iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A geração mais fantástica: Eu sacrifico pela liberdade
A geração mais estúpida: Eu voto por coisas grátis

Por Jaimie Seaton. Leia o artigo completo no Jewish World Review.

Assisti a uma apresentação de Jean M. Twenge, autora de “Geração Mim: Por que os jovens americanos de hoje são mais confiantes, assertivos, entitled* – e mais infelizes ​​do que nunca”.

Twenge catalogou conselhos populares que os pais têm dado aos filhos desde a geração X. Ela listou rapidamente os clichês: acredite em si mesmo, ame a si mesmo, tudo é possível, seja simplesmente você mesmo, você pode ser o que quiser, nunca desista dos seus sonhos, você é especial.

Twenge disse que sua mãe, que cresceu na década de 1950, provavelmente não ouviu essas coisas. Em 2012, Twenge e seus colegas analisaram 5 milhões de livros americanos publicados de 1960 a 2008, buscando 20 palavras e frases relacionadas aos clichês. Eles descobriram que frases como “ame a si mesmo” não apareciam muito até a década de 1970 e, então, o uso aumentou, atingindo o pico nos últimos 15 anos.

O sucesso musical de 1972 “Free to Be You and Me” incorporava a mensagem “ame a si mesmo”. Nascido dos direitos civis e dos movimentos feministas, o álbum incentivava a individualidade e a tolerância, e foi um divisor de águas no movimento do eu positivo.

O problema, segundo Twenge, é que o pêndulo foi longe demais, levando à era dos troféus por participação e professores do ensino fundamental hesitando em corrigir os alunos, pois isso poderia prejudicar sua auto-estima. Disse ela:

“Uma de nossas crenças mais arraigadas nos Estados Unidos, hoje, é que a auto-estima é realmente muito importante. E não apenas a auto-estima ou a confiança, mas o excesso de confiança.”

Pesquisas, no entanto, mostram que a auto-estima não ajuda uma pessoa a ter sucesso, disse Twenge. Embora exista uma correlação positiva entre auto-estima e notas, fatores externos, como vir de um lar estável, apagam grande parte dessa correlação.

“Essa idéia de que você vai desenvolver a auto-estima e isso levará a coisas boas, se não tiver uma base, não funcionará dessa maneira. Isso coloca a carroça antes dos bois”, disse Twenge.

Ela citou uma pesquisa que descobriu que, nos Estados Unidos, o grupo étnico com menor auto-estima é o asiático-americano, que também é o grupo com o melhor desempenho acadêmico. Mesmo admitindo o componente cultural, Twenge disse que a descoberta desmente a ideia de que a autoconfiança é a chave do sucesso:

“Claramente, não é. A auto-estima pode causar problemas se não se basear na realidade”.

Twenge citou uma pesquisa mostrando que, em comparação com as gerações anteriores, os estudantes universitários atuais têm uma probabilidade significativamente maior de se enxergar acima da média em vários atributos (autoconfiança social e intelectual e redação, oratória e habilidades de liderança entre eles). Curiosamente, as autoavaliações sobre saúde emocional e física e espiritualidade diminuíram. Durante o mesmo período, as notas do ensino médio aumentaram, enquanto a porcentagem de estudantes que fazem 10 ou mais horas de lição de casa por semana diminuiu. Por fim, é muito mais provável que os recém-formados esperem obter uma pós-graduação e trabalhar como profissional aos 30 anos, mas o número que realmente o faz permanece inalterado.

“A cultura mudou para enfatizar ter expectativas muito altas e dizer aos nossos filhos que eles podem ser o que quiserem”, disse Twenge. “O problema com este conselho é que não é apenas confiança, é excesso de confiança; não é apenas auto-focado, é ilusório. A frase ‘você pode ser o que quiser ser’ não é verdadeira. Faz parecer que para todas as crianças , todo e quaisquer objetivos são alcançáveis ​​e não é assim que o mundo funciona”.

Ela acrescentou que mirar alto pode ser um bom motivador, mas a enorme lacuna entre expectativas e realidade pode ser problemática.

Twenge, que tem três filhas, aconselha os pais a serem específicos; elogiar o esforço em vez de fazer uma declaração geral sobre capacidade; e focar no que a criança faz e no desempenho, em vez de no que a criança é e no resultado.

“Diga: ‘Vejo que você trabalhou duro nisso’ em vez de ‘você é tão talentoso’ ou ‘tão inteligente’ ‘. Diga: ‘Eu sei que você pode nadar muito rápido porque eu vi você fazer isso outro dia’ “, disse ela. “É importante enfatizar a auto-capacidade (saber que você pode fazer algo) em oposição à auto-estima (pensar que você é ótimo)”.

Twenge chamou a diferença entre as duas de uma das armadilhas comuns dos pais modernos. O benefício de enfatizar a autoeficácia é que a criança foca no que está fazendo. Se falhar, pode trabalhar para fazer melhor da próxima vez.

“Isso é importante”, disse Twenge. “As crianças aprendem com o fracasso, o fracasso não é ruim. Os adultos também aprendem com o fracasso.”

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Coronavírus (COVID-19)

O Vírus Chinês Abala a Saúde Mental

Médico psiquiatra, professor titular do departamento de psiquiatria da Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, o professor Jair de Jesus Mari ministrou

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *