iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Morte por overdose e suicídio são causados pela quarentena.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Atenção:

Esse artigo desempenha papel meramente informativo. Consulte sua autoridade médica local para receber aconselhamento apropriado.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: .
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Por John Hayward. Leia o artigo completo no Breitbart.

As taxas de consumo de drogas e suicídio são dois perigos mortais que valem a pena se observar muito antes de termos que nos preocupar com mortes por distúrbios sociais ou desnutrição.

A relação entre o desemprego e o uso de droga foi estudada com nova urgência depois de uma colisão na taxa de mortalidade foi detectado na virada do século. Nos últimos anos, as mortes por abuso de opióides se tornaram uma de nossas crises mais urgentes.

Em 2009, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) publicou uma pesquisa que constatou que a taxa de uso de drogas ilícitas era duas vezes mais alta para os desempregados do que para aqueles com empregos em período integral: 17% a 8%. O HHS constatou que o abuso de álcool também é pior entre os desempregados, embora a diferença não seja tão dramática.

Em 2017, o Bureau Nacional de Pesquisa Econômica constatou que cada ponto percentual nas taxas de desemprego do condado produzia um aumento de 3,6% nas mortes de opióides e um aumento de 7% no tratamento de emergência para overdoses por opióides. A última é uma estatística perturbadora quando os recursos médicos nas cidades mais atingidas já estão esgotados, combatendo o coronavírus. Se o tratamento médico de emergência não estiver prontamente disponível, é provável que mais pacientes com overdose morram.

O International Journal of Drug Policy também encontrou evidências de que “o uso de drogas aumenta em tempos de recessão porque o desemprego aumenta o sofrimento psicológico, o que aumenta o uso de drogas”. 

Alguns pesquisadores esperavam uma lado positivo na nuvem negra do desemprego, teorizando que as recessões deixariam as pessoas com menos dinheiro para gastar em drogas, mas a maioria dos estudos disse que o consumo de drogas piora, com os consumidores mudandopara substâncias mais baratas (e geralmente mais perigosas) para se drogarem. Alguns dos estudos demonstraram que o abuso de drogas é uma das muitas ameaças à vida que se tornam muito piores durante períodos de alto desemprego, e o consumo de drogas tende a exacerbar os outros, incluindo distúrbios de estresse, doenças cardiovasculares, homicídios e suicídio.

Uma pesquisa em centros de tratamento de drogas constatou que o consumo de drogas piorou na maioria das áreas durante uma crise, embora alguns dos centros respondentes tenham notado menos consumo devido ao fato de as pessoas terem menos dinheiro para gastar e mais preocupações em perder o emprego por causa das drogas. 

“A principal razão apresentada para aumentar o uso de drogas foi a maior quantidade de tempo livre disponível. Outras razões importantes foram a maior disponibilidade de substâncias durante esse período, mais estresse no trabalho e a busca de consolo em resposta à perda de uma fonte estável de renda, status social e / ou família”, afirmou a pesquisa.

Estudos semelhantes na Europa, após a crise financeira de 2008, chegaram à mesma conclusão, descobrindo que o consumo geral de substâncias pode diminuir em tempos de dificuldades econômicas, mas “encontram-se um aumento no uso nocivo e efeitos negativos em subgrupos específicos”. De um modo geral, as formas mais perigosas de consumo – incluindo beber em excesso com consequências fatais – tendiam a piorar, enquanto as formas mais brandas de consumo praticadas pela população em geral declinavam devido a dificuldades financeiras e ansiedade no emprego. Os recém-desempregados foram um dos subgrupos que pioraram.

Uma das descobertas sombrias dos estudos europeus foi que as recaídas entre os usuários de heroína pioraram com o aumento do desemprego, sugerindo que o estresse de tempos econômicos difíceis é particularmente brutal para quem tenta abandonar o hábito. 

Outra constatação foi que o consumo de drogas aumenta porque a venda de drogas é mais fácil em tempos de dificuldades econômicas, enquanto as autoridades estão distraídas ou subfinanciadas e mais jovens se interessam em se tornar traficantes de drogas. Estudos norte-americanos sugeriram que jovens de classes socioeconômicas mais baixas correm maior risco de aumentar as taxas de consumo de substâncias quando a economia declina. Acrescente a grande dificuldade que as pessoas em ocupações de baixa renda têm em trabalhar em casa durante o bloqueio, e você tem uma fórmula para uma explosão de consumo de droga, crime e morte.

A ligação entre o aumento do desemprego e o suicídio também está bem estabelecida. Um estudo da Universidade de Zurique, de 2015, atribuiu um suicído, em cada cinco, por ano, ao desemprego, uma relação que foi agravada pelas crescentes taxas de consumo de substâncias produzidas por perdas de emprego.

As taxas de suicídio também tendem a picos precocemente durante as recessões – com aumentos no desemprego que chegam menos repentinamente do que o coronavírus, os suicídios tendem a piorar antes que as pessoas realmente comecem a perder o emprego, devido ao estresse mental de uma calamidade iminente.

Pesquisadores da Universidade de Oxford argumentaram, em 2014, que a recessão de 2008 causou pelo menos 10.000 “suicídios econômicos” em todo o mundo ocidental, com cerca de 4.700 deles nos Estados Unidos. Essa foi apenas a ponta temível do que eles descreveram como uma “iminente crise de saúde mental”. A crise do coronavírus está afetando gravemente os recursos governamentais e médicos que os pesquisadores consideraram vitais para impedir que a depressão e os suicídios piorem ainda mais.

Um estudo do Departamento de Assuntos de Veteranos dos EUA, de 2019, descobriu que a ligação entre desemprego e suicídio é especialmente pronunciada durante demissões em massa, em parte porque as pessoas que lutam contra a depressão e a ansiedade atraem menos apoio de suas famílias e comunidades quando todos parecem estar perdendo seus empregos.

Algumas autoridades locais já estão denunciando suicídios relacionados à ansiedade por causa do coronavírus e da quarentena, o que faz as pessoas se sentirem isoladas e fisicamente combalidas. Os telefones de emergência para suicídio estão relatando um aumento no tráfego, enquanto outros grupos de apoio dizem que uma parcela grande e perturbadora das pessoas que se queixam de estresse mental, devido à quarentena do coronavírus, alimenta pensamentos de suicídio.

O perigo de mais mortes por consumo de drogas durante a pandemia de Wuhan pode ser uma das razões pelas quais o presidente Donald Trump anunciou um forte esforço militar contra os cartéis sul-americanos. Foi uma declaração de guerra contra os cartéis que surpreendeu muitos observadores da mídia, dado o quanto, no momento, a atenção está focada no coronavírus. Disse Trump:

“Não devemos deixar que os cartéis de drogas explorem a pandemia. O Comando Sul dos EUA aumentará a vigilância, interrupção e apreensão de remessas de drogas e fornecerá apoio adicional aos esforços de erradicação”.

Aqueles que se preocupam com o impacto econômico do bloqueio às vezes são ridicularizados como insensíveis ou gananciosos, ansiosos por “sacrificar a avó para proteger suas popanças de mlhares de dólares” ou “morrer por Wall Street”. Não estamos enfrentando uma escolha binária entre saúde pública e segurança financeira. As pessoas que morrem por causa da quarentena serão mais difíceis de identificar do que as vítimas do coronavírus, mas certamente haverá um custo na vida humana se prolongarmos as medidas mais drásticas e, em algum momento, esse custo excederá as fatalidades do vírus. Nenhuma das opções diante de nós é fácil, e nenhum dos cálculos é simples.

Aviso Legal

O CONIPSI acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a salvar vidas. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito do novo Coronavírus, a fim de difundir somente aquelas que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Publicidade

Sorteio Brigith Jóias!

Peça Publicitária A Brígith jóias & consignação preparou um sorteio para seus seguidores:Quer ganhar todos esses prêmios? 100 reais em jóias. Uma Make Profissional. Uma

Leia Mais »