iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Alison Holt. Leia o artigo completo na BBC .

Clínica de mudança de gênero processada por pacientes

A clínica com sede em Hampstead, noroeste de Londres, que administra o único serviço de desenvolvimento de identidade de gênero (GIDS) do Reino Unido, acrescentou que recebeu um exame das evidências nessa área controversa.

Keira Bell, 23 anos, descreve-se como tendo sido uma moleca quando criança. Ao se perguntar sobre o quão forte era a sua sensação de necessidade de mudar sua identidade de gênero, ela respondeu que ela foi aumentando gradualmente à medida que descobria mais, on-line, sobre a transição.

Então, ao seguir o protocolo médico, ela disse “um passo levou a outro”.

Aos 16 anos, ela foi encaminhada para a clínica Tavistock GIDS. Ela disse que, após três consultas de uma hora, recebeu medicamentos bloqueadores da puberdade, que atrasam o desenvolvimento de sinais de puberdade, como menstruação e pelos faciais.

Ela teve a impressão de que não houve investigação nem terapia suficientes antes de chegar a esse estágio:

“As proposições ou alegações que eu estava fazendo para mim mesma deveriam ter sido contestadas. E acho que isso também faria uma grande diferença. Se eu tivesse sido contestada pelas coisas que estava dizendo”.

Um ano após o início dos bloqueadores da puberdade, ela disse que lhe foi receitado o hormônio masculino testosterona, que desenvolveu características masculinas como pêlos faciais e voz profunda. Três anos atrás, ela fez uma operação para remover os seios.

“Inicialmente me senti muito aliviada e feliz com as coisas, mas acho que, com o passar dos anos, você começa a se sentir cada vez menos entusiasmada ou até feliz com as coisas.

“Você pode continuar e se afundar mais nesse buraco ou pode optar por sair dele e tirar o peso de seus ombros.”

Keira Bell durante o uso dos hormônios masculinos

Depois de 10 anos tomando os hormônios, ela parou no ano passado e disse que agora estava aceitando seu sexo como mulher. Mas ela também estava brava com o que havia acontecido com ela na última década.

“Foi-me permitido seguir com essa ideia que eu tinha, quase como uma fantasia, quando adolescente … e isso me afetou a longo prazo quando adulta.”

“Sou muito jovem. Acabei de entrar na idade adulta e tenho que lidar com esse tipo de fardo ou diferença radical – em comparação com os outros, pelo menos.”

Os advogados de Keira argumentam que as crianças não conseguem avaliar o impacto que esse tratamento pode ter na vida futura, incluindo, por exemplo, na fertilidade; elas não podem dar consentimento informado ao tratamento que atrasa a puberdade ou as ajuda a fazer a transição.

Ex-funcionários da clínica levantaram preocupações de que os adolescentes que desejam fazer a transição para um gênero diferente estejam recebendo bloqueadores da puberdade sem avaliação ou trabalho psicológico adequado.​ Crianças de até 12 anos ​também ​receberam.

Mas ela também entende por que os adolescentes chegam à clínica profundamente angustiados e desesperados para mudar de gênero.

“Eu disse a mesma coisa anos atrás quando fui à clínica. Eu diria que isso estava me salvando da tendência suicida e da depressão em geral e na época senti que isso aliviava todos os problemas de saúde mental que eu estava sentindo, juntamente com a disforia de gênero. “

Ela descreveu sua vida familiar como difícil. Ela também acredita que se tivesse se sentido mais aceita pela sociedade como era na época, talvez não quisesse mudar de gênero. Ela acrescentou que não gostaria de ouvir vozes de cautela quando era mais jovem.

“Acho que posso dizer qualquer coisa para o meu eu de 16 anos e talvez não necessariamente escute naquele momento. E esse é o ponto desse caso, quando você é tão jovem que não quer realmente ouvir.”

“Então, acho que cabe a essas instituições, como o Tavistock, intervir e fazer as crianças reconsiderarem o que estão dizendo, porque é um caminho que altera a vida”.

A clínica que administra o único serviço de desenvolvimento de identidade de gênero (GIDS) do Reino Unido é administrada pela Dra Polly Carmichael, psicóloga clínica consultora. Ela elogiou Keira por se manifestar, mas insistiu que a clínica tinha um processo de avaliação completo.

Ela descreveu sua abordagem como cautelosa e disse que trabalha em estreita colaboração com as crianças e suas famílias para tomar as decisões certas, com menos da metade das pessoas que tomam bloqueadores da puberdade ou hormônios sexuais.

“Esta é uma área realmente complexa, com fortes sentimentos por todos os lados. E, no centro, os jovens com quem trabalhamos – eles vêm até nós com muita angústia em relação ao seu senso de si mesmos.

“Estamos falando sobre identidade aqui, sua identidade e um sentimento de que sua identidade de gênero não corresponde a esse corpo”.

Ela acredita que a revisão judicial, quando isso acontecer, será uma oportunidade importante para garantir que as evidências sobre o tratamento e a capacidade de consentimento de uma criança sejam cuidadosamente examinadas.

“Este é um debate acalorado no momento. E acho que dar um passo atrás – e ter uma análise externa das evidências e dos sentimentos das pessoas sobre a maneira mais apropriada de apoiar os jovens – ​só ​pode ser benéfico neste momento”.

A ong Mermaids fornece apoio a jovens trans e com diversidade de gênero e suas famílias. Sua executiva-chefe, Susie Green, defendeu o processo atual, que, segundo ela, base​ia-se em anos de pesquisa, e espera que a revisão judicial “ilumine” as experiências dos jovens.

Ela disse​ que muitas pessoas que se aproximaram da ​Mermaids estavam “muito angustiadas”​,​ e que a pesquisa sugeriu que os bloqueadores da puberdade poderiam ajudar a reduzir as taxas de danos pessoais e suicídio.​ Para ela, não foi “proporcional” retirar os serviços por causa de “um número muito pequeno” de pessoas que se arrependem de ter sofrido intervenção médica​:​

“Em um primeiro momento, o tempo de espera é superior a dois anos e, quando os jovens entram no serviço, existe um processo que demora um ano antes da intervenção médica ser considerada​. O processo é muito detalhado e eles obtêm muitas informações sobre os benefícios, as armadilhas e os resultados projetados do que vem com qualquer tipo de medicamento. Portanto, eles ​dão um consentimento informado e isso sustenta o Sistema Nacional de Saúde (NHS).

Embora os bloqueadores da puberdade sejam descritos pelo NHS como reversíveis, o GIDS reconhece que seu impacto no desenvolvimento cerebral e na saúde psicológica não é totalmente conhecido.

O NHS já anunciou uma revisão independente de suas políticas sobre o uso de bloqueadores da puberdade e hormônios entre sexos.​ Diz que é parte de um exame planejado, que será realizado por um painel de especialistas independentes.

Keira Bell , depois de abandonar os hormônios masculinos.
star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Coronavírus (COVID-19)

O Vírus Chinês Abala a Saúde Mental

Médico psiquiatra, professor titular do departamento de psiquiatria da Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, o professor Jair de Jesus Mari ministrou

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *