Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Homem grita desafiadoramente em direção aos tiros.
por Ben Shapiro.
Leia o artigo completo aqui.
[…]
Os atos do mal sempre civilizados quebra-cabeças porque eles cortaram contra o grão do que todos nós acreditamos: a violência contra os inocentes quebra os laços da humanidade básica. Isso significa que, quando vemos um ato de maldade, tendemos a simplesmente rotular o “outro” e depois descartá-lo como fora da norma. Aqui, por exemplo, o Jim Geraghty da National Review, com quem costumo concordar:
 
Nós vamos ouvir muitas perguntas nos próximos dias sobre “por que ele fez isso?” Isso importa? Todos esses atiradores não são mais ou menos o mesmo? Em suas mentes, eles foram prejudicados pelo mundo; o mundo lhes devia algo e recusou-se a lhes dar.
Com certeza isso é verdade. Mas nem todo o mal é o mesmo, pelo menos em termos de como lutar contra isso. Sim, todas as pessoas doentias se sentem prejudicadas. Mas isso não é suficiente – muitas pessoas não-malignas também se sentem prejudicadas, e às vezes elas têm razão.
 
 
Um bom contexto para examinar o mal vem do psicólogo Roy Baumeister. Em seu livro Evil: Inside Human Violence and Cruelty, Baumeister decompõe quatro tipos de mal.
 
1. Instrumentalidade: a noção de que os atos do mal não são maus desde que você os esteja realizando com um bom fim em mente. Isso inclui o bombardeiro-suicida, que acredita que está mudando o mundo para melhor chacinando crianças em pizzarias ou o ditador que abate seus inimigos em busca do poder.
 
2. Egoismo ameaçado. Baumeister descobriu que a violência não era perpetrada por pessoas com baixa auto-estima, mas pessoas com auto-estima ameaçada. Descobriu que “a violência é perpetrada por um subconjunto de pessoas que pensam bem de si mesmas e, de fato, ocorre principalmente quando acreditam que suas imagens favoráveis de si eram ameaçadas ou atacadas.” Este é o perigo inerente, por exemplo na cultura de microagressões que sugere ameaça onde não existe nenhuma.
 
3. Idealismo. Este é realmente apenas um subconjunto da instrumentalidade. É a crença de que a sua violência torna o mundo um lugar melhor, ao aproximar-nos da utopia. As piores guerras da história mundial foram causadas pelo idealismo, como sugeriu Karl Popper.
 
4. Sadismo. Este é o último tipo de mal e o menos comum. Baumeister se perguntou por anos se ele sequer existia; só mais tarde ele disse que existia de algumas formas. Sua teoria é de que a culpa nos impede de desfrutar a violência, mas que quando nossa culpa é atenuada, a violência e o mal podem se tornar diversão.
 
Isso negligencia um quinto tipo de maldade, porque na verdade não o consideramos mal: a doença mental. Esse tem sido um fator sério nos tiroteios em massa em todo os Estados Unidos.
 
Por que se preocupar com essa taxonomia do mal? Porque lutamos contra cada tipo de maldade de uma maneira diferente. É mais fácil combater a conexão entre doenças mentais e violência, movendo-se rapidamente para separar os doentes mentais das armas, por exemplo. E os sádicos, muitas vezes, apresentam-se cedo também. Mas os outros três tipos de maldades de Baumeister são difíceis de identificar, porque todos nós podemos cair neles. Isso significa que a única boa política seria a prevenção na forma de educação moral – ou, talvez, na luta contra a importação de ideologias alienígenas malignas no caso do mal idealista (como, por exemplo, o Islã radical). E esse é um tópico profundo e desconfortável para a maioria das pessoas, que preferem ver o mal como algo estrangeiro e, portanto, facilmente abordados pelas políticas públicas.
star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

Dicas de Confinados

Por AFP. Leia o artigo completo no Breitbart.  Profissionais que estão acostumados ao confinamento têm algumas dicas práticas de como aumentar seu bem-estar e evitar

Leia Mais »