Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email


O que você deve fazer se seu filho de cinco anos lhe disser que ele é uma menina?

Primeiro menino drag queen.

Por Leonard Sax, no Public Discourse.

 O menino de cinco anos que transita para se identificar com uma menina deu um grande passo em uma estrada que pode levar ao tratamento com hormônios sexuais cruzados, castração e infertilidade. A maioria dos meninos de cinco anos que dizem que são meninas não vai persistir: quinze anos depois, na grande maioria dos casos, esse menino dirá que ele é um homem, não uma mulher. Mas a Academia Americana de Pediatria está agora priorizando a opinião de uma criança de cinco anos sobre o julgamento ponderado dos pais da criança.  As diretrizes da AAP  para os transexuais está pólitizada.

A proporção de crianças e jovens adultos que dizem que são transexuais está aumentando a um ritmo extraordinário, não apenas nos Estados Unidos, mas também em outros países. Em 2009-2010, apenas quarenta meninas no Reino Unido solicitaram a mudança para o sexo masculino. Em 2017–2018, esse número era de 1.806 meninas, um aumento de mais de 4.000% em menos de uma década. O Escritório de Igualdade do Governo do Reino Unido (sim, existe)  anunciou que investigará .

O que está acontecendo?

A maior associação de pediatras do nosso país, a Academia Americana de Pediatria (AAP), divulgou recentemente  novas diretrizes  para a avaliação e gestão de crianças e adolescentes que se identificam como transexuais. Diretrizes anteriores  reconheciam que a melhor prática depende da idade da criança. A grande maioria dos meninos de cinco anos que dizem que são meninas não persistirá nessa convicção; dez anos depois, a maioria desses meninos dirá que eles são meninos. Eles podem ser gays, podem ser heterossexuais, mas agora têm certeza de que são meninos. Eles não querem mais ser meninas.

Crianças de cinco anos não são adultos maduros. Eles são crianças pequenas. À medida que crescem, mudam de maneira profunda, particularmente após o início da puberdade.

Pediatras especialistas costumavam entender isso. Eles não o fazem mais, pelo menos não no que diz respeito à identificação de transexuais. As novas diretrizes da AAP explicitamente eliminam qualquer papel para a idade na avaliação da criança. De acordo com as novas diretrizes,  qualquer  criança que queira fazer a transição para o outro sexo deve ser “afirmada”.  Independentemente da idade. Se um menino de cinco anos lhe disser que ele é uma menina, sua função é lhe comprar um vestido e mudar seu nome para Emily. Qualquer outra resposta está desatualizada e é transfóbica. Os autores rejeitam, especificamente, qualquer “espera vigilante” por crianças pré-púberes.

Onde estão as provas?

Essas novas diretrizes não se baseiam em evidências. Pelo contrário, contradizem a pesquisa disponível. Por exemplo,  em um estudo, 139 meninos, que persistentemente disseram que eram meninas, estavam matriculados por volta dos sete anos de idade. Quando os pesquisadores rastrearam esses meninos muitos anos depois (em média treze anos depois), apenas dezessete dos 139, ou 12%, ainda diziam que eram meninas ou tinham dúvidas sobre sua identidade de gênero. Este estudo e  outros, demonstram que a maioria dos meninos que se dizem meninas antes do início da puberdade não dirá que são meninas após o início da puberdade. Mas a Academia Americana de Pediatria está agora priorizando a opinião de uma criança de cinco anos sobre o julgamento dos pais da criança, sugerindo que o pediatra deve tomar medidas legais (não especificadas) se esses pais ignorantes se recusarem a obedecer os desejos de seu filho de fazer a transição para o outro sexo.

Suponha que um menino de cinco anos conte a seus pais que ele é uma menina. Ele quer ir de vestido para a escola e mudar seu nome para Emily. Suponha que os pais desejem adotar uma atitude de esperar para ver. Ele pode usar um vestido para o seu traje de Halloween, mas não para a escola. A AAP agora denuncia essa abordagem como “ultrapassada”. Pior inda: esses pais estão tentando impedir que a criança “se identifique como transexual”. Eles rotulam essa abordagem como “terapia reparativa”. Eles então afirmam que as terapias reparativas se mostraram fracassos. Em apoio a essa afirmação, eles fornecem uma única citação: um relatório de 1994 sobre o fracasso de intervenções destinadas a mudar a orientação sexual de homens e mulheres homossexuais.

Desatualizado, de fato. Um relatório que documenta o fracasso dos esforços para mudar a orientação sexual de adultos é de duvidosa relevância para a questão de saber se um menino de cinco anos chamado Justin, que diz que ele é realmente uma menina chamada Emily, deveria ser incentivado a fazer a transição. Opa! Desculpem-me por dizer “transição”. As diretrizes sugerem que não mais usemos o termo “transição”, porque devemos “ver o processo como uma afirmação e aceitação de quem eles sempre foram e não como uma transição”. As diretrizes também endossam a mudança da certidão de nascimento da criança, para apagar qualquer traço da existência de Justin: o nome da criança na certidão de nascimento será mudado para Emily, e o sexo da criança no nascimento será mudado para feminino. Justin nunca existiu.

George Orwell não conseguiria ter inventado isso.

Quando eles crescem

O que realmente acontece com garotos que dizem que são garotas? Alguns crescem para ser homens gays. Aqueles gays não querem ser mulheres. Eles estão muito felizes em ser homens gays. Eles não desejam mudar seu nome, tomar hormônios femininos ou ser castrados. O médico que realmente procura fazer o que é melhor para aquele jovem garoto deve, portanto, determinar: esse garoto é realmente transexual, ou talvez ele seja um menino gay que ainda não descobriu que é gay? Ou talvez ele seja um garoto hetero que só gosta de balé e glitter?

Como você deve fazer essa distinção, se estiver lidando com uma criança de cinco anos? Não é fácil. Lembro-me de pedir à minha mãe, quando eu tinha sete anos:

– Se eu casar com uma mulher, vou ter que tirar meu pijama na cama com ela?

Minha mãe respondeu:

– Sim, você vai, mas você vai  querer.

Eu disse:

– Não, não vou! Garotas têm piolhos!

Por acaso, acabei sendo um homem hetero. (E eu ainda gosto de balé e glitter.)

Não é adequado para o seu desenvolvimento, perguntar a uma criança de cinco anos sobre sua orientação sexual. Crianças pré-adolescentes não têm uma agenda sexual, nem deveriam. Elas são crianças pré-púberes. Mas se não há maneira exata de determinar a orientação sexual de uma criança de cinco anos – e não há -, então não há como dizer se esse menino de cinco anos persistirá em querer ser mulher, se ele é simplesmente um menino gay que ainda não descobriu sua própria orientação sexual, ou se ele é um garoto hetero que simplesmente ama brilho e balé. Com base nas evidências, a abordagem mais sensata para tal menino é mostrar-lhe amor e apoio, mas não para ele fazer a transição para outro sexo. Ele quer estudar balé? Ótimo! Mas ele estudará balé quando menino, não como menina.

O menino de cinco anos que transita para se identificar com uma menina deu um grande passo em uma estrada que pode levar ao tratamento com hormônios sexuais cruzados, castração e infertilidade. A AAP não permitiria que uma criança de cinco anos vetasse a decisão dos pais quanto à vacinação contra a difteria, que é hoje uma doença muito rara. Por que a AAP está dando autoridade suprema a alguém de cinco anos para essa decisão muito mais profunda?

Minando a confiança do público em médicos

A politização da Academia Americana de Pediatria é desorientadora para mim em um nível pessoal. Minha mãe, a falecida Janet Sax MD, foi a primeira mulher a ser presidente da Northern Ohio Pediatrics Society, quase cinquenta anos atrás. Ela orgulhosamente assinou as iniciais “FAAP” após o nome dela para que as pessoas soubessem que ela era uma membro da Academia Americana de Pediatria. Quando ela discutia casos comigo, quando eu era adolescente na década de 1970, ela mencionava as diretrizes da AAP em tom de respeito e reverência. Ao longo dos meus mais de trinta anos como médico, também há muito tenho o hábito de citar as diretrizes da AAP em muitos tópicos como modelo de excelência, o ponto de referência indiscutível.

Não mais.

Muito tem sido escrito sobre a politização da cultura americana. Cinqüenta anos atrás, os americanos eram muito mais propensos a confiar no Judiciário e na mídia, por exemplo. Hoje, essa confiança foi corroída. Os americanos acreditam cada vez mais – com boas razões – que muitos juízes e muitos jornalistas têm uma agenda partidária que distorce seu comportamento profissional.

Os médicos, até recentemente, estavam imunes a essa tendência. Muitos americanos ainda confiam em seu pediatra para fazer recomendações para seus filhos baseadas em evidências, não em ideologia ou política. A Academia Americana de Pediatria, infelizmente, deu um grande passo que, se não for revertida, prejudicará essa confiança.

Leonard Sax

Leonard Sax MD PhD é um médico de família e autor de quatro livros para pais, incluindo Boys Adrift , Girls on the Edge , The Collapse of Parenting e Why Gender Matters: o que pais e professores precisam saber sobre a emergente ciência do sexo diferenças (Harmonia, 2017). Mais informações estão online em www.leonardsax.com .

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Arte

Quero Ser Querido

ENDRE ADY (1877–1919) Não sou antepassado, herdeiro,parente, amigo ou companheironem nada de ninguém,nem nada de ninguém. Alteza, como todo humano,sou Cabo Norte, enigma, arcano,longínquo fogo-fátuo,longínquo

Leia Mais »