Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Drag Queen ensina crianças pequenas a rebolar

Não é científico.

Por Brandon Showalter. Leia o artigo completo no Christian Post.

Jon Uhler, um conselheiro clínico que trabalhou com mais de 4.000 predadores em série está pedindo aos pais que sejam vigilantes, depois que uma biblioteca do Texas organizou uma Hora do Conto Drag Queen para crianças com um contador que possui antecedentes criminais. 

Os pais do Texas descobriram que David Lee Richardson, que se chama “Miss Kitty Litter” e participa de eventos da Hora do Conto Drag Queen do Sistema de Bibliotecas Públicas, tem antecedentes criminais por prostituição. 

Este não é o primeiro caso de uma biblioteca que convida contadores de histórias com antecedentes criminais para ler e interagir com crianças pequenas. Dois homens acusados ​​de  agredir sexualmente uma criança foram autorizados a ler para crianças, no ano passado.  

O grupo Mass Resistance, que tem estado na vanguarda da exposição de outros criminosos sexuais que se escondem atrás de nomes ilícitos em outras partes do estado, postou evidências da história de Richardson do Departamento de Segurança Pública do Texas em seu site na terça-feira. Um documento de pesquisa do histórico criminal mostra que, em 1996, Richardson foi preso e condenado por oferecer sexo por dinheiro, o que é proibido no código penal do estado.

Os ativistas também destacaram as postagens de Richardson nas mídias sociais do início deste ano, que incluíam mensagens e fotos extremamente obscenas, que incluíam palavrões, referências à prostituição e celebrações de violência sexual como o sadomasoquismo.

Jon Uhler, conselheiro clínico. | Cortesia de Jon Uhler

Uhler, que trabalha com predadores em série há mais de 11 anos, disse que acredita que os eventos da Hora do Conto Drag Queen constituem “o melhor programa de aliciamento já criado” e que predadores “estão esfregando a mão de contentes.”

Embora drag queens lendo histórias para crianças em bibliotecas públicas tenha sido considerada uma atividade inócua, grupos comunitários e mães que resistem têm razão em se opor a ela, acrescenta, porque predadores e agressores sexuais priorizam convencer as pessoas a duvidar de seus instintos e pensar que “bandeiras vermelhas de alerta “são um disparate.

“A questão é: por que esses homens vestidos com roupas íntimas femininas e de drag querem maior acesso às crianças?” ,Uhler perguntou.

Ele observou que, como os predadores conseguem calcular que o público sente algo desagradável a respeito deles, eles manipulam as percepções sobre o que realmente estão fazendo. Esse foi o caso dos esforços de relações públicas em torno da Hora do Conto Drag Queen.

“A frase favorita deles é: ‘Bom, eu sei o que parece, mas na verdade não é isso'”, disse ele.

“Então agora eles conseguiram. E o que estamos ouvindo desses caras é 100% mentira.”

Uhler chama o impulso de fomentar a confusão na mente das crianças e de derrubar suas fronteiras com mensagens de gênero (com a Hora do Conto Drag Queen nas bibliotecas e aulas de fluidez de gênero nas escolas) um “vírus ebola moral” que está se espalhando rapidamente na sociedade.

“Não podemos nos dar ao luxo de não fazer nada, porque temos indivíduos muito obscuros e desviantes, que são predadores, atrás dos nossos filhos, e estão se expandindo. Não fazer nada é entregar nossos filhos [a eles]”, disse ele.

Mas Uhler não acredita que fazer passeatas e piquetes contra a Hora do Conto Drag Queen sejam eficazes porque, quando são agendados, quase sempre é tarde demais. Em vez disso, os pais devem ir aos eventos e gravar o que acontece com seus telefones ou câmeras escondidas e depois expô-los.

“A única maneira de parar isso é se o público perceber que todas as vezes, em todas essas coisas, coisas realmente perversas estão acontecendo. Então você deixa as próprias ações deles falarem por si mesmas”, disse Uhler.

“Mas, ao mesmo tempo, você vai aos tomadores de decisão, geralmente os políticos, e segue o dinheiro. Quem quer que tenha o talão de cheques da biblioteca, é com quem você tem que conversar”, acrescentou, observando que nunca conheceu um funcionário público com experiência clínica no trabalho forense com criminosos sexuais.

Devido à falta de conhecimento, essas pessoas nos cargos não têm uma maneira significativa de avaliar riscos e determinar quem é ou não é um predador.

“Os predadores estão usando essa [Hora do Conto Drag Queen] como um teste para descobrir o grau de determinação dessa comunidade”, continuou ele. “E se for fácil, confie em mim, os predadores começarão a afluir para essa comunidade”.

Embora ele não pudesse comentar definitivamente sobre as especificidades dos fluxos de financiamento por trás da Hora da Conto Drag Queen, uma organização sem fins lucrativos que começou em San Francisco em 2015, ele não considera esses eventos como algo que muitas comunidades normalmente teriam.

“Você simplesmente não tem esse grau de coordenação”, disse ele. “Se você observar quantas bibliotecas em todo o país estão hospedando agora, isso leva tempo, esforço, energia, dinheiro e coordenação. Você não pode me dizer que isso é algo espontâneo nas comunidades locais que acontece por acaso. ao mesmo tempo, que este é um movimento orgânico”.

Quando se lhe pergunta sobre como os homens se tornam desviantes, ele respondeu que é “100%” alimentado pela pornografia.

Jon Uhler criou o primeiro programa do país de tratamento intensivo em confinamento solitário, e liderou um dos programas de agressores sexuais de alta intensidade da Pensilvânia para predadores, e escreveu centenas de avaliações psicológicas de criminosos de liberdade condicional.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.