los a agir.

“Em vez de ‘mudança climática’, os termos preferidos são ‘emergência climática, crise ou colapso’ e ‘calefação global’ é favorecido em vez de ‘aquecimento global’, embora os termos originais não sejam proibidos”, afirmou o Guardian .

“A expressão ‘mudança climática’, por exemplo, parece bastante passiva e gentil quando do que os cientistas estão falando é uma catástrofe para a humanidade”, disse Katharine Viner, editora-chefe do Guardian.

“Cada vez mais, cientistas e organizações climáticas, desde a ONU até o Met Office, estão mudando sua terminologia e usando linguagem mais forte para descrever a situação em que estamos”, disse ela.

Até o Papa Francisco tem adotado uma retórica mais forte para descrever o que ele vê como uma emergência climática em todo o mundo.

Recentemente, o papa empregou a linguagem apocalíptica. Ele disse que os seres humanos causaram “uma emergência climática que ameaça gravemente a natureza e a própria vida”, e pediu “medidas drásticas” para combater o aquecimento global.

Como os ativistas tentam assustar as pessoas para que elas se tornem guerreiros ecológicos, não é surpresa que, como resultado, as crianças sofram psicologicamente, uma vez que não possuem as habilidades de pensamento críticas necessárias para separar os fatos do exagero. Quando ouvem que o mundo está acabando ou que a civilização humana tem apenas dez anos para existir, eles tendem a acreditar.

A Climate Psychology Alliance afirmou que drogas psiquiátricas foram administradas a algumas crianças que se queixam de eco-ansiedade. O grupo está agora pressionando pelo reconhecimento oficial da eco-ansiedade como um fenômeno psicológico.

Em 2017, a American Psychological Association divulgou um relatório reconhecendo o impacto da eco-ansiedade e solicitando mais pesquisas sobre as consequências das mudanças climáticas para a saúde mental.

Hickman disse que os pais devem aprender a usar linguagem mais gentil ao conversar com seus filhos sobre o aquecimento global:

“O que você não quer é que essa criança dizendo, como já ouvi de outras crianças: ‘qual é o sentido de ir para a universidade’ ou ‘qual é o sentido de fazer meus exames’, entre em colapso em um poço de depressão”.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.