Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Cartum de Deana Sobel Lederman.

Por Mark Powell. Leia o artigo completo na Declaração de Canberra.

Há uma sensação palpável de inquietação – e até pavor – entre os passageiros. Quase todo mundo está usando máscaras faciais, evitando todo toque físico, e todo mundo está constantemente lavando as mãos com álcool.

Considerando a rápida disseminação global da doença, bem como projeções desastrosas de contágio ainda maior, essas medidas não são irracionais. Mas é o nível de medo existencial que mais se destaca.

Apenas alguns meses atrás, o mundo estava sob o controle da histeria climática, com a Austrália sofrendo uma das piores temporadas de incêndios florestais já registradas. Muitos da esquerda aproveitaram a oportunidade para repreender o Primeiro Ministro por não adotar uma postura progressiva mais agressiva sobre a questão das mudanças climáticas.

Muitos fizeram a ligação tênue entre o coronavírus e as mudanças climáticas. Ironicamente, ninguém parece responsabilizar o Partido Comunista Chinês (PCC) por censurar, aprisionar e ameaçar cidadãos chineses que se manifestaram sobre o surto antes que este fosse divulgado por agências de notícias aprovadas pelo PCC.

As pessoas afetadas [pelos incêndios] estão começando a reconstruir suas vidas. Mas é a ameaça iminente de contágio que derrubou nosso orgulho arrogante do Ocidente.

Em 1948, CS Lewis escreveu um ensaio intitulado “Vivendo em uma era atômica”. Nele, ele fala sobre a ansiedade que a maioria das pessoas em sua época tinham em relação à ameaça da guerra nuclear. Mais uma vez, era uma preocupação legítima. Lewis escreveu o seguinte:

De certa forma, pensamos demais na bomba atômica. “Como devemos viver em uma era atômica?” Fico tentado a responder: “Ora, como você teria vivido no século XVI, quando a praga visitava Londres quase todos os anos, ou como você teria vivido em uma era viking, quando invasores da Escandinávia poderiam desembarcar e cortar sua garganta a qualquer noite; ou, de fato, como você já vive em uma era de câncer, de sífilis, era de paralisia, uma era de ataques aéreos, uma era de acidentes ferroviários, uma era de acidentes automobilísticos.”

Em outras palavras, não vamos começar exagerando a novidade de nossa situação. Acredite em mim, prezado senhor ou senhora, você e todos os que você ama já foram condenados à morte antes que a bomba atômica fosse inventada: e uma porcentagem bastante alta de nós iria morrer de maneiras desagradáveis. Tínhamos, na verdade, uma grande vantagem sobre nossos ancestrais: anestésicos; mas ainda temos isso. É perfeitamente ridículo continuar choramingando e fazendo caras tristes, porque os cientistas acrescentaram mais uma chance de morte prematura e dolorosa a um mundo que já se arrastava com essas chances, e no qual a própria morte não era uma chance, mas uma certeza.

Este é o ponto principal: e a primeira ação a ser tomada é nos recompormos. Se todos nós formos destruídos por uma bomba atômica, que ela nos encontre fazendo coisas sensíveis e humanas: orando, trabalhando, ensinando, lendo, ouvindo música, dando banho nas crianças, jogando tênis, conversando com nossos amigos sobre uma cerveja e um jogo de dardos, e não amontoados como ovelhas assustadas e pensando em bombas. Elas podem quebrar nosso corpo (um micróbio pode fazer isso), mas não precisam dominar nossas mentes.

Sem dúvida, a comunidade internacional está enfrentando uma grave crise médica. Mas é em momentos como este que os fundamentos filosóficos e espirituais de nossas vidas são expostos. Como Martin Luther escreveu em 1527 em seu folheto, Se alguém pode fugir de uma praga mortal :

Primeiro, é preciso admoestar as pessoas a frequentarem a igreja e ouvir o sermão, para que aprendam através da Palavra de Deus como viver e como morrer.

Lutero continuou descrevendo muitas responsabilidades práticas e pastorais sobre como os cristãos em particular deveriam responder. Porém, durante um período de perigo físico iminente, percebemos que não estamos no controle de nossos destinos, como costumamos assumir. Pois o vírus não discrimina entre ricos e pobres, leste e oeste, ou mesmo homens e … bem, tudo entre eles.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.