Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

 

Universidade vetou pesquisa de mudança de sexo por considerá-la politicamente incorreta.

Ao mesmo tempo, universidades de prestígio, como Harvard, estão fazendo esforços para reduzir seu aspecto educacional, favorecendo a inclusão em detrimento do conhecimento e do pensamento crítico.

Leia os dois artigos aqui condensados aqui e aqui.
A Universidade Bath Spa, no Reino Unido, bloqueou a pesquisa sobre o aumento das pessoas que se arrependeram da cirurgia de mudança de sexo, ao mesmo tempo em que alega que o estudo não politicamente correto poderia prejudicar a reputação da instituição.
 
O psicoterapeuta James Caspian foi impedido de examinar os casos em que as pessoas se arrependeram de sua cirurgia de mudança de sexo a ponto de quererem revertê-la.
 
Caspian, de 58 anos, é conselheiro há 16 anos, especializado em questões de transexuais. tendo trabalhado no assunto há anos. Ele criticou duramente a universidade por não respeitar “os princípios mais básicos da liberdade de investigação acadêmica e intelectual”.
 
“A razão fundamental apontada foi que isso poderia causar críticas à pesquisa em mídias sociais, e a crítica à pesquisa seria crítica à universidade, e eles também acrescentaram que seria melhor não ofender as pessoas”* “Fiquei atônito com essa decisão. Eu acho que uma universidade tem que estimular a discussão, a pesquisa, a dissidência mesmo, contestar ideias que estão desatualizadas ou não são particularmente úteis.”
 
Caspian explicou que a porcentagem de pessoas que se arrependeram de sua decisão de “mudar” de gênero variou de cerca de 2% a 20%, de acordo com estudos, e seriam necessárias novas pesquisas sobre a questão uma vez que os profissionais observaram aumento no número de pessoas que desejam reverter a transição.
 
Breitbart relata que a pesquisa do Caspian foi inicialmente aprovada pela universidade, mas depois de ter apresentado suas idéias ao subcomité de ética e ter proposto encontrar mais participantes on-line, a instituição afirmou: “envolver-se em uma pesquisa potencialmente politicamente incorreta traz risco à Universidade “.
“É ridículo. Estou na casa dos cinquenta anos, sou especialista em meu campo e sequer estou nas mídias sociais Não estou com medo de jeito nenhum. Fazer perguntas não é um crime de ódio “, disse Caspian. “Onde ficaria a reputação de uma universidade que não consegue seguir os princípios mais básicos da liberdade académica e intelectual de pesquisa?” 
 
 
Harvard redigiu um relatório sob o título “Força Tarefa de Inclusão e Pertencimento”.Segundo o relatório, a proficiência linguística é um “indicador de excelência” padrão, o qual a equipe de ataque se opõe.
 
A seção C do relatório afirma que a universidade deve evitar a “dependência excessiva de indicadores de excelência que favoreçam sistematicamente os grupos historicamente dominantes”, embora esses indicadores sejam geralmente associados ao sucesso profissional tanto quanto educacional. O “sistema” do qual eles estão tentando se esquivar é, afinal, apenas o mundo. Os indicadores de sucesso que favorecem sistematicamente os grupos historicamente dominantes incluem coisas como: escrita, compreensão de leitura, matemática, pensamento crítico e resolução de problemas. Embora essas habilidades sejam em grande parte inúteis para estudantes de Estudos de Gênero, elas são críticas para o sucesso de qualquer tipo fora do ambiente do campus.
 
O relatório foca na educação em liderança, e compromete-se a “preparar os alunos para a liderança inclusiva no mundo em Harvard e além dele”, embora a eliminação da rigidez da educação torne a liderança do mundo real praticamente impossível. Tenha certeza, se você não consegue compreender um e-mail escrito acima do nível da 6ª série ou escrever um e-mail acima do nível da 6ª série, na verdade, é improvável que se encontre em uma posição de liderança, exceto dentro do espaço seguro do campus ou na força-tarefa de inclusividade.
 
Ironicamente, Harvard já é mais inclusiva do que a realidade, com uma distribuição demográfica desordenadamente distorcida da etnia de admissão de estudantes. Aparentemente, 50,9% das admissões são de não-brancos, apesar de 73,6% da nação ser branca. 12,4 por cento são internacionais, mas isso dificilmente representa uma diferença tão grande. Enquanto os afro-americanos têm uma taxa de admissão proporcionalmente representativa – eles representam 14,6% das admissões, em comparação com 12,6% da população a nível nacional. – os asiáticos americanos estão sobre-representados por um fator de cerca de quatro. Os asiáticos americanos compõem apenas 5,1 por cento da população dos EUA, mas são 22,2 por cento das admissões de Harvard em 2017.
 
 
* entrevista à BBC Radio 4

 

 

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Divulgação

Bible Journaling na SBB

Bible Journaling é uma técnica para estimular a leitura e o estudo da Bíblia Sagrada.  Consiste em destacar versículos na Bíblia, anotando ideias, sentimentos e ensinamentos.

Leia Mais »